Segundo dados divulgados nessa sexta-feira (04/11) pela Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), as importações brasileiras de derivados lácteos apresentaram, em novembro, o patamar mais elevado desde setembro/2016.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Balança comercial: importações de lácteos voltam a subir!

Segundo dados divulgados nessa sexta-feira (04/11) pela Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), as importações brasileiras de derivados lácteos apresentaram, em novembro, o patamar mais elevado desde setembro/2016.

No total, foram importados cerca de 189 milhões de litros de leite equivalente no mês, um aumento de 4% em relação a outubro/2020. Ao compararmos esse valor com o mesmo mês de 2019, encontramos uma variação significativa de +117%. Já quanto às exportações, o volume foi de 8,3 milhões de litros, uma queda de 30% em relação ao mês anterior, mas 47% maiores que as de novembro/2019. Assim, o saldo da balança comercial de lácteos foi de -180 milhões de litros (em equivalente leite), uma queda de 7% no déficit quando comparado a outubro/20.

Gráfico 1. Saldo da balança comercial brasileira de lácteos, 2017 a 2020.

balança comercial láctea novembro 2020
Fonte: Elaborado pelo MilkPoint a partir dos dados do COMEXSTAT

 

As importações em 2020 se mantiveram em elevados patamares na segunda metade do ano, resultado de um mercado com baixa disponibilidade de leite e derivados. Ainda, em julho e agosto, observamos um cenário aquecido e com altos preços para esses produtos, estimulando o fechamento de novos contratos. Apesar de setembro e outubro terem apresentado uma situação mais complicada, com demanda desaquecida e retração de preços no atacado, não foi verificada uma redução dos patamares para os importados. Por outro lado, a pouca disponibilidade de leite no Mercosul e produtos importados com preços menos competitivos podem afetar o fechamento de novos contratos.

Entre os produtos importados pelo Brasil, o leite em pó integral, o leite em pó desnatado e queijos foram aqueles com maior participação na pauta importadora em novembro. Deles, apenas o leite em pó desnatado apresentou aumento, com uma variação de 116% no volume importado. Outro produto que apresentou considerável aumento foi a manteiga, com variação positiva de 182% – refletindo a baixa disponibilidade de gorduras lácteas atualmente no mercado brasileiro.

Em relação às exportações, os produtos que têm maior participação no volume total exportado foram o leite condensado e o creme de leite, que juntos, representaram 52% da pauta exportadora. Porém, pode-se observar que houve retração significativa no volume vendido de leite condensado, em 49%. Entre os produtos com maior redução, se destacam o leite em pó desnatado (-100%), manteigas (-78%) e leite modificado (-58%). Apesar da queda das exportações em novembro/20, o volume, em equivalente-leite, foi 47% superior a novembro/2019 e, no acumulado do ano, o aumento é de 54%.

Na tabela 2, é possível observar as movimentações do comércio internacional de lácteos no mês de novembro deste ano.

Tabela 2. Balança comercial láctea em novembro de 2020

balança comercial láctea novembro 2020
Fonte: Elaborado pelo MilkPoint, com base em dados COMEXSTAT.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER