A agropecuária baiana exerce papel essencial no crescimento econômico, representando cerca de 25% do PIB do estado, empregando 1/3 da população ativa e sendo responsável por aproximadamente 50% das exportações baianas.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Fonte: Noticias Agrícola

Em 2021, houve crescimento de produção de diversos produtos, como soja, algodão, leite, ovos, carne de frango, manga, uva, batata inglesa, dentre outros.

No tangente à estruturação das cadeias produtivas, a Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (SEAGRI) distribuiu, em 2021, mais de mil máquinas, equipamentos e implementos agrícolas para associações, prefeituras e consórcios de desenvolvimento. O investimento, da ordem de R$40 milhões, é proveniente de emendas parlamentares, com contrapartida do Governo do Estado, executado pela Seagri.

Eles são utilizados para recuperação e manutenção de estradas vicinais, que são fundamentais para o escoamento da produção agrícola de forma satisfatória e em tempo hábil. A melhor trafegabilidade por estradas rurais também beneficia as comunidades de várias outras maneiras, possibilitando um melhor acesso dos ônibus escolares, facilitando o deslocamento das populações para ações de saúde, trabalho, lazer e demais atividades. As máquinas ainda são utilizadas em projetos de famílias agrícolas, facilitando o cultivo da terra por parte dos trabalhadores rurais, criando empregos e aumentando a renda das famílias.

O secretário Estadual da Agricultura, João Carlos Oliveira, explica que referente ao planejamento estrutural, o Governo do Estado vem viabilizando projetos que vão beneficiar diretamente o agronegócio, a exemplo da Ferrovia de Integração Oeste-Leste – FIOL (EF-334) e do Porto Sul, em Ilhéus. A FIOL tem extensão de 1.527 quilômetros e quando concluída irá ligar o Porto Sul (Ilhéus, BA) à Figueirópolis (TO), passando por cidades baianas como Caetité, Tanhaçu e Barreiras, dentre outras. Já o Porto Sul será o destino de diversos produtos da Bahia que, a partir do porto, poderão ser distribuídos para outros estados e países.

Ele também destaca outra iniciativa importante, que  é a recuperação do Anel da Soja, que compreende a BA-450 / BA-460/ BA-463. O total de extensão a ser requalificada é de 337,93 quilômetros. Trata-se de um dos principais corredores viários para o escoamento da produção agrícola do Oeste da Bahia. Pela rodovia passam, principalmente, soja, milho, feijão, algodão e outros commodities produzidos na região. Além do Anel da Soja, o Governo do Estado também anunciou obras em duas outras estradas muito importantes para o agronegócio: a de São Desidério a Roda Velha e a de Barreiras a Catolândia. O valor total de investimentos nessas estradas é de R$120 milhões.

PLANTIOS – Sobre plantios, o estado passou a ter a maior produtividade de soja do país, segundo dados do Conselho Técnico da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (AIBA). A produção na Bahia, em 2021, chegou a 67 sacas/hectare, com viés de alta. Isso representa aumento de 7,5% com relação ao ciclo passado, quando se chegou a 62 sacas/hectare. E mais, a produtividade no ciclo 2020/21 foi também maior do que a aferida em 2017/18, “período até então celebrado como o melhor de todos os tempos para a soja baiana, quando a produtividade cravou as 66 sacas/hectare. A isso se soma o entusiasmo com as áreas plantadas de soja no Oeste da Bahia, com grande produtividade e expectativa de aumento de áreas plantadas”, comemora o titular da pasta da Seagri, João Carlos Oliveira.

Tratando agora de fruticultura, a atividade, no Vale do São Francisco (compreendendo os estados da Bahia e Pernambuco), é responsável pela produção de um milhão de toneladas de frutas por ano. A Bahia ocupa o 2º lugar na produção de frutas frescas produzidas no país, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Dados da Associação dos Produtores e Exportadores de Hortigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco (Valexport) apresentam um faturamento anual em torno de R$ 2 bilhões somente com a produção de manga e uva, sendo que, desse valor, R$ 440 milhões são relativos aos frutos destinados à exportação. A manga segue sendo a principal fruta destinada ao mercado externo. O fruto produzido na região atende entre 85 e 90% da demanda de exportação no país. Quando o assunto é geração de empregos, os números também não são modestos, já que na fruticultura do Submédio São Francisco são gerados 250 mil empregos diretos e outros 950 mil indiretos. Ainda conforme informações da Valexport, nessa área atuam cerca de três mil produtores.

Assistência técnica e política agrícola – Durante o ano de 2021, a SEAGRI promoveu uma série de capacitações em comunidades do interior da Bahia. Foram desde ações articuladas e que reuniram diversos parceiros, como o Outubro Rosa no Campo, até capacitações específicas para turmas de piscicultura e gestão financeira para negócios do campo.

No tangente à piscicultura, aliás, a SEAGRI possui um programa de distribuição de alevinos que cobre boa parte do território baiano. Inclusive, depois de realizarem o curso de atualização em técnicas de piscicultura, vários produtores recebem alevinos para iniciar ou mesmo fortalecer suas criações.

A SEAGRI também agiu em cadeias produtivas para ajustar disparidades ocasionais de mercado. Como fez em julho, quando atuou fortemente para diminuir o ICMS do milho em grãos, nas operações interestaduais, de 12% para 2%. Os esforços resultaram na decisão do Governo da Bahia por baixar o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, beneficiando toda a cadeia produtiva do grão, impactando positivamente em diversas atividades do Agro, além do beneficiamento e do comércio do produto.

O milho é responsável por 70 a 80% da composição da ração animal, alimentando aves, suínos, bovinos, caprinos e ovinos. Então, a diminuição do imposto é uma estratégia para não só forçar para baixo o preço do milho em grão, como também dos ovos de galinha, das carnes de animais (o milho é produto principal nas rações) e do leite.

Festivais e eventos – Aliado a todas estes esforços, ainda no sentido de fomentar o desenvolvimento agropecuário no Estado, a Seagri apoiou eventos que ocorreram no parque de exposições de Salvador e Itabuna, além dos festivais de chocolate que ocorreram na França (Paris) e Ilhéus. Iniciativas dessa natureza movimentam a economia do estado, além de levar o potencial do agronegócio da Bahia para outros países, e aproveitar para prospectar investidores o Estado.

A temperatura percebida está intimamente ligada à temperatura do ambiente que, juntamente com a umidade relativa, aumentam no verão.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER