A semana começou com os preços internacionais do milho apresentando leves quedas na Bolsa de Chicago (CBOT).
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A semana começou com os preços internacionais do milho apresentando leves quedas na Bolsa de Chicago (CBOT). Dessa forma, as principais cotações registraram desvalorizações entre 0,2 e 0,4 pontos nesta segunda-feira (28). O vencimento março/19 era cotado a US$ 3,79 e o maio/19 valia US$ 3,88.

Segundo análise de Bryce Knorr da Farm Future, os preços do milho estão tentando se manter estáveis ​​após a negociação em uma faixa estreita durante uma sessão tranquila durante a noite. Os futuros de março chegaram perto do topo de seu canal nas últimas seis semanas, embora os traders não saibam sobre o tamanho da safra de 2018 por mais duas semanas.

Mercado Interno

Já no mercado interno a maioria das cotações permaneceram sem nenhuma movimentação ao longo deste primeiro dia da semana. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, apenas as praças de Campinas/SP e Rio Sul/SC registraram valorizações de 1,24% e 2,86% e preços de R$ 39,89 e R$ 36,00 respectivamente. Por outro lado, a cidade de Sorriso teve desvalorizações tanto no disponível, queda de 5% e preço de R$ 19,00, quanto no balcão, baixa de 5,88% e preço de R$ 16,00.

De acordo com a Agrifatto Consultoria, o tempo mais seco colaborou com os trabalhos em campo, e assim, o plantio com o milho safrinha no Centro-Sul avançou 9,0% na última semana, alcançando 15% da área prevista. A semeadura se mostra adiantada com relação a mesma época do ano passado (quando estava em 3%) e também com relação à média dos últimos 5 anos (em torno de 4% da área para este período do ano).

O avanço dos trabalhos em campo amplia a área semeada dentro da janela ideal, entretanto, tratando-se de um ano com forte possibilidade da presença do fenômeno climático El Niño, os riscos ainda existem e mantém a precificação em aberto. Por isso, as negociações no balcão esfriam, com manutenção das referências de preços que se refletem também no último indicador do CEPEA – que registrou tímidas variações.

O preço médio da cesta de derivados lácteos variou negativamente no mês de novembro/2021. Na média ponderada, a retração foi de 7,21%, em relação dos preços observados pela indústria de laticínios no mês anterior. O resultado foi divulgado nesta segunda-feira (29/11) no Boletim de Mercado do Setor Lácteo Goiano.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER