"> Brasil leva prêmios em concurso na França por produção de queijos - eDairyNews-BR
Com uma indústria bem tecnológica e uma produção artesanal competente, o Brasil é respeitado quando o tema é produção de queijos.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Fonte: Agro Noticia

Os queijólatras estão sempre de olho nas novidades. Afinal, queijo é cultura no Brasil e sempre tem uma boa história cercando suas origens e produção. Para um país que nem tinha animais leiteiros quando foi descoberto e hoje já é o quinto produtor mundial de queijos industrializados e um dos mais diversificados no segmento, há que se reconhecer que o aprendizado foi grande. A tecnologia de fabricação, aliada a criatividade do brasileiro, tem rendido também bons prêmios internacionais no segmento artesanal. Na 5ª edição do Mondial du Fromage et des Produits Laitiers de Tours, premiação mundial de queijos realizada na França em meados de setembro, os produtores artesanais conquistaram nada menos que 57 medalhas. Foi o país com mais premiações depois da França.

Mas sempre há dúvidas por parte do consumidor sobre os tipos de queijos, suas origens e as diferenças nos processos de fabricação. Embora o Brasil produza as mais importantes famílias de queijos, nem tudo que é feito no país tem origem nacional. Segundo a pesquisadora Leila Maria Spadoti, do Centro de Tecnologia de Laticínios do Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), somente sete tipos de queijos industrializados no País podem ser considerados tipicamente nacionais: o Frescal, o Meia Cura e o Padrão (da linha Minas), o Prato, o Coalho, o Reino e o Requeijão. Mesmo com receitas originadas em outro país, foi necessário fazer adaptações às condições locais, o que originou produtos diferentes.

A principal diferença entre o queijo artesanal e o industrializado é o emprego ou não de tratamento térmico, sendo o primeiro produzido com leite cru e o segundo com leite pasteurizado (leite fervido a 75ºC e resfriado a 5ºC). Outra diferença é que o queijo industrial é produzido em grande escala. A Associação Brasileira das Indústrias de Queijo (Abiq) faz estimativas anuais para os queijos produzidos com inspeção sanitária e, em 2020, a produção foi estimada em 1 milhão e 200 mil toneladas, sendo que 65% desse total são de queijos cotidianos (muçarela, requeijão culinário e queijo prato). Esse levantamento não abrange os queijos artesanais ou regionais.

O mundo está de olho no nosso queijo artesanal

O Concurso Mundial de Queijos realizado na França de 12 a 14 de setembro foi voltado para os profissionais da cadeia láctea e participaram 46 países, que levaram cerca de 900 queijos para serem degustados e avaliados. Foram premiados 331 queijos e, entre eles, estavam 57 queijos artesanais brasileiros, quase 20% de toda a premiação. Foram cinco medalhas super ouro – as mais cobiçadas e mais raras – 11 medalhas de ouro, 24 de prata e 17 de bronze. Participaram 183 queijos artesanais produzidos no Brasil, nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Pará, Goiás, Mato Grosso do Sul e Paraná.

Os produtos brasileiros foram enviados ao exterior com a organização da SerTãoBras, uma associação voltada aos trabalhadores rurais. Segundo a entidade, Minas liderou com 40 medalhas mantendo a tradição, mas foi seguida por São Paulo com 15 medalhas. Os queijos paulistas premiados são dos municípios de Itapetininga, Pardinho, Caçapava, Joanópolis, Bofete e Fernandópolis. Na última década os produtores se organizaram para colocar São Paulo em evidência quando o assunto é queijo artesanal de alta qualidade e estão evoluindo nas premiações.

O consultor técnico João Pedro de M. Lourenço Neto (Joca) confirma que “a produção de queijos artesanais experimenta seu melhor momento no Brasil com um crescimento vigoroso. Há uma enorme variedade de queijos sendo produzidos em praticamente todo o território. Os mais conhecidos são os queijos da Canastra, do Serro e da Serra do Salitre em Minas Gerais. Há ainda o Colonial na região Sul e muitos outros interessantes produzidos no estado de São Paulo”. Joca é formado pelo Instituo de Laticínios Cândido Tostes, onde foi professor de Tecnologia de Queijos por 11 anos.

Linha do tempo do queijo

2 mil anos a.c. – Os egípcios foram os primeiros povos que cuidaram do gado e tiveram, no leite e no queijo, fonte importante de sua alimentação, tanto que até nas tumbas foram encontrados diferentes tipos de queijos.

1.581 – O historiador inglês Robert Southey – que nunca visitou o Brasil – faz o registro mais antigo da produção de queijos no País, em 1581 na vila de São Salvador, na Bahia de Todos os Santos.

1.587 – Gabriel S. de Sousa (Tratado Descritivo do Brasil) registra uma provável fabricação de queijos na Bahia de Todos os Santos. Há relatos sobre o consumo de queijos trazidos por portugueses e holandeses, mas a qualidade do rebanho, a falta de cercas eficientes de contenção, a obtenção de coalho, a qualificação do pessoal e outros obstáculos limitavam a produção no Brasil.

1.700 – Com o ciclo do ouro ocorrido no final do século 17 em Minas Gerais, foram criadas condições para a indústria de queijos no Brasil, inicialmente concentradas na comarca do Rio das Mortes e na região do Rio Grande.

É a primeira vez na história que uma carga de leite brasileiro é exportado para a China. Cooperativa gaúcha é a responsável pelo feito.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER