Pela aparência e tamanho, eles até assustam. Alguns machos alcançam 1500 kg, o equivalente ao peso de um automóvel sedã. Mas quem cria búfalos garante que eles são dóceis, não dão coice nem cabeçada.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Pela aparência e tamanho, eles até assustam. Alguns machos alcançam 1500 kg, o equivalente ao peso de um automóvel sedã. Mas quem cria búfalos garante que eles são dóceis, não dão coice nem cabeçada. E, de quebra, produzem carne e leite com propriedades cada vez mais valorizadas pelos consumidores.

“É uma carne comprovadamente mais magra que a carne bovina, com baixo índice de colesterol, alto teor de proteína e ferro”, assegura o médico veterinário Caio Vinícius Rossato, de Pilar do Sul, interior de São Paulo, que também preside a Associação Brasileira de Criadores de Búfalos.

O carro-chefe da bubalinocultura, no entanto, está na produção de queijo muçarela, que já movimenta R$ 1 bilhão por ano no Brasil. Com sabor suave e acentuada cor branca, a muçarela de búfala possui 48% mais proteína e 59% mais cálcio do que sua congênere de vaca, segundo a Embrapa. Para completar o pacote “saudável”, o leite de búfala é naturalmente do tipo A2A2, ou seja, não contém a beta-caseína A1, associada a reações alérgicas.

Do ponto de vista dos criadores, fatores econômicos e facilidade de manejo vêm chamando atenção para o búfalo, ainda que o plantel nacional represente fração de menos de 1% do rebanho bovino, atualmente em 213 milhões de cabeças. Antes restrito à Ilha de Marajó – que concentra quase 40% da população de 1,5 milhão de búfalos no país – hoje os animais podem ser encontrados em quase todos os estados brasileiros, incluindo as terras mais frias do Rio Grande do Sul.

Couro grosso e fertilidade
Régis Gonçalves, presidente da associação de criadores gaúchos, diz que muitos pecuaristas se interessam pela espécie devido à capacidade de ganhar peso rapidamente. O paladar do búfalo também não é dos mais exigentes. “Ele se adapta muito bem aos campos mais grossos e áreas com declive, produzindo alta qualidade de proteína onde os bovinos têm baixa eficiência”, diz. Some-se a isso o alto índice de fertilidade e longevidade das fêmeas, que dão crias por até 20 anos, o dobro da média das vacas. Por fim, o couro grosso dos animais também é um diferencial para resistir aos carrapatos que tiram o sono de criadores das raças bovinas europeias mais comuns no Sul do país.

Algumas características industriais desejáveis para o leite, como teor de proteína e gordura, também são diferenciais das búfalas. Em média, o teor de gordura é quase o dobro do leite de vaca (até 6,5%) e o índice de proteína fica entre 4,5% a 5%, contra 3,5% da concorrência. Devido a esses atributos, são necessários apenas 5 a 6 litros de leite de búfala para fazer 1kg de muçarela, contra 10,5 litros do leite de vaca.

E foi justamente a muçarela de búfala que conquistou o pecuarista Geraldo Pedro de Oliveira Neto, de Parauapebas, no Pará. Até seis anos atrás ele era apenas um dono de pizzaria incomodado com o preço do queijo. “Fui investigar e descobri que o queijo muçarela, em sua origem, na Itália, se refere apenas ao queijo de búfala. Resolvi fazer meu próprio queijo e percebi que tinha um alto valor nutritivo, muito mais saboroso do que o bovino. Decidi que seria mais negócio deixar de vender pizza e me dedicar ao queijo”, conta Geraldo, que hoje cria 100 búfalos e produz uma linha de queijos de marca própria (Cosa Nostra).

Docilidade é uma das características dos búfalos, como demonstra o criador Geraldo de Oliveira Neto em sua propriedade rural em Parauapebas, no Pará| Divulgação / Arquivo pessoal
“O principal tchan do negócio”, diz Geraldo, “é mesmo o rendimento do leite de búfala”. “Se der a mesma alimentação, uma búfala vai produzir muito mais. Para fazer um quilo de queijo de vaca gasta-se de 10 a 12 litros de leite, e o preço de venda fica em R$ 15. Bastam 5 a 6 litros de leite para fazer um quilo de muçarela de búfala e o preço alcança de R$ 40 a R$ 50”. O foco do ex-pizzaiolo, agora, é melhorar a eficiência genética do rebanho, recorrendo à inseminação artificial, e melhorar a qualidade dos pastos, com irrigação.

Em relação à carne, até há pouco tempo os cortes de búfalo eram vendidos nos açougues de forma indistinta à dos bovinos. Atualmente, já levam um selo próprio, mas o preço pago ao criador ainda é igual ou mais barato. “É uma carne com 55% menos calorias e 40% menos colesterol. Isso faz diferença para o consumidor. Lançamos na última Expointer (feira agropecuária do Rio Grande do Sul) a linguiça de búfalo. E estamos lançando agora o hambúrguer. O grande desafio é passar a informação das vantagens da carne de búfalo para o consumidor e conseguir refletir isso no valor do novilho, na rentabilidade ao produtor”, aponta Régis Gonçalves.

Para José Ribamar Felipe Marques, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, em Belém (PA), o grande apelo do búfalo está no fato de o animal se dar bem “em regiões marginais, de onde não se extrai praticamente nada comestível e com total sustentabilidade”. “Todos os experimentos científicos comprovam que os búfalos são exímios ganhadores de peso, atingindo, em condições de pastagens nativas ou cultivadas, pesos de 450 a 500 kg, entre 18 e 24 meses”.

Com todas essas virtudes, então por que o búfalo não ocupa um espaço maior na pecuária brasileira? “Eles são explorados como animais de zootecnia há pouco mais de 50 anos, e os bovinos estão aqui há mais de 500 anos!”, diz José Ribamar. “A quantidade não é um ponto problemático, pois o búfalo deve compor um portfólio alternativo de produção animal, com carne e leite diferenciados”, conclui.

 

Foram premiadas as mais produtivas vacas das categorias adulta e jovem para dois produtores de Carlos Barbosa.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER