Nesta segunda parte da entrevista com o presidente da Mastellone, falamos sobre as relações de La Serenísima com Arcor, Danone e a concorrência em um mercado que se tornou muito competitivo.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Nesta segunda parte da entrevista com o presidente da Mastellone, falamos sobre as relações de La Serenísima com Arcor, Danone e a concorrência em um mercado que se tornou muito competitivo.

Na primeira parte publicada ontem, discutimos a situação atual da empresa, o refinanciamento da dívida, o nível atual de produção e o impacto das políticas de preços do governo nacional.

EDN: A Danone anunciou publicamente sua decisão de rever os negócios na Argentina, dada a relação comercial que une as duas empresas. Qual é sua opinião sobre esta situação e como poderia afetar La Serenísima se a empresa leiteira francesa decidir se retirar do país?

CA: A Danone Argentina compartilha conosco a marca La Serenísima para as categorias de sobremesa e iogurte. Há cerca de nove meses, ela anunciou uma revisão de seus negócios de laticínios na Argentina, e depois fez importantes mudanças em sua estratégia comercial que, em minha opinião, estão produzindo resultados favoráveis em vendas e participação no mercado. Eles são parceiros estratégicos e acionistas indiretos (através de Bagley) em Mastellone.

As sinergias são grandes e capitalizar sobre elas é nosso desafio mútuo. Tenho esperança de que estas ações se reflitam nas próximas declarações de renda e encorajo esta grande empresa leiteira a continuar apostando em nosso país.

EDN: De acordo com uma antiga estrutura de pensamento no setor lácteo que diz que a empresa que possui mais litros é a maior, sob esta premissa, como você sente o cerco de Saputo?

CA: A Mastellone compra 13% do leite cru produzido no país, o que significa que é um mercado muito atomizado. O aumento no recebimento de Saputo (antiga Molfino), coincide com a queda no volume da SanCor. Não consideramos este crescimento como um cerco, mas muito pelo contrário, pois permitiu que muitos produtores que costumavam fazer entregas à SanCor continuassem na atividade. Há outras empresas que também cresceram em receitas como resultado desta situação, mas a produção nacional como um todo não cresceu.

EDN: Quais são as principais dicas para retornar a um caminho de crescimento e lucros para a empresa?

CA: Embora não estejamos prevendo uma melhoria no consumo doméstico a curto prazo, estamos trabalhando incansavelmente em estratégias de segmentação de mercado para atingir consumidores que valorizam muito nossa marca e que exigem produtos inovadores e específicos, mas sem sacrificar nosso maior patrimônio: a qualidade.

As exportações também são um importante e crescente canal de vendas. Além do leite em pó, foram adicionados produtos de valor agregado como queijo, dulce de leche e cremes. A venda de produtos acabados, fracionados e de marca nos países vizinhos através de nossa subsidiária Leitesol no Brasil, e através de distribuidores, teve um desenvolvimento sustentado e continua sendo um objetivo prioritário para o ano corrente.

Entretanto, como mencionei anteriormente, a ênfase será no fortalecimento de nossos laços estratégicos com o produtor para aumentar a produção e as receitas de leite. Nosso negócio é fazer crescer o laticínio nacional, e nossa bacia em particular. Hoje, a eficiência e a produtividade de um laticínio andam de mãos dadas com a tecnologia. Em breve compartilharemos algumas idéias e propostas a este respeito com nossos produtores.

EDN: Após a demissão consensual de Arenaza, você está procurando outro CEO?

CA: Não, por enquanto não estamos planejando contratar um novo CEO. Formamos uma equipe composta por diretores executivos, com vasta experiência e formação, e membros do conselho de administração, entre os quais eu também sou um deles. Embora seja um modelo não convencional, ele respeita o conceito de longa data de separar a administração da propriedade. Até agora, os primeiros resultados são muito encorajadores.

EDN: De acordo com informações que foram tratadas no devido tempo, a Arcor já deveria ter tomado mais de 51% das ações da Mastellone, isso é correto? Em caso afirmativo, por que a aquisição ainda não foi realizada?

CA: Arcor/Bagley e os acionistas da Mastellone, que hoje possuem 51% das ações da empresa, têm opções de compra e venda cruzadas que podem ser exercidas até 2025. Por várias razões, incluindo a incerteza política e econômica em nosso país, recentemente agravada pela pandemia de Covid, nenhuma das partes tomou a decisão de exercer sua opção.

Entretanto, todos os acionistas participam e colaboram através de seus representantes no conselho e comitês de trabalho, com toda sua experiência e entusiasmo. Para responder sua pergunta com outra metáfora náutica, Arcor e Bagley estão a bordo.

Para incentivar a silagem a secretaria Municipal de agricultura está oferecendo tratores à comunidade.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER