O refinanciamento bem-sucedido de nossa dívida financeira demonstra a solidez e a perspectiva futura de nossa empresa e redobra nosso compromisso com toda a nossa cadeia de valor.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Em uma longa entrevista, o presidente da Mastellone abordou facilmente todas as questões não só relacionadas à empresa, mas também ao setor lácteo em geral, nesta primeira parte falamos sobre o refinanciamento da dívida que acaba de ser fechada, o nível atual de produção e o impacto das políticas de preços do governo nacional.

Amanhã haverá uma segunda parte onde serão discutidas as relações de La Serenísima com Arcor, Danone e a concorrência.

EDN: Você acabou de refinanciar com sucesso o vencimento de sua dívida. Sob que condições foi feito e que benefícios, se houver, tem para a empresa?

CA: Nossa dívida foi concentrada em um único título de US$ 200 milhões que foi emitido em 2014, com vencimento em julho deste ano. Esta dívida foi cancelada com crédito de três fontes diferentes. Um novo empréstimo do exterior (US$ 50 milhões), uma nova emissão de títulos no mercado local (US$ 40 milhões) e um refinanciamento parcial do título anterior (US$ 110 milhões). Esta estrutura é mais conveniente para nós, pois diversifica a holding, envolve credores especializados em agronegócios e nos introduz no mercado e investidores locais pela primeira vez.

Mas o sucesso mais tangível é que conseguimos refinanciar a dívida por um prazo médio de 4 anos a uma taxa média mais de 3% inferior à anterior, o que representa uma economia de aproximadamente 6 milhões de dólares por ano, e isto foi conseguido em um contexto desfavorável para os ativos financeiros argentinos no exterior.

Claramente, esta é uma demonstração concreta de confiança em nossa empresa pelo mundo financeiro local e internacional, bem como pelas agências de classificação de risco.

EDN: Estamos em um ano em que a produção de leite cru está em níveis elevados para a média histórica nacional, com preços internacionais também firmes, mas, ao mesmo tempo, com um mercado interno bastante restrito. Neste contexto, como você vai defender sua posição na luta pela matéria-prima?

CA: Os altos preços internacionais incentivam os produtores de leite a produzir mais. Se os valores atuais forem mantidos no futuro, certamente além de melhor alimentar o rebanho, o produtor será incentivado a investir em tecnologia, o que lhe permitirá aumentar a produção por vaca, o que é bom para aumentar a oferta de leite a médio prazo. Na Mastellone, estamos trabalhando ativamente para este cenário.

Embora tenhamos um modelo de negócios focado no mercado interno, onde despejamos aproximadamente 70% de nossas receitas de leite, somos o principal exportador de leite em pó do país. Em 2020, a Mastellone exportou cerca de 180 milhões de dólares. Isto não é um fato menor, nem é bem conhecido, mas as exportações representam um canal importante para a comercialização dos excedentes de produção que o mercado interno não absorve. Portanto, embora estejamos circunstancialmente em desvantagem em relação às empresas que têm um perfil mais exportador, acreditamos que seremos capazes de defender nossa participação com um preço competitivo.

Trabalhamos diariamente para conciliar as forças opostas que os mercados internacional e doméstico exercem sobre os preços das matérias-primas, e para que a atividade não seja afetada por regulamentações controversas, como acontece com a agricultura e a pecuária. O setor primário precisa crescer em produção e rentabilidade.

EDN: Limites de preço e “precos cuidados” – eles são compatíveis com a inflação atual e prejudicou você como empresa por ter uma presença tão forte no programa de “cuidados preciosos”?

CA: Como refletido em nossas recentes demonstrações financeiras, o limite de preço e os programas de “precio cuidado” nos prejudicaram, pois não nos permitem repassar os custos de produção aos preços de venda. Em outras palavras, a Mastellone absorve a inflação ao comprimir nossas margens.

A intervenção do Estado através de programas de controle de preços sempre foram medidas de curto prazo para tentar extinguir a chama inflacionária. Como o controle se concentra nos preços ao consumidor, e não nos custos de produção, a diferença entre a inflação estrutural e a inflação de preços ao consumidor em massa aumenta com o tempo, e eventualmente causa o fracasso do programa.

O Secretário de Comércio do Ministério do Desenvolvimento Produtivo está ciente disso e vem descomprimindo essa situação, autorizando atualizações trimestrais de preços para acompanhar parcialmente os aumentos em nossos custos e os de matérias-primas.

Por mais de 90 anos, a Mastellone tem mantido um compromisso e responsabilidade muito fortes com nossos consumidores. É por isso que, além dos programas governamentais de preços controlados, os preços de nossos produtos devem estar de acordo com o poder de compra dos argentinos. Esta visão, e a obsessão pela qualidade, é o que nos mantém na posição de liderança no mercado.

 

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER