O príncipe Charles, ambientalista de longa data e amante declarado de automóveis de luxo, disse que um de seus carros, da marca Aston Martin, foi modificado para funcionar à base de “queijo” e “vinho”.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
O príncipe afirmou que modificou o automóvel, que possui mais de 50 anos, para poder abastecê-lo com combustíveis de origem renovável. (Crédito: Reprodução/Divulgação)

Em entrevista à rede BBC, o príncipe afirmou que modificou o automóvel para poder abastecê-lo com combustíveis de origem renovável.
O veículo, que possui há mais de 50 anos, funciona com 85% de bioetanol, e 15% de gasolina sem chumbo. Na mistura, vai o excedente da produção local de vinho e o soro da fabricação de queijo.

Diferente do Brasil, onde biocombustíveis são tratados como a saída para a crise climática, a invenção foi recebida com frio ceticismo na sua terra natal. “A solução do Príncipe Charles para descarbonizar seu Aston Martin usando uma mistura de bioetanol feita com restos de queijo e vinho não deve ser confundida uma solução séria para descarbonizar veículos”, reclamou Greg Archer, diretor do braço britânico da ONG T&E (Transport and Environment, “transporte e ambiente”), ao Guardian. “Em larga escala, os biocombustíveis fazem mais mal que bem, incentivando desflorestamento e uso de terra que piora a crise climática.”

Dr. Chris Mallins, especialista em combustíveis alternativos e sustentabilidade, falou também ao Guardian e disse que Charles é um ecologista de “butique”. “O Reino Unido tem uma política que está se empenhando de forma relativamente agressiva pelo desenvolvimento de mais tecnologia que, se não queijo e vinho, pode usar outros elementos, ainda que restos de alimentos sejam limitados. É preciso tecnologia mais avançada.”

Na mesma conversa com a BBC, o príncipe falou de outras ideias suas sobre o ambiente. “Eu não tenho comido carne e peixe por dois dias da semana e não como laticínios um dia por semana. Se mais pessoas fizessem isso, você diminuiria em muito a pressão [no ambiente]”.

Desde 2017, a DVP tem direcionado seus esforços na investigação e análise do funcionamento do Ecossistema Empresarial Israelense.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER