A Castrolanda, uma das cooperativas que mais cresce no setor do agronegócio no Brasil, encerrou o primeiro semestre de 2021 com faturamento total de R$ 2,6 bilhões, resultado 35% maior do que no mesmo período do ano passado.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A Castrolanda, uma das cooperativas que mais cresce no setor do agronegócio no Brasil, encerrou o primeiro semestre de 2021 com faturamento total de R$ 2,6 bilhões, resultado 35% maior do que no mesmo período do ano passado. Os dados foram apresentados aos cooperados na Pré-Assembleia Semestral de Balanço, realizada na última sexta-feira (30), em formato totalmente digital.

Mesmo com a crise financeira que vive o país, já no primeiro trimestre deste ano, a Castrolanda alcançou R$ 1,2 bilhão de faturamento, superando em 24% o mesmo período de 2020. No segundo trimestre, o valor mais que dobrou, fechando R$ 2,6 bilhões no semestre. O resultado líquido chegou a R$ 109 milhões de janeiro a junho deste ano, número que representa um crescimento de 56% em relação ao primeiro semestre de 2020.

O recorde em faturamento e resultado se deve pelo trabalho e pela cooperação entre associados, colaboradores e parceiros. Os números do semestre demonstram evolução tanto do ponto de vista de resultado como de solidez financeira, conforme explica o Diretor Executivo da Cooperativa, Seung Lee. “Estamos vendo um primeiro semestre muito forte, uma evolução dos números em relação ao ano passado. Nestes momentos de incerteza, garantir solidez financeira é até mais importante do que garantir resultados. E, neste ponto, a Castrolanda está mais forte do que nunca”.

Durante a Pré-Assembleia, também foi abordada a implementação do SAP, um projeto que faz parte do Planejamento Estratégico Horizonte (2019-2024) e que envolveu as sete unidades de negócio e o setor corporativo. Seung destacou que o sistema traz benefícios como maior agilidade nos processos de negócios, informações em tempo real para tomada de decisão, padronização dos processos, integridade das informações, redução do retrabalho, mais transparência e é a espinha dorsal para a transformação digital.

“Como o principal foco de 2021 é ‘arrumar a casa’, um dos principais pilares era a implementação do SAP. É um projeto muito complexo, que teve muitos desafios, porque a cooperativa tem unidades de negócio com perfis bem diferentes e isso gera uma complexidade muito grande em termos de sistema. Mas não poderíamos continuar crescendo sem uma ferramenta tão robusta como o SAP. O sistema viabiliza um dos pontos fundamentais para nós e o mercado como um todo, sendo a espinha dorsal da transformação digital da cooperativa. E é a partir do SAP que vamos conseguir promovê-la”, explicou o Diretor.

Como principais diretrizes para a sequência de 2021 e 2022, o Diretor destacou a eficiência operacional nos processos, a transformação digital para integração dos sistemas e o desenvolvimento sustentável em toda a cadeia de produção.

 

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER