Pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP) querem melhorar a sistemática de formação de preços do leite no Paraná.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP) querem melhorar a sistemática de formação de preços do leite no Paraná. Nesse sentido, pretendem engajar um número maior de cooperativas do Estado na amostragem da pesquisa, conforme discutiram na quarta-feira os estudiosos do centro em reunião com representantes do setor, em Curitiba (PR).

De acordo com informações do Sistema Ocepar, atualmente, em todo o Brasil, os pesquisadores coletam dados de produtores que entregam leite em 55 indústrias e cooperativas. No Paraná, fazem parte da amostra três cooperativas e três empresas, que contribuem com cerca de 30% da produção estadual de leite.

A pesquisadora do Cepea, Natália Grigol, informou que o desafio é ampliar a base da pesquisa, que precisa receber os dados discriminados por produtor, conforme a exigência da metodologia. Desta forma, o Cepea terá mais qualidade nos cálculos, com menor assimetria das informações. “Como resultado, vamos gerar dados estratégicos para o setor e contribuir para o processo de coordenação do sistema agroindustrial do leite, que vem ganhando força ano a ano”, ressaltou Natália, no comunicado.

A nova metodologia para o cálculo do preço do leite ao produtor é desenvolvida com o apoio financeiro e parceria da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB) e da Viva Lácteos (Associação Brasileira de Laticínios). “Fazemos o acompanhamento do setor lácteo desde 1986, sendo o produto mais antigo monitorado pelo centro de pesquisas. A parceria com a OCB começou no início da década de 2000, evoluindo ano após ano. Em 2016, iniciamos a articulação para implantar a nova metodologia de coleta e cálculo de dados”, relatou Natália.

Participaram da reunião representantes das cooperativas Cativa, Coamig, Frimesa, Witmarsum, Unium (Castrolanda, Frísia e Capal), além do presidente executivo do Sindileite, Wilson Thiesen, do secretário do Conseleite, Guilherme Souza Dias, e dos analistas do Sistema OCB, Fernando Pinheiro, e da Ocepar, Alexandre Amorim Monteiro.

Os empresários mexicanos que se dedicam ao negócio do queijo e laticínios têm enfrentado uma situação difícil nos últimos meses.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER