Duas cidades da Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA) decidiram ignorar a proibição da abertura do comércio, que é clara no decreto do governador Eduardo Leite
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Duas cidades da Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA) decidiram ignorar a proibição da abertura do comércio, que é clara no decreto do governador Eduardo Leite, e baixaram normas permitindo o funcionamento de lojas. A liberação entrou em vigor neste sábado (18) em Sapiranga e Novo Hamburgo, zonas tradicionais de produção calçadista.
Os decretos das duas cidades foram divulgados nessa sexta-feira (17). Em Novo Hamburgo, a liberação, pela descrição que é feita no site da prefeitura, limita a “atendimento individualizado”, ou seja, um cliente por vez no estabelecimento. A medida cai até 25 de abril. Já em Sapiranga não há limitação neste nível, mas indicação de usar menor número de funcionários.
Em seu site, a prefeitura Sapiranga cita o decreto do governo estadual 55.185, de 16 de abril de 2020, que “liberou municípios da região metropolitana da serra, sem critérios técnicos factíveis, prejudicando sobremaneira a região do Vale do Sinos e em especial o município de Sapiranga”. Além disso, o município diz que atende a condições sanitárias previstas pela Vigilância Estadual.
Em Porto Alegre, onde já havia norma para manter lojas fechadas até 30 de abril, o Sindilojas vai pedir ao prefeito Nelson Marchezan Júnior que o comércio possa abrir para as vendas do Dia das Mães.
Leite anunciou, na quarta-feira (15), a manutenção do fechamento do comércio até 30 de abril na RMPA e Caxias do Sul e cidades que formam a região metropolitana da serra gaúcha. As demais regiões gaúchas foram liberadas, desde que sigam normas de proteção definidas pela área sanitária e que não surjam registros da Covid-19 indicando elevação do risco às populações.
Menos de 24 horas depois e sob forte pressão de prefeitos e setores empresariais da serra gaúcha, o governador alterou a norma, liberando a região, alegando que não há disseminação de casos, nenhuma morte e que não pressão maior sobre a estrutura hospitalar. Prefeitos teriam de adotar regras de proteção e higiene dos segmentos e poderiam reabrir comércios.
Nessa sexta-feira, Leite admitiu que muitos prefeitos da RMPA, principalmente os menores entre os 34 que integram a região (veja a lista abaixo), pedem para reabrir o varejo. O chefe do Executivo disse que a região é mais complexa em termos de pandemia e que qualquer flexibilidade só seria possível se todos concordassem. Na manhã deste sábado, ele voltou a falara sobre o tema em Canoas:
“Porto Alegre tem mais casos, mais óbitos. Há uma reconhecida interação das pessoas, que moram em uma cidade e trabalham em outra, o relacionamento de restrições aqui é muito mais complexo do que em outras regiões”, reforçou o governador, descartando revisão de regra nos próximos dias. “Vejo como muito difícil retirar as restrições comuns.”
Em Sapiranga, também fora liberadas empresas de prestação de serviços e demais estabelecimentos não essenciais, como igrejas, templos e similares, informou a prefeitura. Em Novo Hamburgo, pubs e bares continuam fechados para clientes frequentarem os locais, mas podem atuar com tele-entrega, drive-thru ou take-away.
A presidente da CDL Sapiranga, Clarice Strassburger, afirmou, por nota, que a “a medida é fundamental para manter os milhares de empregos e permitir a sobrevivência das empresas que vinham enfrentando muitas dificuldades”. Clarice garantiu que o setor vai cumprir os cuidados sanitários preconizados pelo município, Estado e Ministério da Saúde.

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER