No este do estado, o produtor consegue comemorar tanto o preço quanto o volume produzido
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

No este do estado, o produtor consegue comemorar tanto o preço quanto o volume produzido

A safra do milho já foi praticamente colhida na região Sul e produtores estão conseguindo bons preços pela saca do grão. Em Santa Catarina, mais de 2 milhões de toneladas foram colhidas, sendo a menor safra de milho da história do estado e o volume não é o suficiente para atender a agroindústria local.

“Nós precisamos, para o nosso parque agroindustrial de suínos e aves, de leite, em torno de 7 milhões de toneladas. Somos o maior importador brasileiro de milho como estado e nós precisamos que Santa Catarina produza cada vez mais milho”, disse o representante da Abramilho no estado, Enori Barbieri.

A saca foi vendida, em média por R$ 46. No oeste catarinense, o produtor consegue comemorar tanto preço como volume produzido. “Conseguimos uma produtividade em 370 hectare, com 250 sacas por hectare, 15 mil quilos, foi uma produtividade muito boa, pois o clima ajudou muito. Nós fizemos os tratos culturais necessários. Hoje estamos vendendo o milho na faixa de 46 reais o saco de 60 quilos”, disse o produtor Bruno Bortoluzzi.

Seca no Rio Grande do Sul

Já no Rio Grande do Sul, essa foi a pior safra desde 2012, com uma quebra de 30% por causa da estiagem. “Em alguns lugares, a quebra foi relativamente pequena, mas outros chegaram a 70% de perdas. Então, podemos dizer que teve uma perda muito expressiva, já que se esperava produzir 5,9 milhões de toneladas. Acontece que produzimos, no máximo, 4,1 milhões de toneladas”, disse o presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (Fecoagro-RS), Paulo Pires.

Além do preço, outros fatores leva as lideranças produtivas a acreditar em investimento maior no plantio para as próximas safras. “Acredito que, com a demanda em alta que nós temos hoje e com a falta de milho no mercado em termos regionais, o Rio Grande do Sul é deficiente em produção de milho, com isso acreditamos que teremos novas oportunidades para que o produtor, além de qualificar a sua lavoura, ainda tenha um bom rendimento produzindo esse cereal que é tão importante para a economia do nosso estado e do nosso país”, disse Ricardo Meneguetti, presidente da Associação dos Produtores de Milho do Rio Grande do Sul.

Neste momento, analistas de mercado sugerem que o produtor aproveite o preço em alta para vender, pois esse cenário deve durar pouco. “A tendência futura é de uma reversão desse cenário à medida que o petróleo caiu de preço e está achatando os preços futuros do milho no mercado internacional, já que diminui a competitividade do etanol feito a partir de milho nos Estados Unidos e a tendência é de haver, a partir do final deste ano, um grande excedente de milho no mercado externo. Estados Unidos deverão colher uma grande safra, o preço tende realmente a cair e a tendência do preço aqui no Brasil será convergir em direção ao preço internacional, num preço muito mais baixo do que tá sendo praticado atualmente”, disse o analista de mercado Carlos Cogo.

Tendência é que falte matéria-prima com possível desistência da atividade leiteira

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER