Que boas recordações você guarda da infância?
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Não será surpresa se um potinho e uma colherzinha com um alimento cremoso, bastante agradável ao paladar, estiverem entre elas. Afinal, os iogurtes estão na memória afetiva de muitos consumidores da América do Sul, como mostra uma pesquisa que a IFF encomendou recentemente à consultoria Kyra. A pandemia aguçou o sentimento nostálgico, assim como as imagens de saudabilidade e conveniência dessas iguarias lácteas.

Concluída em março, a pesquisa baseou-se em interações online com um total de 480 consumidores no Brasil, Colômbia, Chile e Peru. O público focado foi das classes A e B, adepto do consumo de produtos lácteos e subdividido em três perfis: millennials (pessoas com idades entre 24 e 40 anos), seniores (na faixa de 60 a 80 anos) e mães com filhos entre 3 e 12 anos. A partir das consultas, os pesquisadores realizaram análises qualitativas e quantitativas.

Dentre os participantes, 93% afirmaram estar mais preocupados com a saúde e a imunidade no contexto da pandemia. E não apenas por causa da COVID-19, mas também para prevenir outras enfermidades que necessitem de tratamento médico. De acordo com o levantamento, os consumidores da América do Sul estão mais conscientes quanto a uma visão holística da saúde – ou seja, de que ela depende de atividade física, saúde mental, sono adequado e, acima de tudo, de uma alimentação equilibrada.

Melhorar os hábitos alimentares tornou-se uma meta para 81% dos entrevistados. Nesse sentido, seis em cada dez afirmaram ter ampliado o consumo de iogurtes do ano passado para cá. A pesquisa confirmou que, os produtos são percebidos como naturais, além de serem amplamente reconhecidos como alimentos benéficos. Segundo a maioria das pessoas ouvidas, os iogurtes são interessantes pela praticidade, versatilidade e utilidade para saciar o apetite. E também pela já falada conexão emocional que proporcionam com o passado.

Um porto seguro para inovações

Milenar, familiar e confiável: o iogurte é visto pelos consumidores como um porto seguro na alimentação. E essa condição favorece bastante o trabalho das marcas em prol de inovações. Mas em quais sentidos?

Uma possibilidade é o desenvolvimento de mais iogurtes com propriedades funcionais. A oferta ainda é pequena nos supermercados da região. Segundo a nossa pesquisa, o número de pessoas que disseram ter incluído probióticos em suas rotinas, por exemplo, é expressivamente menor que o dos consumidores que passaram a comprar mais iogurtes nos últimos meses. A maior austeridade e seletividade nas compras não representa uma adversidade, uma vez que o público em questão, diante das restrições para o lazer, tem ampliado os gastos com alimentação. Isso se tornou uma realidade para 78,5% dos entrevistados.

Outro indicador importante do estudo é o de que cerca de 60% dos consumidores ampliaram o consumo de frutas e vegetais desde o início da pandemia. Por que não criar novidades em iogurtes com esses ingredientes? O fato é que o consumidor busca uma alimentação mais saudável, porém sem abrir mão do prazer e da praticidade. Muitas pessoas estão exaustas e precisando de produtos que lhes proporcionem alívio, um momento de autoconcessão. Iogurtes deliciosos e indulgentes têm potencial enorme para atender a essa necessidade, ajudando a deixar a vida mais leve em um cenário de ansiedade e incertezas.

As indústrias também podem inovar navegando o movimento clean label – ou seja, o desejo de um número crescente de consumidores por produtos formulados com ingredientes conhecidos e com listas de ingredientes reduzidas. De acordo com o nosso estudo, analisar os rótulos de iogurtes não é um hábito tão frequente entre os consumidores da América do Sul, especialmente quando os produtos são conhecidos. Mesmo assim, um bom número de consumidores diz observar a quantidade de calorias, o teor de açúcar e a porcentagem de gorduras. Entre os colombianos, 79% dizem notar o valor energético, e 73% o teor de proteína dos produtos.

A parceria ideal

Seja qual for a sua disposição para inovar, somos o parceiro ideal. Nenhuma outra empresa reúne um portfólio tão completo quanto a IFF em soluções para produtos lácteos. Temos aromas, culturas, enzimas, fibras, probióticos, bioprotetores e todos os demais ingredientes necessários para a produção de qualquer tipo de iogurte. Contamos também com moduladores, corantes e extratos naturais, além de vegetais e frutas em pó, flocos ou pedaços, permitindo a criação de iogurtes mais saborosos e saudáveis.

Os nossos sistemas estabilizantes para iogurtes, por sua vez, são capazes de oferecer vantagens técnicas sobre misturas simples, além de viabilizar produtos inovadores e de fabricação mais complexa, como uma bebida láctea tratada termicamente após a fermentação, ou mais conhecido como “iogurte” longa vida (UHT). Desenvolvemos, ainda, diversas tecnologias de vanguarda para a produção de iogurtes e bebidas lácteas fermentadas. Exemplo é a nova linha de culturas YO-MIX® PRIME. É uma solução multifunção, que possibilita a criação de iogurtes com máxima suavidade e textura premium, ao lado de possíveis reduções de custos de formulação por meio da diminuição da quantidade de açúcar adicionado e de outros ingredientes.

Já a enzima Nurica™ permite aos fabricantes produzir, in situ, fibras dietéticas na forma de galacto-oligossacarídeos (GOS), a partir da lactose. O resultado é um iogurte com teores reduzidos de açúcares e lactose, colaborando para a melhor saúde digestiva e o controle de peso pelo consumidor.

Para as indústrias de iogurtes, a nossa proposta é aliar toda a nossa credibilidade, fundamentada, por exemplo, pelas soluções com a chancela Danisco®, de grande lembrança e tradição no setor de alimentos, com toda a credibilidade dos iogurtes junto ao consumidor.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER