Conexão entre a grande empresa e a startup, que resultou na aproximação com a maior fazenda leiteira do Brasil, nasceu no AgTech Garage
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Instalações da Systech Feeder para as bezerras leiteiras da Fazenda Colorado (Foto: Systech Feeder)

Por Marina Salles

agtech Systech Feeder — que provê uma solução para monitorar individualmente o consumo de concentrado, ganho de peso e altura de bezerras leiteiras — está pronta para ganhar escala.

A tecnologia gira em torno de uma casinha móvel high tech equipada com painel solar (para alimentar a bateria dos seus componentes eletrônicos, que também funcionam à base de energia elétrica), uma balança (para medir o consumo de ração e o peso dos animais a cada entrada no complexo) e medidores de altura, além de sensores de led (usados na indicação do momento certo da desmama).

Equipamento da Systech Feeder
Esquema mostra componentes da instalação da Systech Feeder (Foto: Divulgação)

Os sensores, no caso, mudam de cor para indicar o status da bezerrada. Se a bezerra atinge a meta de consumo alimentar, a luz que acende é verde. Se há alteração no consumo, é azul. Caso tenha faltado alimento, a cor da luz é vermelha.

O objetivo, no fim das contas, é acompanhar o desenvolvimento do animal e reduzir o custo com sua alimentação.

Piloto de peso

Colocada à prova primeiro no campo da pesquisa — durante o Programa da Fapesp de Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (Pipe) realizado pelo co-fundador Gustavo Salvati em colaboração com a professora Carla Bittar, da Esalq-USP, referência na área de nutrição de bezerros — a tecnologia da Systech Feeder foi testada também, recentemente, pela Cargill e a Fazenda Colorado, uma das maiores produtoras de leite do país.

“Nós reconhecemos que a Systech Feeder é uma inovação de grande potencial, uma vez que permite monitorar de forma mais prática e precisa o desempenho das bezerras nas fazendas, além de ser uma fonte de dados de confiança que gera valor e auxilia na tomada de decisão”, diz Alexandre Souza, Líder de Tecnologia em Bovinos de Leite para América Latina da Cargill.

Em Araras (SP), sede da Colorado, a Systech Feeder teve a oportunidade de implantar seu sistema para 20 bezerras no último ciclo de desmama. A fazenda tem, atualmente, 2.100 vacas holandesas em lactação, que chegam a produzir 96 mil quilos de leite por dia.

A ponte entre a Fazenda Colorado e a startup foi resultado da aproximação com a Cargill, que conheceu a Systech Feeder dentro do AgTech Garage. “Para nós, tem sido uma oportunidade enorme trabalhar com a Colorado, que, sem dúvida, é uma early adopter de novas tecnologias”, afirma Salvati.

Na viabilização do projeto piloto, a Cargill já investiu R$ 135 mil na compra de 20 instalações da Systech Feeder, que terão suporte técnico pelo período de um ano. As estruturas hoje são feitas artesanalmente e custam, em média, R$ 7 mil a unidade ante R$ 3.500 de uma casinha convencional, sem tecnologia embarcada. A empresa estuda trabalhar tanto com a venda como com o aluguel do seu equipamento. Em uma versão simplificada, a casinha pode custar R$ 2 mil, vindo apenas com o módulo do alimentador feito em plástico.

Com um cliente de peso no portfólio, a Systech Feeder se prepara agora para uma nova fase, em que pretende investir energia e novos recursos no perímetro de uma única bacia leiteira do Brasil.

Em plena captação de investimentos, a startup espera levantar um cheque de capital semente de até R$ 3 milhões e dar novos passos no mercado ao lado de investidores que lhe ofereçam também smart money.

Até aqui, a agtech recebeu R$ 200 mil de apoio financeiro da Fapesp, por meio do doutorado de Salvati, e foi premiada com R$ 20 mil pelo Ideas for Milk. Além dos fundadores, a Fapesp tem participação societária, de 1% no negócio.

 

Time da Systech Feeder durante a premiação do Ideas for Milk, da Embrapa
Time da Systech Feeder durante a premiação do Ideas for Milk, da Embrapa (Foto: Rubens Neiva)
A solução de um problema identificado no campo

Empreendedor, pesquisador e zootecnista, Gustavo Salvati conta que o equipamento foi criado ao lado do sócio e agrônomo Nilson Morais Junior, para concorrer justamente à primeira seletiva do programa da Embrapa, lançado em 2016 e voltado à identificação de soluções inovadoras na cadeia do leite.

Em 2017, dentre 83 iniciativas em todo o Brasil, a Systech Feeder foi a primeira colocada no Ideas For Milk. Depois, também ganhou uma competição de startups na França. A inspiração para o projeto veio da vontade de criar algo mais eficiente do que o famoso “balde da bezerra”, para auxiliar na transição desses animais da dieta líquida para a sólida.

Dos meses 0 ao 3 de idade, as bezerras recém-nascidas passam por uma mudança na alimentação, que precisa ser acompanhada de perto e que, até então, era feita “de olho no balde”. Com as casinhas da Systech Feeder, a medição do consumo de ração é facilitada por uma balança, que permite ao pecuarista tirar o leite da bezerra sem medo, gerando economia na fazenda e garantia da manutenção da saúde e bem-estar do rebanho.

“Se o produtor consegue antecipar a remoção do leite da bezerra em três dias, isso já significa 18 litros de leite a mais para entregar para o laticínio”, ilustra Salvati.

Outras vantagens da estrutura são as facilidades geradas por toda a operação digital, como o reabastecimento do cocho na hora certa e a prevenção de problemas de saúde no rebanho.

Em vez de reabastecer o balde diariamente ou a cada dois dias, o funcionário da fazenda passa, por exemplo, a poder voltar a campo apenas quando o reservatório de 15 quilos acusa que esvaziou. Essa função, segundo Salvati, além de facilitar o trabalho da mão de obra da fazenda, traz a segurança de que as bezerras não ficarão sem ração, porque o produtor é notificado de que a comida acabou.

Por meio do acompanhamento do ganho de peso da bezerrada, também é possível ser notificado de qualquer alteração no consumo. Tanto para passar a observar se os animais não se adaptaram à dieta ou se enfrentam algum problema de saúde.

Depois de passar pelo crivo e pela porteira da maior fazenda produtora de leite do Brasil, segundo o Ranking Top100 2021 do MilkPoint, a Systech Feeder está otimista com a nova fase que se avizinha, e promete trazer outras parcerias de sucesso, como a estabelecida com a Cargill.

O Prosa Rural desta semana aborda a pecuária de leite no Norte do país, mais exatamente no Tocantins e no Sudeste do Pará.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER