O número um da filial argentina, Gian Carlo Aubry, deu uma antevisão de alguns dos projectos da multinacional no país. Disse também que eles estão a pensar em produtos à base de plantas.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Fonte: La Voz

Equilíbrio, essa foi uma das palavras que Gian Carlo Aubry, presidente da Nestlé na Argentina, Uruguai e Paraguai, salientou várias vezes na sua conversa com El Cronista. Como chefe de uma das mais importantes empresas de consumo de massa do país, o executivo explicou o equilíbrio constante que tem de ser feito entre o aumento dos custos e a eficiência interna e destacou como um grande desafio: ter acesso aos mercados estrangeiros, à exportação e à importação.

“Se quisermos aproveitar as oportunidades da Argentina, precisamos de uma maior abertura em termos de impostos, tarifas e mercados que aceitem os nossos produtos. Estes aspectos precisam de ser resolvidos com urgência”, diz o executivo, que assegura que “não devemos ter medo do comércio internacional. A Argentina pode competir”.

-Qual é a sua análise de 2021?

-2021 foi extremamente interessante para nós. E é assim, ainda temos dois meses até ao final do ano com eleições intercalares, que nos dirão não só o que vai acontecer nos próximos dois meses, mas também nos próximos dois anos.

Este ano ganhámos quota de maket, lançámos novos projectos e conseguimos concluir um projecto no qual investimos u$S 16 milhões, que é o desenvolvimento do leite orgânico. Esta é a primeira vez que o leite orgânico é produzido na Argentina.

Temos mantido um diálogo permanente com o governo que nos permitiu obter as nossas matérias-primas, embalagens e produtos acabados importados. Às vezes justo, às vezes quadrado, mas conseguimos.

E, ao mesmo tempo, conseguimos produzir e exportar uma quantidade muito significativa de leite em pó, mais do que o normal.

Também trabalhámos arduamente para nacionalizar os contributos. Há três anos lançámos um programa especial e, por exemplo, a tampa Nescafé, que é agora transparente, produzimos parte dessa tampa e certos rótulos aqui.

-Em termos de números, como planeia terminar?

– Conseguimos produzir e vender 10% mais do que em 2019.

O café, por exemplo, é uma categoria que cresceu significativamente, não só devido ao lançamento que fizemos do Starbucks para a casa no meio da pandemia – em Maio de 2020 – mas também temos crescimento em produtos tradicionais como o Nescafé e em cápsulas de Dulce Gusto. E na bebida, Nesquik, também crescemos em comparação com 2019.

-Como está a sua balança comercial hoje?

-Nós exportamos cerca de 130 milhões de dólares e importamos cerca de 100 milhões de dólares. Por outras palavras, 86% das vendas totais são produzidas a nível interno e 14% são importadas.

Em qualquer caso, continuamos a trabalhar para nacionalizar produtos e inputs, mas precisamos de desenvolver fornecedores e isso leva tempo porque os requisitos de qualidade são importantes: às vezes não há matérias-primas, às vezes não há máquinas para as fazer, e é necessário fazer investimentos.

Este ano, por exemplo, lançámos um chocolate com amendoins que é feito por um parceiro local. Voltámos a produzir na Argentina.

E há três anos atrás, começámos também a produzir novamente leite condensado localmente. Fizemos um investimento (NdR: na altura, 2018, 28 milhões de dólares) para o podermos fazer na fábrica em Firmat, Santa Fé. Antes, era importado do Chile e agora também exportamos.

Se o pudermos fazer aqui, fazemo-lo, desde que o preço seja competitivo com a mesma qualidade.

-Você cresceu em volume… o que aconteceu à rentabilidade?

-Em qualquer empresa é necessário ter uma disciplina rigorosa em termos de custos. E é preciso procurar eficiências internas para poder lidar com os aumentos de custos. O consumidor tem um limite e não podemos aumentar sistematicamente os preços e o consumidor continua a comprar-nos. E é um equilíbrio entre a eficiência interna e os aumentos de preços no mercado.

Estaria a mentir-vos se vos dissesse que é um grande desafio manter a rentabilidade. É um grande desafio, estamos no limite. Estamos a alcançar os nossos objectivos e é uma luta constante para alcançar este equilíbrio. Não é fácil, é um grande desafio e a situação não torna as coisas fáceis.

-Mas teve uma perda de rentabilidade…?

-Em 2021, ao contrário de 2020, houve um aumento dos preços das mercadorias em todo o mundo. E temos matérias-primas que aumentaram em 30, 40 e até 50%. O café, por exemplo, aumentou nos últimos meses em 30 a 50%, pelo que há automaticamente um reflexo no que importamos e temos de procurar eficiência, rever os preços e procurar um equilíbrio.

Em algumas categorias ganhámos, noutras perdemos, o equilíbrio é frágil, mas está lá.

-Como se procura esse equilíbrio? A exportação ajuda?

-Temos custos dolarizados mas sem lucros dolarizados, tudo o que vendemos está ligado à moeda local.

Estamos a fazer investimentos em eficiência, por exemplo, para automatizar certos processos. Também a digitalização, que é um processo que permite flexibilidade, rapidez e alguma poupança de custos.

Neste sentido, fizemos importantes investimentos nos últimos dois anos e planeamos investir u$s 120 milhões nos próximos três anos em novas linhas de produção, digitalização de fábricas, automatização de certas linhas, e investimentos para nacionalizar certos produtos.

A Nestlé está na Argentina há 91 anos, já passámos por governos e governos, crises e crises. Estamos aqui e acreditamos no país e estamos a fazer investimentos para gerar emprego, para gerar valor. É muito importante hoje em dia, do ponto de vista económico, gerar valor a fim de redistribuir.

-Tiveram de adiar ou modificar algum plano?

-Não realmente. Gostaríamos de avançar mais rapidamente. Por vezes devido à falta de fornecedores que nos possam fornecer certos materiais ou tecnologia. Do ponto de vista do investimento, não parámos qualquer projecto e estamos dentro do calendário previsto para os últimos dois anos. E nos próximos três anos, estamos a trabalhar em novos projectos que foram aprovados há pouco tempo.

-Como está a decorrer o projecto do leite biológico?

-O projecto do leite orgânico é um processo em transição, ainda não é 100% orgânico, mas a partir de Fevereiro ou Março teremos realmente leite 100% orgânico e a partir daí iremos pisar o acelerador para o tornar ainda mais conhecido. Por enquanto, estamos dentro dos volumes esperados, que não são grandes volumes. É um mercado em desenvolvimento na Argentina.

Quando tivermos leite orgânico, procuraremos exportá-lo. Estamos à procura de clientes. Nos Estados Unidos, por exemplo, só o leite A2 representa um mercado de mil milhões de dólares. Penso que não seria assim tão difícil colocar umas poucas toneladas de leite A2.

Estamos um passo à frente do concurso. Se fizermos sempre a mesma coisa, não nos podemos diferenciar e não podemos ser competitivos. Temos de correr riscos e estamos a correr esses riscos.

Isto é o que foi feito com Nespresso, o que foi feito com Dolce Gusto, o que está a ser feito com Starbucks com um forte investimento no Uruguai, apostando no crescimento do café torrado e moído com uma projecção para todas as Américas. Temos de apostar, não devemos abrandar a criação de valor.

Este é um pensamento muito importante, especialmente num país que se encontra em crise: o que podemos criar que nos dará valor para criar riqueza.

QUAIS SÃO OS NOVOS PROJECTOS DO NESTLÉ?
-Em que novas linhas de negócio irá investir?

-No próximo ano estamos a planear expandir a linha Purina, a linha de alimentos para animais de estimação, que é puramente para exportação, 30.000 toneladas de produtos para cães e gatos.

E estamos também a expandir a fábrica da Firmat a fim de nacionalizar a produção de leite materno, que até agora temos vindo a importar, e no final de 2022, estaremos em condições de o fabricar em Santa Fé e também de o exportar.

A nova linha é para leite em pó; já estamos a produzir leite líquido em Villa Nueva, Córdoba.

-Gerarão estes projectos novos empregos?

-Empregos serão criados, mas não muitos. Na Argentina, temos 2500 empregados.

-Qual é a sua opinião sobre Precios Congelados?

– Participamos em Precios Cercanos e Precios Cuidados e temos alguns produtos em Precios Congelados. Não é o ideal, mas desde o fim de Precios Máximos, temos sempre falado com o governo para definir aumentos de preços. Seguimos as recomendações. Não é o ideal, acredito muito na liberdade de estabelecer o preço que se quer e que é o próprio consumidor que decide se quer comprar ou não. O mercado regula-se a si próprio e não creio que seja tão necessário como dizem ter os preços congelados. Seguimos as regras impostas pelo governo, mas acreditamos na liberdade do mercado.

-E quanto à Lei de Rotulagem Front End?

-Como empresa, somos a favor de uma melhor informação ao consumidor. Estamos à espera do regulamento de aplicação mas, claro, cumpriremos. O que insistimos muito, e ainda ninguém nos ouviu, é ter o mesmo rótulo exposto em todo o Mercosul para facilitar o comércio. Etiquetas diferentes não só acrescentam custos, mas também confusão nas embalagens.

Tem planos na Argentina relacionados com produtos à base de plantas?

Já lançámos um produto líquido no Uruguai e no Paraguai, uma bebida à base de plantas, que é feita no Brasil. E, na Argentina, estamos à procura de um fabricante para o produzir aqui. É um produto que requer certa tecnologia, certas matérias-primas, que ainda hoje não temos.

Há interesse, mas mais uma vez, temos de nos certificar de que existe um mercado mais sofisticado. Já lançámos produtos orgânicos, e a base vegetal é outro passo.

Traducción: DeepL

O Papel do Lácteo na Formação e Manutenção da Estrutura Muscular.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER