A entrega da premiação em 2018: incentivo e divulgação do produtor paraense de diferentes criações e culturas | Irene Almeida
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 A entrega da premiação em 2018: incentivo e divulgação do produtor paraense de diferentes criações e culturas | Irene Almeida

Reconhecer, homenagear e dar visibilidade a atuação do setor de agronegócio no Pará. É com esse objetivo que o DIÁRIO realiza desde 2015 o Prêmio Agropará, que chega à sua quinta edição em 2019. A premiação reúne representantes do segmento de todas as regiões do Estado. Ao todo, os finalistas estão divididos em 19 categorias, sendo 16 por setor e três prêmios técnicos.

Todas as categorias do agronegócio estão representadas na premiação, dentro da pecuária e agricultura. A entrega da premiação está marcada para o dia 4 de dezembro, às 19h, na sede da Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa), em Belém.

Um dos finalistas é o pecuarista Geraldo Pedro de Oliveira Neto, 37 anos, que concorre na categoria bubalinos. Formado em advocacia, é proprietário da fazenda Açaizal, no município de Parauapebas, no sudeste paraense. Ele conta que possuía uma pizzaria na cidade e, neste período, o que chamou a sua atenção foi a necessidade de se utilizar mais de uma tonelada de queijo do tipo muçarela por mês, para atender a demanda do estabelecimento.

“Resolvi produzir a minha própria muçarela. Adquiri os primeiros búfalos e, a partir disso, começamos a investir na propriedade, em melhoramento genético, irrigação de pastagens inseminação, sanidade do rebanho e na estrutura da queijaria. Passamos a produzir novos derivados do leite de búfala. Hoje fabricamos a muçarela, o queijo coalho, minas frescal e frescal temperado, além de comercializar carne”, explicou o pecuarista paraense, que hoje possui 100 cabeças de búfalos. “A gente comercializa na região de Carajás, Parauapebas e municípios do entorno. Produzimos mais de uma tonelada de queijo por mês. Geramos empregos diretos e indiretos”, disse.

Para o pecuarista, participar da premiação é uma forma de reconhecimento de todo esforço e dedicação ao trabalho. “Nenhum de nós é concorrente, juntos somos mais fortes. E o búfalo está em primeiro lugar. Parauapebas criou rotas turísticas e uma delas é a rota do búfalo, onde o turista visita a nossa propriedade, conhece de perto o manejo animais, ordenha, a produção do queijo. É o contato do homem da cidade com homem do campo”, observou.

Concorrendo na categoria bovinos, o pecuarista Maurício Pompeia Fraga Filho, 54, é proprietário da Fazenda Porangaí, no município de Xinguara, sudeste paraense. O paulista formou-se em medicina veterinária e deu continuidade a atividade de pecuária desenvolvida por várias gerações de sua família. No Pará, a atuação iniciou em 1973, onde Maurício passou a viver com sua família desde 2012. Somente naquela fazenda, com 16 mil hectares de extensão, o produtor cria atualmente 14 mil cabeças de gado.

Ele foi indicado pela primeira vez ao Prêmio Agropará. “É o reconhecimento de 46 anos de muito trabalho. É muito importante para nossa família. O prêmio envolve todas essas cadeias produtivas e é muito importante para o agronegócio de maneira geral, divulgando e estimulando. Visto que o Pará tem uma vocação muito grande para o agronegócio”, analisou.

Reconhecer e incentivar as melhores práticas no campo

Já o economista mineiro Roberto Rezende Paulinelli, 60, é finalista na categoria equinos/asininos e muares. Há 20 anos ele começou a criar, por hobby, equinos e jumentos. O produtor é proprietário da fazenda Sansei, com extensão de 9 mil hectares, no município de Rio Maria, no Sul do Pará. Ele também possui criação de mulas dentro e fora do Estado. “Meu pai sempre gostou e eu comecei essa criação. Temos animais que participam de provas de marcha, ramch shorting, team pemme”, explicou.

Roberto foi indicado ao prêmio ano passado e concorre novamente este ano. “É uma forma de valorizar a produção no estado, não só de rebanho, mas do cacau pimenta e tudo mais. É uma valorização para quem cria e produz no Pará”, frisou.

Diretor geral do Grupo RBA, Camilo Centeno ressalta que o Prêmio Agropará se tornou referência para o setor de agronegócio no Estado. A premiação e a publicação da Revista Agropará, encartada gratuitamente no jornal, a cada três meses, são uma forma de incentivar o trabalho desenvolvido por inúmeros produtores.

“Pessoas da capital e de regiões próximas conhecem muito pouco a riqueza dessas atividades desenvolvidas no interior, que geram milhares de empregos. Então a premiação tem esse objetivo de reconhecer a importância e incentivar as melhores práticas”, afirmou Camilo, ao acrescentar que a premiação é também uma forma de reunir os produtores para trocarem experiências em uma grande confraternização.

“O Pará é forte não só na pecuária, como na agricultura. Somos o maior produtor de açaí, grande produtor de abacaxi, de rebanho. A cultura de soja também está despontando. Ou seja, uma vocação muito grande em várias áreas e cada vez mais as pessoas têm percebido isso e investido nesses segmentos”, reforça Camilo Centeno.

PRÊMIO AGROPARÁ

OS PRIMEIROS FINALISTAS

Ao longo dos próximos dias, o DIÁRIO divulgará as outras categorias e indicados.

1) BOVINOS

– Nelore Água Fria – João Carlos Guimarães Giffoni Filho (Xinguara)

– Nelore Menoletto – Faz. Nossa Senhora Aparecida (Belterra)

– Fazenda Porangaí – Maurício Pompéia Fraga (Xinguara)

2) BUBALINOS

– Fazenda Sta. Filomena- Carlos Diniz Filho (Muaná)

– Fazenda Aruans – Antonio Francisco Araújo (Chaves)

– Fazenda Açaizal – Geraldo Pedro de Oliveira Neto (Parauapebas)

3) EQUINOS, ASININOS e MUARES

– Al Rancho – Letícia Bernadete Santos Lima (Parauapebas)

– Mangalarga. Marchador e Muares – Roberto Paulinelli (Rio Maria)

– Rancho do Cawboy – Sindicato Rural (Paragominas)

A premiação ocorrerá no dia 4 de dezembro, às 19h, na sede da Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa), em Belém. Ao todo, o prêmio está dividido em 19 categorias. O Agropará é patrocinado pela Agropalma, Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), Banco da Amazônia, Citropar, Guamá Tratamento de Resíduos e Sebrae.

“Enxugar gelo”. Você já sentiu essa interminável sensação?

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER