Por que pulverizar inseticida no gado não basta para controlar o surto de mosca-dos-estábulos na fazenda? Nesta segunda, 1º, o médico veterinário e professor Guilherme Vieira, criador das plataformas Farmácia na Fazenda e do Semiconfinamento.com.br
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Boi-mosca2

Por que pulverizar inseticida no gado não basta para controlar o surto de mosca-dos-estábulos na fazenda? Nesta segunda, 1º, o médico veterinário e professor Guilherme Vieira, criador das plataformas Farmácia na Fazenda e do Semiconfinamento.com.br, esclareceu a dúvida de diversos produtores e apontou a solução para o problema que tira o dinheiro do bolso dos pecuaristas e o sossego do gado que fica incomodado com as picadas dos insetos.

Você acha que só pulverizar os animais no controle de moscas de estábulos adianta? Eu respondo que não adianta nada só utilizar inseticida e mosquicida, pulverizando os animais para o controle da mosca-dos-estábulos”, determinou o veterinário.

“Eu adoro tratar fazendas com moscas-dos-estábulos porque logo depois que a gente adota as medidas, que são simples e rotineiras, nós acabamos por tirar todo o sofrimento dos animais. Eles sofrem bastante com as picadas das moscas-dos-estábulos”, revelou.

“Estudos recentes comprovaram que essas moscas causam um prejuízo anual de US$ 2,2 bilhões nos EUA. No Brasil, são em torno de US$ 400 milhões de prejuízo anualmente com os surtos”, disse, colocando o problema em contexto econômico. “E por que esse prejuízo? Há uma perda significativa na produção de carne, leite e ovos. Tudo isso é computado. Além do estresse dos animais, gastos com medicamentos e serviços. Tudo isso leva a esses grandes prejuízos por conta da ocorrência dos surtos de moscas-dos-estábulos.

Vieira explicou como funciona o ataque dos insetos aos bovinos. “Ela (a mosca) ataca os animais pelo período da manhã e no final da tarde, nas horas de temperaturas mais amenas. […] Essas moscas se escondem durante o dia após o repasto, após a sua nutrição diária, a sua alimentação diária. Elas vão fazer a sua digestão em locais cobertos, longe do sol, protegidas na sombra e passam o dia todo nesse marasmo, fazendo a sua digestão. No final do dia, elas saem de novo para fazer o seu repasto, a sua nutrição […]. Elas não são bobas, não!”, comentou.

O veterinário contou que os insetos atacam os animais de forma a ficar protegidos das investidas do bovino para tentar se livrar deles. “Como é que elas atacam os animais? Na parte baixa, na parte dos membros, e nas orelhas. Você observa esse cavalos, nós estamos mostrando o quanto ele sofre (veja o registro no vídeo mais abaixo nesta página). Isso ilustra bem o ataque de mosca-dos-estábulos nos animais. Elas ficam presentes nos mourões, nas paredes dos estábulos, nos currais, nos mourões dos currais, nas cercas e em tudo quanto é lugar que tenha sombra. Elas vão ficar próximas às áreas de matéria orgânica em decomposição e também próximas ao alimento delas, que são os animais”, acrescentou.

“Esses animais ficam bastante estressados, eles batem a cauda o tempo todo, eles batem com a cabeça, coitados, junto aos membros no intuito de afastar essas moscas e também batem com as patas no chão, tentando se livrar de todas as infestações dessas moscas e altamente irritante”, alertou.

O que fazer para melhorar a vida desses animais? O que fazer para melhorar a infestação de mosca-dos-estábulos na sua propriedade?”, indagou Guilherme. Na sequência, o especialista listou uma série de dicas para diminuir o problema dentro da porteira.

HIGIENE DO AMBIENTE

“A primeira coisa que você tem que fazer é uma limpeza geral, uma higiene geral na sua propriedade. Não tem jeito! Tem que fazer uma limpeza, uma higiene geral na sua fazenda, remover todos os dejetosfazer uma esterqueira para tratamento e curtimento dos dejetos orgânicos. No caso de confinamento, no final do período, você recolhe esses dejetos todos. Temos uma foto de um confinamento que nós prestamos consultoria em que você tem grandes pilhas de dejetos curtindo. Neste ato de você curtir o dejeto, você pode revolver ele para que haja uma penetração de raio solar. A penetração desse raio solar destrói tudo quanto é larva. Você também deve dar um destino legal para seus resíduos de silagem, um destino legal para os restos de ração, fazer a limpeza dos cochos seja das aves, dos suínos, do gado de leite e do gado de corte. É uma limpeza, não é jogar no chão. Tem que jogar em local apropriado, armazenar corretamente para depois dar um destino correto. E seguir com limpeza e higiene constante do curral”, resumiu.

Outro ponto importante para conter o surto do inseto é identificar o seu criadouro. “Você tem que identificar o foco de mosca-dos-estábulos na sua propriedade. Se tem um foco de matéria orgânica em decomposição, seja no fundo de baia dos cavalos ou em qualquer local, você deve observar esse foco. Assim que identificar, você pode fazer duas coisas: primeiro colocar uma lona por cima e deixar por sete a dez dias. O calor e a fermentação vão inativar, vão matar todas essas larvas. Outra coisa que você pode fazer também: revolver toda essa matéria orgânica, três vezes na semana. Revolver, observar a presença de larvas e pode fazer uma pulverização em cima desses dejetos que você vai matar essas larvas”, recomendou.

Larvas de mosca-dos-estábulos se prolifera em em matéria orgânica em decomposição. Foto: reprodução / Embrapa.

O veterinário apontou onde o produtor pode obter ajuda para escolher o produto ideal para conter o problema. “Você pode ir em uma loja de produtos agropecuários com a indicação de um agrônomo, um veterinário, um profissional de sua confiança para comprar um inseticida de pulverização ambiental. Geralmente esses inseticidas de pulverização ambiental são de dois princípios ativos: um desalojante e o outro de efeito residual, justamente para você pulverizar o ambiente”, detalhou.

O veterinário avisou, entretanto, que este inseticida de pulverização ambiental não deve ser aplicado diretamente sobre os animais. “Esse inseticida não deve ser pulverizado nos animais porque ele tem uma alta concentração de princípios ativos e pode vir a intoxicar o gado”, advertiu.

Em relação ao tratamento do problema nos animais, existem alternativas, conforme completou o veterinário. “Quanto ao tratamento dos animais, após tomar todas essas medidas de higiene, você deve prender o gado e fazer uso dos produtos pour on. Você deve observar aqueles produtos que têm restrições de bula, fazer uma pulverização a cada sete ou 15 dias, de acordo com a bula”, indicou.

Vieira explicou porque a tentativa de usar somente um inseticida específico para pulverizar o gado não é suficiente para controlar a mosca-dos-estábulos. “Só a pulverização deste produto (pour on) não vai resolver o problema de moscas-dos-estábulos. Por que não adianta pulverizar os animais? Uma explicação técnica muito simples. Quando a mosca sai para fazer o repasto, para fazer a sua alimentação diária, o seu banquete diário nos animais, ela, no ato de picar os animais, demora um a dois minutos. É um tempo insuficiente para que o inseticida tenha efeito no sugador desses animais. Portanto, é totalmente ineficiente você fazer uma pulverização no corpo desses animais. É por isso que na maioria das vezes as pessoas nos ligam dizem que já compraram todo tipo de inseticida, mas não resolveu o problema”, revelou.

“Lembre-se: controle de moscas-dos-estábulos é higiene ambiental”, frisou.

 

Confira no vídeo abaixo as dicas do especialista sobre controle de mosca-dos-estábulos:

Modelo de negócio assegura avanço tecnológico, aumenta produtividade e lucros de produtores.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER