#Competitividade do leite brasileiro – eDairyNews Últimas notícias
Sin categoría |19 febrero, 2013

Leite | #Competitividade do leite brasileiro

Dentro da atividade agrí­cola do Brasil, a produção de soja e milho é hoje admirada pela quantidade produzida, pela melhoria…

Dentro da atividade agrí­cola do Brasil, a produção de soja e milho é hoje admirada pela quantidade produzida, pela melhoria gradativa nos í­ndices de produtividade, pela contribuição í  economia do Paí­s e por ser considerada fundamental para disponibilizar alimento para o mundo.

O Brasil, atualmente, é um exportador importante de grãos e oleaginosas porque a produção é suficientemente grande para garantir o abastecimento interno e gerar excedentes para o mercado internacional. Argumenta-se que as culturas são fonte importante de receita para superávit no comércio externo e que contribuem para a sedimentação da avicultura, suinocultura e produção de leite e carne com bovinos confinados.

Teve participação de destaque no desenvolvimento do setor de produção de máquinas agrí­colas e caminhões, e também no crescimento do mercado de fertilizantes e insumos para a agricultura. Foi importante para o desenvolvimento de regiões remotas com geração de renda e criação de postos de trabalho. Tudo isso aconteceu porque a produção cresceu em volume e em produtividade e passou a ser competitiva no mercado internacional por preços e qualidade.

O bom desempenho da atividade deve ser atribuí­do ao uso de tecnologia universal para a agricultura avançada, empregando conceitos cientí­ficos de fertilidade e conservação de solos, sementes selecionadas de variedades produtivas, controle efetivo de pragas e doenças, mecanização eficiente e, quando viável, irrigação.

Por outro lado, a produção de leite se destaca pelo crescimento contí­nuo, emprego de mão de obra e contribuição para a formação da renda bruta da agricultura, mas não tem participação destacada em exportação pelo fato de que a produção é relativamente pequena para a população brasileira e, reconhecidamente, existem problemas de qualidade de matéria-prima.

Os excedentes eventuais acontecem por consumo baixo de produtos lácteos. A estrutura de produção de leite no Paí­s não cria condições para que o setor seja competitivo, trazendo como consequíªncia produtos lácteos caros para a renda per capita média e concorríªncia continua de outros paí­ses.

Análise de outubro último relata que o preço médio do queijo mussarela importado foi 30% mais barato e para o leite em pó integral a diferença para o nacional foi de 32%. No perí­odo, o preço do leite pago ao produtor no Brasil esteve entre 20% e 30% acima dos praticados na Argentina e Uruguai, favorecendo as importações que desestabilizam o setor produtivo, como tem sido apontado pela mí­dia.

Para efeito de comparação, os preços lí­quidos recebidos em setembro de 2012 pelos produtores da Califórnia, o principal estado produtor norte-americano, foi de R$ 0,765 / litro (considerando dólar a R$ 2,00) e, em Minas Gerais, o principal estado produtor do Brasil, o valor médio foi de R$ 0,820/litro, de acordo com o Cepea-Esalq/USP.

A falta de competitividade do leite brasileiro e os problemas de qualidade média do produto produzido aparentemente não são motivo de preocupação para o setor, que permanece muito mais focado em mecanismos de restrição í  importação e obtenção de preços maiores aos produtores. Talvez, esta postura seja devido ao fato de o Paí­s não ter participação efetiva no mercado internacional, produzindo quase que exclusivamente para o mercado interno.

No que diz respeito í  situação da pecuária leiteira, íªnfase muito grande é direcionada í s taxas altas de crescimento que colocam o Paí­s entre os maiores produtores mundiais, sem considerar que o incremento tem sido causado pela abertura de novas áreas de produção em território tradicional de gado de corte, e que o rebanho de vacas passou de 19 milhões de cabeças em 1990 para 23,5 milhões atualmente.

Nas análises sobre o setor, se procura demonstrar ganhos de produtividade, mesmo com um aumento muito pequeno de somente 27,8 kg de leite por vaca do rebanho ano nos últimos 20 anos. Não se discute o fato de o rebanho leiteiro ser provavelmente constituí­do por 67 milhões de cabeças, considerando a hipótese de que as vacas perfazem somente 35% do rebanho, fato que exigiria um capital muito grande empatado em terras e animais para produção de pouco leite, e gastos consideráveis com equipamentos e insumos.

O problema é agravado pela probabilidade de somente 25% do rebanho produzir leite efetivamente durante o ano, ficando o restante na fazenda sem gerar renda, mas elevando os custos.

De maneira contrária í  observada para o cultivo de grãos, a pecuária leiteira média não emprega conceitos universais de produção tecnificada, e os í­ndices de produtividade indicam caracterí­sticas de exploração extrativista, sem gerenciamento do processo produtivo.

Se a realidade for analisada sem ufanismos, medidas efetivas poderão ser preconizadas para mudar a situação, pois não é difí­cil a obtenção de valores de produtividade e economicidade comparáveis aos de regiões avançadas, e o leite brasileiro poderá ser, quem sabe, competitivo.

Fonte: Revista Balde Branco

Qualquer reivindicação decorrente das informações contidas no site eDairyNews será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, com sede na cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outra jurisdição, incluindo a Federal.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Notas relacionadas