A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou na última quinta-feira (8/8) o décimo primeiro levantamento da safra brasileira de grãos (2018/2019). 
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou na última quinta-feira (8/8) o décimo primeiro levantamento da safra brasileira de grãos (2018/2019).

Destacamos mais uma revisão para cima na produção de milho de segunda safra, que foi estimada em 73,07 milhões de toneladas, 1,0% acima do estimado no relatório de julho.

Na comparação com o colhido na safra passada, o volume previsto aumentou 35,6%, o equivalente a 19,17 milhões de toneladas a mais.

Neste caso, além do crescimento de 7,8% na área semeada, frente ao ciclo passado, o clima foi bastante favorável para o desenvolvimento das lavouras na segunda safra. A expectativa é de uma produtividade média 25,8% maior nesta temporada.

A colheita está na reta final no país.

No Paraná, até 5/8, 81,0% da área de milho de segunda havia sido colhida, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral). Em Mato Grosso, de acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), a colheita do milho atingira 97,7% da área até o dia 2/8.

No total (primeira e segunda safras) a produção nacional está estimada em 99,31 milhões de toneladas de milho em 2018/2019. É a maior safra da história.

Com relação às exportações, a Conab estima 34,50 milhões de toneladas embarcadas este ano pelo Brasil, frente às 33,50 milhões de toneladas estimadas anteriormente.

Com as exportações crescendo mais que o incremento na produção, em relação ao relatório anterior, os estoques finais foram revisados para baixo. Estão previstas 17 milhões de toneladas ao final do ciclo 2018/2019.

A previsão no relatório de julho era de 18,19 milhões de toneladas em estoques finais no ciclo atual. Em 2017/2018 o país fechou com 15,30 milhões de toneladas em estoques.

Apesar da produção recorde e estoques maiores, os preços do cereal firmaram em agosto, com o dólar em alta e exportações aquecidas.

Em novembro, o preço do leite registrou nova queda em Minas Gerais.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER