Durante a recente Conferência Dairy Grand Angle Idele 2022, realizada em 5 de abril em Paris, especialistas do Idele Livestock Institute previram um aumento nos custos de produção de leite de 15 para 61 euros (US$ 16,22 para 65,94) por 1000 litros, devido à persistência do conflito Rússia-Ucrânia.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A conferência também se concentrou em questões como a atratividade de uma profissão como produtor de leite ou as alavancas para as fazendas se adaptarem às mudanças climáticas.

Quatro especialistas da Idele apresentaram os possíveis impactos do conflito russo/ucraniano na indústria de laticínios francesa. “O preço das matérias-primas já estava aumentando antes da invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022”, disse Philippe Chotteau, chefe do Departamento de Economia do GEB de Idele, em sua introdução.

De fevereiro de 2021 a fevereiro de 2022, todos os preços de insumos do leite produzido na França aumentaram: 13,3% para ração comprada, 81,9% para fertilizantes, 29,5% para energia e lubrificantes e 23,8% para pequenos equipamentos. O preço do frete marítimo também aumentou e grandes empresas, incluindo MSC, Maersk e CMA-CGM, suspenderam suas atividades de e para os portos russos desde o início de março.

Uma alta dependência de trigo, milho e girassol

O conflito russo-ucraniano levou a um aumento nos preços das commodities, com as oleaginosas atingindo níveis recordes. “O peso da Ucrânia e da Rússia nas exportações mundiais de trigo, milho e girassol – a origem do “Mar Negro” fornece 30% do comércio mundial de trigo e 15% do de milho – gera temores de escassez”, observou Chotteau, que acrescentou que o aumento do preço dos grãos e óleos afeta primeiro a segurança alimentar das populações do leste e do sul do Mediterrâneo.

Para muitos países africanos, a participação do trigo da Rússia e da Ucrânia excede 60% do total das importações. A UE-27 também depende significativamente da Ucrânia, com 29% do total das exportações ucranianas de milho e girassol na campanha 2020/21. A UE também depende fortemente do girassol russo, com 56% do total das exportações russas de girassol na campanha 2020/21.

Laticínios: baixo comércio

A conferência Idele também discutiu a posição dos produtos lácteos da Rússia e da Ucrânia no comércio internacional. “O comércio da França com a Rússia e a Ucrânia continua baixo”, disse Gérard You, chefe de economia. A Ucrânia, diante de um declínio em seu rebanho leiteiro (queda de 20% entre 2011 e 2021), continua sendo um exportador marginal de produtos lácteos – 500.000 TEL-toneladas (leite equivalente em toneladas) em 2020. Quanto à Rússia, foi o segundo importador mundial de produtos lácteos em 2020 com um total de 5 milhões de TEL, e está muito atrás da China (13 milhões de TEL em 2020).

A Bielorrússia é o principal fornecedor de produtos lácteos da Rússia – 1,8 bilhão de euros (US$ 1,95 bilhão) em 2021– , muito à frente da UE-27, que no mesmo ano exportou apenas 252 milhões de euros (US$ 272,43 milhões) em produtos lácteos para o mercado russo.


Preços de ração em alta

Que impacto o conflito russo-ucraniano pode ter nas fazendas leiteiras francesas? “Com mercados muito voláteis e imprevisíveis, é preciso cautela”, disse You, que incorpora essa incerteza ao preço dos insumos agrícolas com 2 hipóteses:

  1. Uma hipótese baixa (com um retorno bastante rápido a uma situação no início de 2022 antes da guerra).
  2. Uma hipótese alta com tensões e instabilidade persistentes, com preços no nível do início de março de 2022.

Segundo o especialista da Idele, o preço das rações compradas poderia aumentar de 9% na hipótese baixa para 40% na hipótese alta, o dos combustíveis de 26% a 83% e o dos fertilizantes nitrogenados de 30% a 61%.

You então completou essa abordagem econômica apresentando um estudo sobre o impacto desse aumento nos custos de um grupo de 133 fazendas leiteiras de várzea com 2,15 UMO (Unité de main d’oeuvre ou unidade de trabalho) e 346.000 litros por UMO. Os resultados deste estudo mostram um aumento nos custos de produção de leite variando de € 15 (US$ 16,22) por 1.000 litros para a hipótese baixa a € 61 (US$ 65,94) por 1.000 litros para a hipótese alta (ver Tabela abaixo).

A compra de concentrados encabeça os 2 cenários, com 7€ (US$ 7,57) por 1.000 litros para o cenário baixo e 38€ (US$ 41,08) por 1.000 litros para o cenário mais desfavorável.

Tabela – Impacto do conflito nos custos de produção de leite de fazendas leiteiras de várzea


Em seguida, Benoît Rouillé, gerente de projeto do Departamento de Técnicas de Melhoramento e Meio Ambiente de Idele, apresentou as alavancas disponíveis aos produtores para lidar com o aumento do custo das matérias-primas. Uma dessas alavancas consiste na redução da produção de concentrado, sua eficiência máxima é de 0,8 kg de leite/kg de concentrado (0,5 kg de leite em média).

Segundo Rouillé, o corretor redutor de nitrogênio é uma alavanca que pode ser utilizada em algumas situações: em rações 100% no cocho com forragem conservada e em rações mistas com pequena parcela de pastejo. “Na prática, para parar o corretor de nitrogênio, é preciso atingir 50% de capim de pastagem na dieta o mais rápido possível”, disse o especialista, acrescentando que essa meia porção de capim sendo alcançada a partir de 20 hectares de capim pastado por vaca por dia.

Um trabalho menos atraente

A renovação dos produtores e a atratividade da profissão de produtor de leite na França e na Europa também foram objeto de uma apresentação.

Com uma taxa de substituição de saídas de 45%, o setor de laticínios está na parte inferior de todos os setores agrícolas franceses. Embora isso varie de 35% a 84% dependendo das áreas leiteiras. Essa baixa taxa se deve a uma onda de saídas significativas ligadas ao envelhecimento dos gerentes agrícolas, enquanto o fluxo para a profissão, embora insuficiente, tem se mantido bastante estável desde 2010.

A renovação dos produtores é um assunto importante para a profissão leiteira. “50% dos pecuaristas ativos em 2018 podem deixar o setor até 2027”, disse Christophe Perrot, da Idele, durante sua apresentação. Segundo ele, o setor de laticínios sofre com a falta de imagem – 88% dos jovens acham que estão mal informados sobre trabalhos relacionados à pecuária.

Pesquisas realizadas pela Idele mostram que as preocupações dos produtores de leite franceses são compartilhadas por produtores de muitos países europeus: as idades médias para assumir um cargo no setor também estão aumentando e há uma preocupação compartilhada sobre o número de pessoas que estão neste setor e na contratação de funcionários.

Preocupações e obstáculos na profissão também são compartilhados: tamanho das fazendas e investimentos necessários, renda permitida, tempo de trabalho e trabalho árduo. A gestão de recursos humanos é também um assunto que está em ascensão, com o aumento da utilização de trabalhadores assalariados, há a necessidade de aumentar as competências nas áreas das relações humanas nas explorações agrícolas, ou a utilização de trabalhadores migrantes para contornar a falta de atratividade.

Adaptação às mudanças climáticas

O setor de laticínios francês assumiu a questão da adaptação às mudanças climáticas em 2015, iniciando o projeto Climalait. Este projeto de pesquisa realizou trabalhos com grupos de produtores em 20 pequenas regiões leiteiras entre 2015 e 2019. Isso levou à identificação de alavancas para adaptar a pecuária às mudanças climáticas, tanto em termos de sistemas de forragem quanto de animais.

“Muitas alternativas estão à disposição dos produtores de leite, em termos de genética, adaptação de edifícios, gestão de recursos forrageiros”, afirmou Aurélie Madrid, de Idele, que trabalha em projetos franceses e europeus desde 2016 relacionados à adaptação ao clima.

“A alavanca genética animal consiste em explorar a variabilidade genética existente e escolher os melhores animais reprodutores para populações adaptadas às mudanças climáticas; é uma alavanca muito eficaz, com efeito cumulativo ao longo das gerações”, explicou Aurélie.

No que diz respeito às instalações pecuárias, os trabalhos realizados pela Idele permitiram definir um plano de ação para limitar o impacto do calor elevado nos animais.

Com a definição de 5 ações suficientes em determinados edifícios de acordo com a sua localização geográfica e o seu projeto, verificar as condições de rega, fornecer ração palatável, fornecer sombra aos animais em pastejo, reduzir a luz solar direta e indireta no interior dos edifícios e melhorar a ventilação natural no interior dos edifícios.

BELO HORIZONTE (MG) – A PREDALLE Pré-Fabricados participou nos dias 15 a 18 de Junho da maior feira de agronegócios da América Latina, a MEGA LEITE.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER