Outro diferencial segundo criadores do zebuíno sindi, é presença de caseína A2 no leite, que diminui o risco de alergia
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Milk gallon, in a brazilian rural region, with someone behind it.

Criador de gado sindi há oito anos, Ângelo Mario Tibery herdou do pai o olhar e a perseverança para selecionar e consolidar a raça zebuína de alta qualidade.

Ângelo é filho de Orestes Prata Tibery Júnior, cuja marca OT da raça nelore é reconhecida em todo o país. Orestinho, como era conhecido, morreu em 2012, após dedicar-se a aprimorar o zebu por 50 anos.

A fazenda de Ângelo fica em Três Lagoas (MS). O criatório acompanha a evolução acelerada da raça sindi nos últimos tempos. Cresce tanto o número de registro de animais e criadores como o de leilões. “Está difícil dar resposta à forte demanda”, diz o pecuarista.

Para se ter ideia, são 50 as doadoras de elite da Fazenda São João. Pelo menos 200 animais nascem a cada ano, a partir da tecnologia de transferência de embriões, sendo que 60% das crias são machos e 40% fêmeas.

Ângelo já realizou dois leilões. Em ambos, a liquidez foi boa, e as médias igualmente corresponderam. Em agosto do ano passado, por exemplo, a receita foi de R$ 1,7 milhão. As vendas de fêmeas obtiveram média próxima de R$ 30 mil. No arremate de machos, chegou a quase R$ 12 mil.

 

“Foi movimentado esse pregão. Ficou evidente o interesse que o sindi desperta, pois havia interessados de vários Estados”, afirma Ângelo. Segundo ele, a quantidade de leilões da raça tem aumentado.

No balanço relativo a 2018, o sindi fechou o ano com a oferta de aproximadamente 1.200 animais em 18 eventos comerciais. Detalhe: em cada um desses remates, pelo menos cinco novos criadores iniciaram a lida com a  raça. As estatísticas de 2019 ainda não estão fechadas, mas os criadores adiantam que os números de 2018 devem ser superados.

O empenho na seleção do gado tem garantido à Fazenda São João o reconhecimento na disputadíssima pista de julgamento da ExpoZebu, realizada em Uberaba (MG). Nas exposições de 2017 e 2018, Ângelo conquistou o cobiçado título de melhor expositor da raça.

 

Milenar

A raça sindi começou a ser criada e selecionada no Brasil perto da virada do século XX, mas deve-se contar no currículo do gado de cor vermelha nada mais, nada menos, que outros 7 mil anos de evolução natural a partir de sua origem numa das regiões mais inóspitas e desafiadoras do planeta: o deserto de Sind, território indiano posteriormente anexado ao Paquistão.

Lá, foram forjados animais extremamente resistentes, versáteis, adaptados e prolíficos, com capacidade de se manter eficientes na produção e na reprodução sob o clima quente dos trópicos – caso do Brasil.

Ronaldo Bichuette (Foto: Divulgação)

“Visitei muitas fazendas no Nordeste e fiquei impressionado com a capacidade de adaptação e sobrevivência da raça”

Ronaldo Bichuette, presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Sindi

Por aqui, núcleos importantes da raça foram fixados nas regiões Nordeste e Sudeste a partir das primeiras importações. Os animais são, em geral, de pequeno porte. Assim, a raça é menos exigente e adequada para regiões de poucos recursos alimentares, onde seria difícil a manutenção de animais de grande tamanho.

O sindi é de dupla aptidão, corte e leite – outra vantagem. A criação é muito utilizada no nordeste brasileiro. É que, além de extremamente rústica, é fértil produtora de leite. Assim, fornece leite e carne para o sertanejo e sua família.

Crescimento

Por alguns anos, a raça ficou meio esquecida, porém, despertou muita atenção a partir de 2005, quando voltou à pista de julgamento da ExpoZebu, pelas mãos do criador Adaldio Castilho, de Novo Horizonte (SP).

Em 2019, foi um show. No palco principal das raças zebuínas, a ExpoZebu, os criadores de sindi apresentaram 300 animais em leilões, pistas de julgamento e concursos leiteiros, e a cor vermelha deu o tom.

A animação com os resultados da raça tem refletido no banco de dados da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), onde o sindi é registrado. A lista de criadores que registram esse gado tem cerca de 400 nomes – era bem menor há alguns anos. Mais: entre 2010 e 2017, o registro de nascimentos cresceu, em média, 13% ao ano e chegou a um acumulado de 120%.

“São números expressivos. E o melhor é que representam uma tendência, à medida que os leilões, por exemplo, aumentaram bastante nos últimos anos e há muita liquidez”

Ronaldo Bichuette, presidente da Associação Brasileira dos Criadores

Ronaldo Bichuette, presidente da associação brasileira da raça, sediada em Uberaba e que tem um quadro de 60 criadores, diz que a demanda por sindi é derivada da sua performance nos cruzamentos, seja com o zebuíno, como nelore, ou mesmo com os taurinos, como o angus.

A propriedade de Ronaldo fica em Veríssimo, cidade localizada no Triângulo Mineiro e bastante próxima a Uberaba. O rebanho atual é formado de 200 cabeças, entre mamando e caducando. Outra informação importante: o sindi produz uma quantidade acima da média de leite tipo A2, que reduz o risco de alergia e ajuda na prevenção de diabetes.

O produtor diz que experiência conduzida pela associação presidida por ele constatou uma produção de 85% a 90% de proteína A2 no leite do sindi, outro mercado de fôlego aberto para a raça e em franca expansão.

 

Fonte de proteínas, a ricota é preparada com o soro do queijo e possui menos gordura se comparada com os outros tipos.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER