A tradição culinária francesa e italiana apresenta um fator em comum: a paixão por queijos. Os dois países têm um consumo e produção de queijo marcante em suas culturas.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A tradição culinária francesa e italiana apresenta um fator em comum: a paixão por queijos. Os dois países têm um consumo e produção de queijo marcante em suas culturas. Além da popularidade na Europa, os queijos conquistaram o paladar dos brasileiros. E para expandir o seu conhecimento culinário, Tirolez, uma das principais marcas de laticínios do país, explica sobre os tipos clássicos e tradicionais desses países: o Brie e o Camembert, da França, e o ParmesãoMussarelaProvoloneRicota fresca e Gorgonzola, da Itália.

Queijos franceses

Brie: Um dos queijos mais antigos da França, o Brie já foi o alimento preferido de reis e rainhas. Sua textura e sabor se modificam de acordo com o tempo.Quando possui entre 1 e 15 dias de fabrição,  possui sabor mais suave, textura mais firme e casca branca. De 15 a 30 dias, seu sabor fica mais assentuado e a textura mais cremosa. Após 30 dias, se torna bastante cremoso e a casca ganha uma coloração não uniforme.

Camembert: parecido com o brie, surgiu na região da Normandia, em um vilarejo chamado Camembert, que deu origem ao seu nome. Possui textura bastante cremosa e sua casca é branca, aveludada e pode ser consumida. Quanto ao sabor, é mais intenso e assentuado que o brie.

 Dica: para provar os Queijos Brie e Camembert Tirolez: retire-os da geladeira pelo menos 40 minutos antes de consumir. Sirva com acompanhamentos suaves, como frutas, geleias, nozes, castanhas e mel, para realçar o sabor e tornar a experiência de consumo ainda mais especial.

Queijos italianos

Parmesão: o clássico Parmigiano-Reggiano tem esse nome em referência às regiões produtoras do queijo e às províncias de Parma, Reggio Emilia, Módena, Bolonha e Mântua. Entre as principais caracterísitas do parmesão estão o baixo teor de umidade e a textura granular. O queijo demora no mínimo 6 meses para ficar pronto e são utilizados 13 litros de leite para produzir 1 kg.

Versátil, é uma ótima opção para servir em tábuas de queijos e frios, além de servir de ingrediente em receitas diversas, como suflês, gratinados e risotos. Também vale a pena apreciá-lo sozinho, com um bom vinho.

Mussarela: bastante popular em diversas regiões do mundo, mussarela é um queijo macio e não maturado, que possui a coloração branca ou levemente amarelada. É encontrado em diversos formatos: fatiados, para lanches ou em peças maiores, de 3,5 kg. Sua chegada no Brasil aconteceu por intermédio dos primeiros imigrantes italianos no país, entre os anos 1860 e 1890.

 

Provolone: o queijo provolone possui um sabor lácteo e defumado, que varia de acordo com o tempo de maturação. Em algumas regiões na Itália, é consumido mais maturado, ficando com o sabor ainda mais atenuado.

No Brasil e nas principais regiões da Itália, durante a produção, a massa do provolone é amarrada com cordas ou redes até que o queijo fique seco. Após este processo, é defumado até que atinga o sabor e aroma ideais. O provolone da Tirolez passa por uma defumação natural, seguindo a risca a original. Pode ser utilizado ralado, para realçar o sabor dos molhos, empanado como entrada, ou incluido em tábuas de queijos, acompanhado de vinho ou cerveja.

 

Ricota fresca: de coloração branca, textura leve e baixo teor de gordurao grande diferencial da ricota entre os outros queijos é a sua produção: é feita a partir do soro do leite. Similar ao queijo branco, possui muitas proteínas e poucas calorias, ideal para um cardápio mais saudável e equilibrado. Versátil, a ricota pode ser utilizada para o preparo de doces ou salgados, como recheio para panquecas ou em torradas.

Gorgonzola: surgiu no Vale do Pó, região italiana localizada na cidade Gorgonzola, que deu origem ao nome do queijo. Seu preparo é realizado da da seguinte forma: primeiro o fungo é adicionado ao queijo e, posteriormente, é perfurado por agulhas de aço para a ingestão de oxigênio, que permite que se desenvolva com o sabor e aroma característicos.

Sua texura é macia e sabor marcante, ficando mais intenso quando está proximo ao vencimento. Por sua cremosidade, é uma boa opção no preparo de molhos, massas e sopas. Também pode ser degustado puro, acompanhado de um bom vinho.

Em novembro, o preço do leite registrou nova queda em Minas Gerais.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER