O secretário de Estado da Agricultura, Evandro Padovani, confirmou para a próxima quinta-feira (22), a apresentação dos estudos da Universidade Federal do Paraná elaborando o chamado preço referencial do leite.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Esse será o ponto de partida de negociação entre gestores públicos, produtores e empresários para tentar encerrar a paralisação iniciada no mês de março. O valor levou em consideração os gastos dos produtores, a variação de mercado, entre outros aspectos, para chegar a um consenso.

Além do preço referencial, a Secretaria de Finanças (Sefin) e a Secretaria de Agricultura vão elaborar uma norma técnica prevendo a perda dos incentivos fiscais para os laticínios que não cumprirem as leis estaduais e federais em vigor, criadas para disciplinar o setor. O futuro decreto trará os efeitos da Lei 12.669 de 12 de junho de 2012, aprovada pelo Congresso Nacional, obrigando a informar ao produtor o preço pago pelo litro do produto até o dia 25 do mês anterior à entrega; a Lei 3571 de 23 de junho de 2015, de Rondônia, obrigando as empresas a informar o preço até o penúltimo dia útil do mês; e a Lei 4807 de 10 de julho de 2020, proibindo os laticínios a ampliação do prazo para pagamento, sob pena de suspensão por até 180 dias de isenções e benefícios fiscais.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER