Alimentação de baixa qualidade faz produtores rurais terem queda de 60% no leite
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Alimentação de baixa qualidade faz produtores rurais terem queda de 60% no leite

Foto: Divulgação

COMPARTILHE

A estiagem vem sendo um problema enfrentado por muitos produtores de leite no estado, já que com uma alimentação de baixa qualidade e pouco nutritiva, as vacas também reduzem sua produção de leite. O produtor rural de Passo Fundo, Edmundo Ficagna, conta que em sua propriedade a queda na produtividade do leite é de cerca de 60%.

Este fato está ligado tanto aos impactos da estiagem como o alto custo de produção que vem deixando-o sem muitas alternativas.

“A casquinha que era R$ 0,80, agora está R$ 1,35 o quilo. A ração que antes era de R$ 70,00 a R$ 80,00 está R$ 100,00. A silagem era de R$ 15,00 a R$ 18,00 e está custando R$ 25,00. Todas essas coisas aumentaram de preço, e o preço do leite segue em torno de R$ 1,83”, detalha Edmundo.

Atuando há mais de 25 anos na produção leiteira, ele também ressalta que não é apenas o valor dos alimentos da vaca que impactam no bolso do produtor, pois há outros custos que cercam essa profissão, como é o caso do óleo diesel e os produtos de limpeza.

“O detergente que a gente ocupa para lavar as ordenhas, o preço dos equipamentos da ordenha, a luz elétrica aumentou. Então se a gente for contar tudo isso, eu não sei se sobram 30% de lucro no meu caso. Isso vai impactando, se antes ganhava mil reais, passou a ganhar R$ 700,00 ou R$ 500,00 no total”, pontua.

“Para os próximos meses se continuar assim vai ser cada vez pior. Como que vai fazer pastagem de inverno? Vai plantar aveia e não vai nascer. O preço da semente em torno de R$ 1,50, tudo só aumenta”, finaliza.

Sindilat/RS

O secretário executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados (Sindilat/RS), Darlan Palharini, comenta que o preço do leite começou a reagir a partir da segunda quinzena de fevereiro em termos de consumo e preço.

“Um fator que acaba trazendo uma sinalização positiva para o mercado do sul é que essa estiagem também atingiu a Argentina e o Uruguai. Esse conflito da Ucrânia e da Rússia também tem acelerado as compras da China, mas é claro que a gente tem uma dificuldade de transporte marítimo”, ressalta o secretário executivo.

Em relação à perda de produtores ele observa que não houve desistências acima da normalidade. “Vamos ter o dado exato quando a Emater fizer um novo levantamento. Talvez até ocorra uma diminuição um pouco maior de produtores até porque nesse momento tem um descompasso em termos de custo ou alimentação com o preço recebido”, enfatiza.

“Se a gente olhar os preços que o produtor recebe nesse ano comparado com o ano passado é maior, mas o custo de produção da indústria e do produtor também está muito alto. Então isso foi o que a gente mais sentiu e é claro que a estiagem é um problema a mais”, acrescentou Darlan.

Além disso, o secretário executivo frisa que a retomada das chuvas vem melhorando bastante as pastagens, no entanto, ele torce para que a geada não venha tão cedo, pois muitos produtores acabaram plantando a pastagem e o milho mais tarde. “Então se nós tivermos geada nos primeiros dias de abril, vai acabar sendo um complicador”, diz.

O diretor destaca que a expectativa é de que o ano de 2022 seja melhor do que foi o  último para o segmento, mas frisa que é preciso gerenciamento.

“Precisa-se trabalhar o gerenciamento da propriedade, já que a margem está na terceira casa do centavo. Isso representa um controle muito forte de custos, como também ter vacas que deem entre 25/30 litros. O produtor precisa aumentar o volume de produção para fazer frente a esse aumento de custo que não deve diminuir em 2022″, finaliza Darlan.

 

A preocupação com a falta de leite em pó nos Estados Unidos está crescendo e começa a ter sérias conseqüências, incluindo a hospitalização de quatro

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER