O seminário “Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Floresta: panorama, perspectivas e experiência”, realizado durante a 13ª Semana de Integração Tecnológica, contou com a participação do pesquisador da Embrapa e presidente da Associação Rede ILPF Renato Rodrigues.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

O seminário “Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Floresta: panorama, perspectivas e experiência”, realizado durante a 13ª Semana de Integração Tecnológica, contou com a participação do pesquisador da Embrapa e presidente da Associação Rede ILPF Renato Rodrigues. Na palestra, ele ressaltou uma meta que o Plano Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (Plano ABC), do Ministério da Agricultura, trouxe para o Brasil: atingir quatro milhões de hectares com o sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) entre os anos de 2012 e 2020. “Esta meta não só foi cumprida, mas foi superada. De 2010 a 2015, o sistema ILPF atingiu 11,5 milhões de hectares. E agora, em 2020, são 17,4 milhões de hectares”, disse Rodrigues. Ele destacou alguns dos principais benefícios do sistema ILPF: “pode ser adaptado por produtores pequenos, médios e grandes, em todos os biomas e em vários formatos; aumenta a produtividade; reduz riscos de produção; agrega valor aos produtos e aumenta a qualidade ambiental. O sistema também reduz a necessidade de abertura de novas áreas e promove a mitigação de emissões de gases efeito estufa”. Casos de sucesso O seminário abordou também casos de sucesso de transferência de tecnologia pela Embrapa Milho e Sorgo, em Minas Gerais. “As cooperativas têm um papel fundamental para a implementação das estratégias do sistema ILPF nas propriedades rurais”, disse o engenheiro agrônomo Fredson Chaves, da Embrapa Milho e Sorgo, moderador das palestras. De Unaí-MG, o engenheiro Rafael Vinícius e Silva falou sobre o papel da cooperativa para a implantação do sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) e seus resultados na propriedade rural, um caso da Cooperativa Agropecuária Unaí Ltda. (Capul). A região abriga uma significativa cadeia produtiva de leite e de gado de corte. Ele destacou a importância da ILP, da parceria entre os produtores rurais e da pesquisa agropecuária para o sucesso das atividades. Em seguida, foi apresentado o trabalho realizado por agricultores de Abaeté, cidade da região Centro-Oeste de Minas Gerais. Participaram o engenheiro agrônomo Sinval Resende Lopes, da Embrapa Milho e Sorgo, o técnico extensionista Fernando Cezar Couto, da Emater-MG, o gerente Sérgio Henrique Teixeira da Silva, do Sicoob Credioeste, e a produtora rural e empresária Conceição Aparecida Gomes. Eles abordaram o trabalho da transferência de tecnologia, acesso a crédito e os benefícios do sistema ILP na propriedade – Caso Abaeté. Sinval Lopes apresentou o projeto “Agricultura tecnificada como suporte à pecuária leiteira na região de Abaeté”. As atividades foram conduzidas pela Embrapa Milho e Sorgo, pelo Sicoob Credioeste e pela Emater Minas na Fazenda São Simão de Baixo. “O projeto busca a integração da pesquisa com a extensão rural e a participação da cooperativa e dos produtores. As tecnologias utilizadas foram a Integração Lavoura-Pecuária, a Recuperação de Pastagens Degradadas, o Controle Biológico de Pragas e o Manejo e a Conservação do Solo”, disse Lopes. Sobre o acesso ao crédito rural, Sérgio Teixeira ressaltou que o Siccob Credioeste tem feito um trabalho muito importante para conceder o crédito adequado no momento certo. O conhecimento sobre tecnologias agrícolas também contribui para a análise do crédito. Fernando Couto falou sobre o planejamento realizado para a recuperação da pastagem da Fazenda São Simão de Baixo. Na propriedade foi implantado o sistema ILP com sorgo e a braquiária BRS Piatã. Outras tecnologias utilizadas foram as Barraginhas e o Controle Biológico de Pragas com o Trichogramma. Este trabalho ganhou o prêmio “Destaque Melhor Inovação” da Emater Minas. “São premiados os melhores projetos de cada região”, disse Couto. O projeto foi divulgado nas mídias sociais da empresa e de lá chegou ao conhecimento das Organizações das Nações Unidas. A empresária Conceição Aparecida Gomes, proprietária da fazenda, foi entrevistada pela ONU e por outros veículos de comunicação. Ela considera que o produtor rural precisa conhecer as novas tecnologias. “A Embrapa, o Sicoob Credioeste e a Emater me auxiliaram no momento que eu mais precisava”, disse. Para assistir ao vídeo do Seminário ILPF no Canal da Embrapa Milho e Sorgo no YouTube, clique: https://www.youtube.com/watch?v=FCqVIdguNMY Dia de campo No dia de campo virtual com temas do Sistema ILPF, os palestrantes apresentaram três trabalhos realizados na Embrapa Milho e Sorgo: o “Sistema ILPF com ênfase no componente florestal”; o “Sistema ILP com ênfase na produção de grãos e silagem”; e a “Fase pastagem e a produção animal em sistemas integrados”. Para assistir ao vídeo do dia de campo ILPF no canal da Embrapa Milho e Sorgo no YouTube, acesse www.youtube.com/watch?v=nDV_Wdkx1sQ

O seminário “Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Floresta: panorama, perspectivas e experiência”, realizado durante a 13ª Semana de Integração Tecnológica, contou com a participação do pesquisador da Embrapa e presidente da Associação Rede ILPF Renato Rodrigues.

Na palestra, ele ressaltou uma meta que o Plano Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (Plano ABC), do Ministério da Agricultura, trouxe para o Brasil: atingir quatro milhões de hectares com o sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) entre os anos de 2012 e 2020.

“Esta meta não só foi cumprida, mas foi superada. De 2010 a 2015, o sistema ILPF atingiu 11,5 milhões de hectares. E agora, em 2020, são 17,4 milhões de hectares”, disse Rodrigues.

Ele destacou alguns dos principais benefícios do sistema ILPF: “pode ser adaptado por produtores pequenos, médios e grandes, em todos os biomas e em vários formatos; aumenta a produtividade; reduz riscos de produção; agrega valor aos produtos e aumenta a qualidade ambiental. O sistema também reduz a necessidade de abertura de novas áreas e promove a mitigação de emissões de gases efeito estufa”.

 

Casos de sucesso

O seminário abordou também casos de sucesso de transferência de tecnologia pela Embrapa Milho e Sorgo, em Minas Gerais. “As cooperativas têm um papel fundamental para a implementação das estratégias do sistema ILPF nas propriedades rurais”, disse o engenheiro agrônomo Fredson Chaves, da Embrapa Milho e Sorgo, moderador das palestras.

De Unaí-MG, o engenheiro Rafael Vinícius e Silva falou sobre o papel da cooperativa para a implantação do sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) e seus resultados na propriedade rural, um caso da Cooperativa Agropecuária Unaí Ltda. (Capul). A região abriga uma significativa cadeia produtiva de leite e de gado de corte. Ele destacou a importância da ILP, da parceria entre os produtores rurais e da pesquisa agropecuária para o sucesso das atividades.

Em seguida, foi apresentado o trabalho realizado por agricultores de Abaeté, cidade da região Centro-Oeste de Minas Gerais. Participaram o engenheiro agrônomo Sinval Resende Lopes, da Embrapa Milho e Sorgo, o técnico extensionista Fernando Cezar Couto, da Emater-MG, o gerente Sérgio Henrique Teixeira da Silva, do Sicoob Credioeste, e a produtora rural e empresária Conceição Aparecida Gomes. Eles abordaram o trabalho da transferência de tecnologia, acesso a crédito e os benefícios do sistema ILP na propriedade – Caso Abaeté.

Sinval Lopes apresentou o projeto “Agricultura tecnificada como suporte à pecuária leiteira na região de Abaeté”. As atividades foram conduzidas pela Embrapa Milho e Sorgo, pelo Sicoob Credioeste e pela Emater Minas na Fazenda São Simão de Baixo.

“O projeto busca a integração da pesquisa com a extensão rural e a participação da cooperativa e dos produtores. As tecnologias utilizadas foram a Integração Lavoura-Pecuária, a Recuperação de Pastagens Degradadas, o Controle Biológico de Pragas e o Manejo e a Conservação do Solo”, disse Lopes.

Sobre o acesso ao crédito rural, Sérgio Teixeira ressaltou que o Siccob Credioeste tem feito um trabalho muito importante para conceder o crédito adequado no momento certo. O conhecimento sobre tecnologias agrícolas também contribui para a análise do crédito.

Fernando Couto falou sobre o planejamento realizado para a recuperação da pastagem da Fazenda São Simão de Baixo. Na propriedade foi implantado o sistema ILP com sorgo e a braquiária BRS Piatã. Outras tecnologias utilizadas foram as Barraginhas e o Controle Biológico de Pragas com o Trichogramma.

Este trabalho ganhou o prêmio “Destaque Melhor Inovação” da Emater Minas. “São premiados os melhores projetos de cada região”, disse Couto. O projeto foi divulgado nas mídias sociais da empresa e de lá chegou ao conhecimento das Organizações das Nações Unidas.

A empresária Conceição Aparecida Gomes, proprietária da fazenda, foi entrevistada pela ONU e por outros veículos de comunicação. Ela considera que o produtor rural precisa conhecer as novas tecnologias. “A Embrapa, o Sicoob Credioeste e a Emater me auxiliaram no momento que eu mais precisava”, disse.

Para assistir ao vídeo do Seminário ILPF no Canal da Embrapa Milho e Sorgo no YouTube, clique: https://www.youtube.com/watch?v=FCqVIdguNMY

 

Dia de campo

No dia de campo virtual com temas do Sistema ILPF, os palestrantes apresentaram três trabalhos realizados na Embrapa Milho e Sorgo: o “Sistema ILPF com ênfase no componente florestal”; o “Sistema ILP com ênfase na produção de grãos e silagem”; e a “Fase pastagem e a produção animal em sistemas integrados”.

Valorização está relacionada ao forte aumento do custo de produção por conta da forte estiagem sofrida no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER