Considerado um verdadeiro pilar que gera renda à milhões de famílias e fornece alimentos para o mundo, o cooperativismo vem mantendo esforço conjunto para que a economia permaneça ativa
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Considerado um verdadeiro pilar que gera renda à milhões de famílias e fornece alimentos para o mundo, o cooperativismo vem mantendo esforço conjunto para que a economia permaneça ativa, mesmo diante a turbulência gerada pelo Coronavírus (Covid-19). No primeiro quadrimestre deste ano, a Cotriguaçu (Cooperativa Central) apresenta bons resultados, garantindo a prestação de serviços aos cooperados que dependem das atividades para continuar o trabalho no campo.

Em um balanço do desempenho acumulado neste ano, o presidente da Copacol, Valter Pitol, ressalta o serviço de industrialização e comercialização dos produtos por meio da Cotriguaçu, levando derivados de grãos e proteínas animais do oeste paranaense para mais de 60 países. “O quadrimestre foi excepcional. As exportações estão em ritmo forte e a Cotriguaçu está batendo recordes de embarques”, avalia Pitol.

Foram 300 mil toneladas, por mês, entre soja e farelo de soja das cooperativas comercializados pela Cotriguaçu. Pelo terminal do armazém graneleiro, em Cascavel, ocorreu o embarque de 40 a 50 mil toneladas de soja das cooperativas coirmãs. Além disso, foram moídas e industrializadas 10 mil toneladas de trigo, em Palotina, onde fica o moinho do grupo, – atingindo a capacidade. Também foram mais de mil contêineres de frango embarcados no terminal da Ferroeste, em Cascavel, rumo à exportação. “A Cotriguaçu está prestando bons serviços a terceiros, principalmente Paranaguá, mas também as cooperativas – automaticamente aos nossos cooperados, na moagem de trigo, embarque de contêineres e no embarque de soja”, explica Pitol.

Na Frimesa, com sede em Medianeira, onde são industrializados e comercializados os derivados de leite e a carne suína, nos quatro primeiros meses deste anos o saldo também é positivo. “Tivemos não apenas bons resultados, mas serviços excelentes prestados para atender as nossas integrações, principalmente de suínos e industrialização do leite”, complementa o presidente da Copacol.

Entre as metas da Frimesa neste ano está a habilitação do frigorífico de Marechal Cândido Rondon para exportar produtos para a China. “Ela aumentou de março para abril 50% das exportações, demonstrando que possui capacidade de atender outros países. Também continua os trabalhos de construção da indústria em Assis Chateaubriand, que deve iniciar o abate de suínos em 2023”, diz Pitol.

Entre as cooperativas centrais está também a Unitá, em Ubiratã, mantida pela Copacol e pela Coagru, que vem abatendo uma média de 350 mil frangos por dia, próximo da capacidade máxima, que é de 380 mil frangos/dia. “Tudo está ocorrendo dentro da normalidade, atendendo os cooperados. Temos as três centrais, prestando serviços à cooperativa, aos produtores, dando sustentação aos nossos negócios”, complementa o presidente da Copacol.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER