Segundo Associação Mineira dos Produtores de Queijo Artesanal, situação já impacta no preço nas nove regiões produtoras no estado.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Trabalhadores rurais e produtores de queijo artesanais das regiões do Alto Paranaíba e Centro-Oeste de Minas Gerais foram afetados pelas restrições impostas para conter a transmissão do coronavírus. Essa mudança gerou perda nas vendas, acúmulo de peças nas queijarias e demissões de funcionários. O produtor Alexandre Honorato, de Araxá, que venceu recentemente um concurso internacional de queijos na França, aumentou a produção para 200 peças por dia de queijo após a competição. Mas, as vendas pararam por causa da pandemia. Agora, as prateleiras já estão cheias há três semanas. Por isso, a fabricação e a venda dos queijos maturados, que são mais lucrativos, deixaram de ser prioridade.
 
“Os queijos maturados a venda zerou. De empório, queijo mais fino, não vende nada. Acredito que nós vamos vender queijos mais novos, um queijo com um valor menor e eu estou destinando um pouco da minha fabricação para queijo de maturação mais longa, o queijo que eu deixo maturar de 6 meses para frente, para tentar vender lá na frente”, explicou.
 
De acordo com o presidente da Associação Mineira dos Produtores de Queijo Artesanal (Amiqueijo), João Carlos Leite, por causa essas mudanças no comércio dos queijos, muitas propriedades mudaram a forma de renda para se manterem durante esse período. Ele ainda afirmou que a situação já impacta no preço nas nove regiões produtoras no estado.
 
“O preço do queijo é a oferta e demanda. Não tem demanda, a oferta está em alta, o preço cai. Nós estamos vivendo esse momento triste para nós produtores. Claro que nós estamos tomando nossas medidas, reduzindo a produção de queijos, baixando o preço, criando alternativas de venda on-line, para tentar sobreviver diante desse novo mercado.”
 
Para baixar os custos, o produtor Guilherme Ferreira, de São Roque de Minas, no Centro-Oeste do estado, também diminuiu a ração das vacas. A ideia agora é planejar o futuro para tentar se manter no mercado.
 
“Estamos garantindo a seca, picando milho para a silagem e firme e forte aqui tirando leite todo dia. Infelizmente tivemos que dispensar um dos funcionários para baixar custo e pra ele voltar pra casa também, porque ele era de fora. As prateleiras já estão cheias de queijo, estamos aguardando que tudo acabe bem e que todos possam voltar à normalidade”, disse Guilherme Ferreira.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER