Sob o comando do deputado Amauri Ribeiro (UB), a Assembleia Legislativa de Goiás realizou a primeira reunião deliberativa da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Leite.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
CPI do Leite híbrida

A comissão foi instaurada para investigar supostas irregularidades na cadeia produtiva. O encontro contou com transmissão, ao vivo, pela TV Alego.

Com o objetivo de esclarecer todos os questionamentos, os parlamentares aprovaram uma sequência de requerimentos. Um deles será destinado à Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg). O documento pede informações sobre os preços praticados entre os produtores e os comerciantes revendedores do produto.

Outro requerimento é destinado à Associação dos Pequenos Produtores de Leite (Aproleite). A solicitação, por sua vez, é que a associação forneça informações sobre a política de preços estabelecida com os fornecedores.

O colegiado também aprovou o envio de requerimento à Secretaria de Estado da Economia. Segundo Amauri Ribeiro, a pasta deverá fornecer todas as notas pagas por todos os membros da cadeia leiteira de janeiro a junho. “Vamos pegar essas notas e compará-las com as notas fornecidas pelo outro lado. O motivo dessa CPI é descobrir se houve uma formação de cartel entre os laticínios”.

Outros ofícios também serão encaminhados na tentativa de levantar informações sobre o comércio varejista do produto. A comissão solicitará, em todos os ofícios e requerimentos, os valores negociados em mercado entre de janeiro de 2021 a junho de 2022.

Durante a reunião, Amauri Ribeiro pediu celeridade da Casa no encaminhamento de ofícios aos laticínios e revendedores.

CPIs simultâneas

O presidente do colegiado também chamou a atenção para a realização de CPIs simultâneas nos estados do Mato Grosso e Minas Gerais. “O que está acontecendo lá nós estamos trazendo para cá e o que está acontecendo aqui eles estão levando para lá. Trata-se de uma troca de informações, pois os laticínios e estabelecimentos atacadistas e varejistas são os mesmos nesses três estados”.

E continuou: “Os produtores estão sofrendo com os preços pagos mediante o alto custo de produção. Quem está tendo prejuízo é o produtor que recebe um valor inviável, além do consumidor que está pagando um alto preço no supermercado”.

Em entrevista à Agência Assembleia de Notícias, o presidente da CPI ressaltou que, atualmente, Goiás tem cerca de 70 mil produtores de leite e que muitos estão abandonando a produção pela inviabilidade dos preços baixos pagos pelos laticínios, sem justificativa. “Muitos estão passando por dificuldades e o nosso objetivo é descobrir o que motiva esses preços baixos injustificados”, frisou o parlamentar, ainda durante o primeiro encontro do colegiado.

Ao todo, dez parlamentares fazem parte da comissão, sendo cinco titulares e cinco suplentes. Além do presidente, Amauri Ribeiro, são titulares os seguintes: o relator, deputado Delegado Eduardo Prado (PL); Delegado Humberto Teófilo (Patriota), Karlos Cabral (PSB) e Wilde Cambão (PSD). Já os suplentes são os parlamentares Dr. Antonio (UB); Rubens Marques (UB), Paulo Cezar Martins (PL), Wagner Camargo Neto (PRTB) e Francisco Oliveira (MDB).

O rigoroso controle de custos e as melhorias de produtividade permitem que a Danone compense até certo ponto o aumento dos custos.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER