Institucionalizado em 1965 com a finalidade de custear despesas próprias do fluxo produtivo agropecuário, investir em bens e serviços duráveis e apoiar os processos pós-produção/comercialização.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Institucionalizado em 1965 com a finalidade de custear despesas próprias do fluxo produtivo agropecuário, investir em bens e serviços duráveis e apoiar os processos pós-produção/comercialização, o crédito rural atua como sendo aquele investidor que toda empresa sonha em ter para melhorar e, consequentemente, aumentar a sua produção.

Podemos dizer que a história de vida dos produtores rurais no Brasil deve ser contada em antes e depois da criação do Crédito Rural.

Não há dúvidas de que este aporte criado a mais de 50 anos é um divisor de águas na vida dos homens e mulheres do campo, que por toda sua existência dedicaram esforços próprios (não só no quesito mão-de-obra) para produzir os alimentos que chegam até as mesas dos brasileiros.

O crédito rural impacta a cadeia produtiva do leite através da viabilização de recursos para a realização de investimentos necessários na obtenção dos resultados esperados durante o ciclo produtivo.

Vamos considerar aqui quais seriam os principais itens e fatores responsáveis por garantir melhorias e, consequentemente, o aumento da produção de leite em uma fazenda:

  • Aquisição de matrizes com genética de procedência;
  • Melhorias das condições nutricionais e fitossanitárias da pastagem;
  • Mecanização da ordenha;
  • Divisão das mangas em piquetes;
  • Aquisição de insumos como, alimentos concentrados, aditivos e sal proteinado para o fornecimento às vacas e bezerros;
  • Melhorias das instalações do curral;
  • Melhorias das instalações da sala de ordenha para o cumprimento das normas de higiene;
  • Aquisição de equipamentos próprios para armazenagem do leite, dentre outros.

Alguns de vocês vão achar que faltaram neste artigo itens e/ou fatores que são ainda mais relevantes que os descritos acima, já outros que, eu poderia ter dispensado algum desses que foi citado e, quanto a isso, tá tudo bem, mas em uma coisa todos nós vamos concordar: para investir em melhorias, as descritas acima ou não, é preciso dinheiro, capital, recurso financeiro, chamemos, cada um, do que quiser. E é exatamente aí que surge o Crédito Rural, que age como um fomentador de avanços e prosperidade da atividade leiteira, com a viabilização do capital que garante as aquisições e implementações das práticas garantidoras dessas melhorias, através dos bancos e cooperativas de crédito atuantes neste mercado.

Quando bem direcionado, o Crédito Rural promove transformações positivas na vida dos produtores de leite ao viabilizar a introdução de tecnologias na fazenda, ou até mesmo a adoção de novas técnicas por meio das melhorias realizadas na infraestrutura que está diretamente relacionada à produção do leite, contudo, embora disponível a mais de cinco décadas, muitos são os produtores de leite que desconhecem o caminho para acessar os recursos do Crédito Rural.

Por se tratar de um financiamento diferente dos demais, para se beneficiar desta linha de crédito não basta ir a uma agência comum de qualquer banco e solicitar ao gerente uma carta de crédito. Antes é necessário procurar um Consultor Projetista ou Agente de Crédito Rural, como também é conhecido.

Mas antes de falar sobre esse ator importante, é válido pontuar que, dentre a enorme variedade de instituições financeiras existentes no Brasil, aproximadamente 10, apenas, operacionalizam os recursos do Crédito Rural, dentre elas se destacam bancos de amplitude federal como Banco do Brasil S.A e Caixa Econômica Federal, bancos regionais como Banco do Nordeste do Brasil S.A. e Banco da Amazônia S.A., mais conhecido como “Banco Basa” e cooperativas de crédito como Sicredi e SICOOB.

Sabendo disso, aqueles produtores de leite que são clientes de alguma dessas instituições financeiras que emprestam dinheiro do Crédito Rural e que desejam informações sobre esse programa, não só podem como devem conversar com o gerente do banco que ele é cliente ou com aquele funcionário da agência que ele já conhece e sempre resolve suas questões quando surge um probleminha, entretanto é importante entender que, quem vai auxiliar o produtor e de fato, viabilizar a solicitação do financiamento, é o Consultor Projetista.

Os funcionários das agências, sejam eles gerentes ou não, possuem informações importantes para compartilhar, como por exemplo, se esse produtor está com o cadastro devidamente atualizado no banco, ou se existe algum apontamento que indique a necessidade de fazer ajustes. Sem falar que a agência pode ainda apresentar os Consultores Projetistas que são cadastrados para atender os produtores daquela região, o que vai poupar ao produtor bastante tempo, entretanto é importante compreender que, é através do Agente de Crédito Rural que se tornará possível usufruir desse benefício.

O papel do Consultor Projetista vai além da elaboração do projeto em si, esse profissional irá agir como um mediador entre o banco e o produtor rural, lidando com as burocracias, fazendo com que o produtor continue na Fazenda dedicado ao que ele sabe fazer de melhor, ou seja, gerir a produção do leite!

Antes mesmo de solicitar o financiamento, o Consultor fará com que o produtor se torne apto a acessar os recursos do Crédito Rural, verificando a documentação do imóvel rural e do próprio produtor que é exigida pelas instituições e fornecendo orientação quando houver necessidade de realizar adequações. O Consultor projetista também irá apresentar ao produtor de leite as linhas de crédito que melhores se encaixam ao perfil dele, além das condições do financiamento como taxas de juros, prazos e período de carência. Outra responsabilidade desse profissional, e não menos importante, é realizar a visita técnica no imóvel rural do produtor e contribuir na identificação das possibilidades de investimento que poderão trazer melhorias à atividade do leite, como também realizar orientações sobre a aplicação do crédito. E por fim, o Consultor Projetista também é responsável por elaborar o Projeto Técnico que será entregue ao banco pleiteando o recurso que será aplicado na fazenda.

Bem, agora sabemos o que é o Crédito Rural, como ele pode ser benéfico para os produtores de leite e que, para acessa-lo é necessário buscar instituições financeiras que sejam operacionalizadoras desses recursos e dialogar com um bom Consultor Projetista; a minha dica é que, o produtor pesquise na sua região quais desses bancos e/ou cooperativas de crédito estão oferecendo melhores condições como, taxas de juros e tempo do financiamento, além de buscar referências sobre Consultores Projetistas que se destacam na região com resultados como, responsabilidade no acompanhamento das solicitações dos financiamentos junto aos bancos, pontualidade na entrega das propostas de crédito (Projeto) e bom relacionamento com as agências, dessa forma o produtor garante uma boa experiência ao ter o financiamento liberado, sem se preocupar com as exigências e burocracias dos bancos, uma vez que estará sendo bem assessorado.

Sabendo da importância do benefício ao produtor, o EducaPoint está lançando uma imersão em crédito rural, onde explica conceitos voltados ao crédito rural e como elaborar um projeto dentro dos critérios para conseguir o recurso.

A imersão contará com encontros ao vivo, possibilitando que os alunos tirem dúvidas com a instrutora e autora deste texto, Raquel Morael. Saiba mais e participe!

O Ministro da Agricultura, Pecuária e Pesca da Nação, Julián Domínguez, realizou uma reunião bilateral com seu homólogo brasileiro, Marcos Montes Cordeiro.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER