Produção leiteira é hoje maior do que a capacidade industrial de beneficia-la. Uma saída é a exportação. Outra é a indústria passar a produzir, também, queijo muçarela.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
pecuária cearense
Produção de leite bovino no Ceará está hoje acima da capacidade da indústria de beneficia-la Foto: Honório Barbosa / Diário do Nordeste

Há, neste momento, um problema grave na pecuária cearense, que é o mesmo que castiga a dos demais estados produtores de leite bovino: o aumento da produção com a queda do consumo.

Há mais oferta de leite do que a capacidade instalada da indústria para beneficiá-lo.

Resultado: o preço pago pelos industriais aos produtores está sendo reduzido.

Ao mesmo tempo, para evitar o desperdício do que sobra, a indústria e os lacticínios artesanais estão a produzir mais queijos.

Esta coluna pode informar que a Betânia Lácteos – hoje denominada Alvoar, fruto de sua fusão com a mineira Embaré – tem planos de produzir queijo muçarela, o preferido de 10 entre 10 pizzaiolos do Ceará e do resto do país.

Mas isso exige investimento, e investir agora, no instante em que o país se prepara trocar o governo, é dar um tiro no escuro ou no próprio pé.

Mas há outro sério e crescente gargalo, que é a livre entrada de queijo vindo de vários estados do Nordeste e do Norte, principalmente do Pará.

“Esse queijo vem no bagageiro dos ônibus ou no porta-malas de automóveis, é descarregado na Praça São Sebastião e daí é distribuído para o comércio de Fortaleza, incluindo supermercados, sem qualquer inspeção sanitária, o que quer dizer que a saúde da população cearense está em risco”, como denuncia um laticinista.

Há uma saída à vista: a exportação, mas esta é uma alternativa que não prospera, uma vez que há lobbies nacionais e estrangeiros contrários à ideia.

Não obstante, a Alvoar – ou seja, a Betânia e a Embaré – esforça-se no sentido de obter do Ministério da Agricultura autorização para exportar seus produtos, principalmente o leite em pó, em cuja produção a Betânia investiu em sua unidade fabril de Morada Nova, considerada a mais moderna do país, inaugurada em outubro do ano passado.

O presidente do Sindicato da Indústria de Lacticínios do Ceará, José Antunes Mota, que, com a marca Cambi, produz queijo de cabra, queijo coalho, requeijão e queijo curado, diz à coluna que, “realmente, há uma superprodução de leite bovino, algo que a indústria não tem como absorver diante de sua hoje limitada capacidade de beneficiamento”.

De Lisboa, onde se encontra, o agropecuarista Luiz Girão, fundador do Grupo Betânia, transmite uma informação, obtida de “pessoas que circulam muito perto de Elmano Freitas”, segundo a qual o governador eleito está muito interessado em incentivar a pecuária leiteira nos assentamentos do MST e nas áreas da agricultura familiar, pois é uma atividade que pode gerar renda e trabalho, desde que seja oferecida assistência técnica aos assentados.

“É uma boa ideia e vamos esperar que ela avance”, diz Girão.

Na cadeia produtiva do leite – é o que esta coluna ouviu ontem de dois produtores e de um laticinista – “só quem não perde dinheiro é o supermercado”, e esta assimetria não contribui para o encaminhamento da solução da questão.

Todavia, todos concordam que a rede comercializadora do leite e seus derivados – da qual o supermercado é peça essencial – deve ser preservada, pois é por meio dela que a produção ou a superprodução é escoada.

Luiz Girão sugere que se unam a Federação da Agricultura do Ceará (Faec), os produtores e a indústria de leite para a promoção de uma campanha que motive o cearense a consumir queijo e outros lacticíniosdo Ceará.

O presidente da Faec, Amílcar Silveira, revela que, há alguns meses, a entidade promove, com os organismos competentes do governo, um esforço no sentido de qualificar as queijarias do Vale do Jaguaribe, que alcançaram um grau relevante de tecnologia.

“Elas ganharão o selo de qualidade da inspeção sanitária, primeiro passo para que os produtos de todo o setor alcancem o nível de confiabilidade que desejamos”, diz Silveira.

Boletim de Preços
Informe com análise e acompanhamento das variações de preços de indicadores de interesse da cadeia do leite.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER