A empresa francesa enfrenta queda no volume de vendas e reclama de preços regulados. A equipe local tem até meados de 2021 para ajustar a empresa.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A empresa francesa enfrenta queda no volume de vendas e reclama de preços regulados. A equipe local tem até meados de 2021 para ajustar a empresa.

A empresa francesa Danone, líder em iogurtes, queijo cremoso e água mineral, está analisando se deve continuar na Argentina. A avaliação vai durar até meados de 2021. Naquele momento, a empresa mãe decidirá se a operação local continuará, se procurará parceiros para melhorá-la ou se iniciará o processo de alienação de seus ativos.

“Estamos na Argentina há 25 anos, então sabemos que é uma montanha-russa”, Emmanuel Faber, presidente e CEO da Danone, explicou aos investidores quando falou de uma possível saída do país. Suas palavras levaram os fornecedores e clientes da Danone (tais como supermercados ou varejistas) a descobrir pelos executivos locais qual será o futuro da empresa. A resposta que encontraram é que tudo está em estudo, mas a conclusão será na primeira metade de 2021.

A queda no volume de vendas e a vinculação de “preços máximos” são mencionados pelos executivos locais, como obstáculos. Segundo o Clarín, este é o resultado de conversas que a Danone manteve com vários parceiros.

“Estamos reorganizando e remodelando a forma como trabalhamos na Argentina, com o objetivo de sair desta crise mais forte do que antes. Hoje não acho que vamos sair da Argentina, sair seria a última decisão (….), de acordo com Faber. “A equipe local não esperou para realizar uma reestruturação radical. Mas a questão é que na macroeconomia argentina vemos tração suficiente nos próximos três anos, dois anos, 18 meses para criar a conexão entre nosso negócio argentino e o que eu penso ser necessário neste mundo do Covid-19, que é concentrar nossos esforços”, disse ele.

Mas a Danone espera que os “esforços” levem a um certo caminho de rentabilidade. “O objetivo é o mais importante e tem que ser oportunidades para o crescimento sustentado. É por isso que não estou dizendo que a Argentina vai ser vendida. Mas vamos rever várias opções. Temos parceiros lá. O que temos que garantir em breve é chegar a uma conclusão sobre (o que fazer) com esse ativo em particular”, disse o CEO francês.

A Danone iniciou uma parceria com a Arcor em Bagley, para seu negócio de biscoitos. Mais tarde, Bagley e Arcor também entraram no pacote de ações da Mastellone, o fabricante de La Serenissima. A Danone tem tido uma relação comercial com a Mastellone desde o início do país e várias vezes a ajudou com uma injeção de dólares, em troca de manter diferentes negócios (como sobremesas) ou seu sistema de distribuição.

Os balanços da Danone na Argentina têm sido diferentes dos do resto do mundo desde 2014. A partir desse momento, parâmetros inflacionários elevados levaram a empresa-mãe a tratar a contabilidade de suas receitas argentinas de forma diferente do que o resto de suas operações internacionais. Esta situação foi superada em 2017, quando parecia que a filial local estava voltando ao normal, e havia até mesmo números de crescimento.

Mas, em 2018, o balanço foi novamente modificado pela alta inflação e a Argentina se ajustou novamente, encontrando dentro dos países com alta inflação, outras subsidiárias de multinacionais também adotaram este esquema contábil.

Com uma queda nas vendas de 2018 a 2020, a Danone também teria ficado com excesso de pessoal, de acordo com as estimativas dos executivos da empresa. Espera-se que seus 6.000 trabalhadores cresçam em vendas. Agora, eles entendem que poderiam operar com menos 1.000.

A Danone sempre foi supervisionada por algum executivo francês. E os sucessos locais sempre foram a plataforma para os executivos argentinos migrarem para outras operações maiores e mais bem-sucedidas. Nesta fase, tudo é local e os que dirigem a operação são argentinos.

Como todas as empresas de consumo em massa, a Danone recorre à Secretaria de Comércio Interno para solicitar aumentos. Para o governo, os executivos da empresa lhes disseram que o consumo de laticínios e água mineral caiu (eles lhes disseram até 40%), o que eles precisam equilibrar com preços mais altos para seus produtos, eles disseram.

O outro negócio da Danone é a nutrição, com alimentos específicos, mas a maior parte é laticínio e água. O Yogurísimo é sua marca principal na primeira categoria, enquanto o Casamcrem é seu tanque em queijos creme. Em águas minerais, têm Villavicencio e Villa del Sur.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER