Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Imagine uma vaca parindo com privacidade sem a presença de humanos e preservando sua intimidade, a bezerra depois sendo acolhida com garantia do colostro da mãe e, ao longo da vida útil, os animais sendo submetidos até a massagens e carícias. Essas e outras experiências não são meros mimos. Claro, o bem estar animal é regra na Fazenda Boa Fé, por vocação, mas a utilidade chega diariamente na soma de quase 11 mil litros de leite por dia.

É negócio – e muito bem calculado. As 360 reses em lactação, entregando cerca de 29 litros/dia, também muito pouco adoecem, o que corta custo importante com medicamentos do Grupo Araunah. Junto a um sistema de economia circular, onde parte do milho, da soja e a quase totalidade da aveia vão para os cochos – e depois o rebanho devolve os dejetos, após compostados, às lavouras.

Como as culturas da empresa mineira são 100% pelo sistema de plantio direto na palha, cuja técnica corta em muito o uso de agroquímicos (fertilizantes e defensivos), a vacada leiteira girolanda da família de Jonadan Ma também se beneficia de alimentos sustentáveis.

“O conceito do nosso grupo é esse, cuidando do ambiente, da saúde e apresentando resultados concretos”, explica o diretor geral, na 3º geração familiar (após a fundação do grupo, há 60 anos, pelo pai Ma Shou Tao). A Fazenda Boa Fé fica em Conquista, no Triângulo Mineiro, e lá se concentram as quatro unidades de negócios: produção agrícola e leiteira/genética, produtos biológicos para lavouras, tecnologia em irrigação e biosseguridade animal, além de produtos alimentícios naturais com marca própria.

Certificação

No caso do gado leiteiro, a produção tem agora o Certificado de Bem-Estar Animal, dentro do Programa Beba Mais Leite, cuja auditoria foi da neo-zelandesa QConz, e consolida a fama e a tradição da Fazenda Boa Fé em produção sustentável. Já em 2018 foi objeto de premiação pela revista Dinheiro Rural.

Jonadan Ma, ao desfiar os cuidados com o gado – abolição do hormônio que aumenta a produção das vacas, garantia livre de sombra, água e comida (com algum controle para evitar a engorda demasiada) e, entre outros, apartação dos animais dominantes -, lembra ainda que ao sistema intensivo, em 25 hectares de pastos, agrega-se 38 pelo sistema Integração, Lavoura, Pastos e Floresta (ILPF).

“Ainda temos desafios, porque perseguimos cada vez mais a busca de tecnologias que façam com que dependamos cada vez menos de tecnologias de terceiros, o que também vale para a agricultura”, afirma o diretor geral do Araunah, hoje presidente da Federação Brasileira de Plantio Direto e Irrigação e também da Confederação das Associações Americanas de Agricultura Sustentável.

Com mais de 3 mil hectares, em uma propriedade que já foi pioneira também na cana plantada direto na palha (a cultura foi abandonada em 2017 pela baixa rentabilidade), a Boa Fé da família sino-brasileira Ma pratica a sustentabilidade e ganha dinheiro de boa fé, parafraseando o nome da sede que não foi escolhido aleatoriamente.

Segundo Ma, foi de propósito, pensando no conceito do modelo gerido desde o começo, mesmo que a pratica empregada, em todas as frentes de negócios, leve mais tempo para ser dominada e oferecer rentabilidade do que a pecuária e a agricultura tradicionais.

 

Os empresários mexicanos que se dedicam ao negócio do queijo e laticínios têm enfrentado uma situação difícil nos últimos meses.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER