No primeiro semestre do ano, o mercado internacional de lácteos foi fortemente marcado pela intensidade da demanda da China, acompanhada pela estabilidade no crescimento da produção nas principais regiões exportadoras.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
No primeiro semestre do ano, o mercado internacional de lácteos foi fortemente marcado pela intensidade da demanda da China, acompanhada pela estabilidade no crescimento da produção nas principais regiões exportadoras. Consequentemente, preços significativos foram exibidos em relação aos preços históricos. Nas condições atuais, a expectativa é de que não haja grande variabilidade de preços no restante do ano, de acordo com relatório divulgado pela Inale sobre o comércio global de lácteos.

No entanto, existem vários fatores de incerteza que devem ser mencionados.

Em primeiro lugar, dois fatores que afetam o mercado internacional de lácteos que podem afetar, principalmente o leite em pó: uma desaceleração das importações da China e uma boa primavera na Nova Zelândia.

Há outros aspectos gerais que também estão em jogo: a crise da Covid-19 não foi resolvida com o surgimento de novas variantes, a evolução do preço do petróleo, a evolução do dólar e as tensões geopolíticas.

A China parece estar bem abastecida. O aumento dos estoques diminuiria a demanda por importação para o segundo semestre. A oferta global tende a exceder a  demanda e os preços dos lácteos apresentam alguma pressão de baixa. Mas espera-se que não apresentem mudanças significativas no restante do ano. No curto prazo, os fatores de incerteza continuam presentes: nova variante de covid-19 versus avanços na vacinação; pacotes de estímulo; volatilidade do dólar; preços do petróleo; aspectos geopolíticos.

No Brasil, o alto preço ao produtor e a queda na produção favorecem as importações (+49% aumentam as importações). O ano passado foi um ano de baixas importações, o que explica parte do aumento nos primeiros meses de 2021.

Nos primeiros cinco meses de 2021, as importações de produtos lácteos da China cresceram 17% ao ano, para US $ 6,4 bilhões. Houve aumento nos volumes importados de uma ampla gama de produtos, incluindo leite fluido, em pó e soro de leite.

Esse impulso de importação da China está sendo aproveitado pelo Uruguai. Entre janeiro e julho, o Uruguai exportou lácteos para a China por US $ 94,6 milhões, quase quadruplicando as vendas do mesmo período de 2020, quando esse fluxo comercial havia sido de US $ 24,3 milhões. O volume embarcado inclui 25.600 toneladas de leite em pó integral a um valor médio de US $ 3.420 por tonelada, com aumento de 316% no volume e 8% no valor médio. Além disso, foram incluídas neste ano 450 toneladas de leite em pó desnatado, produto que não havia sido vendido para este destino nos primeiros sete meses de 2020.

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER