Semana passada houve protesto de produtores na região de Nova Andradina. Eles chegaram a jogar produtos fora e paralisaram a entrega na indústria daquela região.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Conselho é importante para estabelecer referência e um valor justo para o produtor e a indústria, diz Marçal - (Foto: Reprodução Alems)

O deputado estadual Marçal Filho (PSDB) solicitou ao governador Reinaldo Azambuja a reativação do Conseleite (Conselho Paritário de Produtores e Indústrias de Leite) e a redução do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), para o setor do leite em Mato Grosso do Sul.

Com a desativação do Conseleite, os produtores do leite no Estado têm encontrado dificuldades com a formação do preço na hora de entregar o produto nos laticínios. Nos últimos anos, a cadeia produtiva tem ficado à mercê da indústria e sem uma tabela regulamentar, pecuaristas têm questionado o valor pago no leite cru (in natura).

Semana passada houve protesto de produtores na região de Nova Andradina. Eles chegaram a jogar produtos fora e paralisaram a entrega na indústria daquela região.

Pecuaristas procuraram o deputado Marçal e reivindicaram o retorno do Conseleite e a redução do ICMS, para que o leite possa ser encaminhado com vantagem para laticínios de estados vizinhos, como São Paulo e Paraná.

As reivindicações foram encaminhadas pelo deputado ao governador Reinaldo. Para Marçal, o Conseleite é de fundamental importância, já que estabelece preços de referência e um valor justo para a remuneração da matéria-prima do leite, tanto para os produtores rurais quanto para as indústrias.

Dar maior transparência ao mercado lácteo sul-mato-grossense, conforme Marçal Filho, é importante para criar mecanismos de parâmetro ou referência para a livre negociação entre produtores rurais e indústrias.

Fonte de proteínas, a ricota é preparada com o soro do queijo e possui menos gordura se comparada com os outros tipos.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER