No desafio diário de alimentar sua população de 1,4 bilhões de habitantes, a China constrói unidades produtivas de elevada eficiência em todas as áreas. Mas, impressiona o desenvolvimento do setor lácteo, que é uma categoria bastante sofisticada.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

No último Global Dairy Top 20 do Rabobank, duas empresas chinesas ocuparam a 8ª e a 10ª posição no ranking, disputando espaço com as tradicionais ocidentais, Nestlé, Lactalis, Danone e Fonterra. Em 2010, a Mengniu estava na 16ª colocação, e a Yili na 17ª. Grande desempenho em uma área de tanta concorrência, onde gigantes como a Parmalat e Land O’Lakes ficaram pelo caminho, ou a própria Dean Foods que pediu falência nesta semana.

A China incentivou a modernização não só do setor industrial, mas, também a produção primária. E, hoje, os rebanhos são confinados em galpões, e o tamanho do produtor é medido pelo número de coberturas. As indústrias procuram administrar as fazendas fornecedoras do seu leite, para garantir qualidade, principalmente, depois dos escândalos da melamina, em 2008, quando bebês começaram a ser internados com problemas renais, e pouco tempo depois milhares deles, muitos em estado grave, morreram ou adquiriram danos permanentes. Esse escândalo foi um golpe para a indústria laticinista, que passou a ser vista com desconfiança pelos consumidores chineses.

O governo estabeleceu normas mais rígidas de controle para a cadeia láctea, e punições severas a quem atentasse contra a saúde pública. Por isso é admirável essa determinação de recuperar um setor arrasado.

Hoje a tendência é de terem mega-fazendas, apesar das críticas de ambientalistas, como a da Modern Farming, onde os parâmetros de produção e qualidade são competitivos ao nível mundial. A produção animal no pico de lactação das vacas fica entre 50 e 60 litros de leite. A média diária é de 32,5 litros/dia/animal. A automação está presente não apenas na ordenha e embalagem do leite, mas, também na distribuição de forrageiras para os animais.

O controle da acidez é feito diariamente, e o pH varia entre 6,4 e 6,8. Há testes diários também sobre a presença de metais pesados.

A composição média do leite é de 3,4% de matéria gorda, e 3,12% de proteína.

Tanta dedicação se justifica, e vem sendo respondida com o aumento do consumo e aumento da confiança dos chineses em sua própria indústria. O consumo aumentou de 8,8 litros per capita/ano em 2005, para 20,3 litros per capita/ano, em 2017.

A preocupação com a falta de leite em pó nos Estados Unidos está crescendo e começa a ter sérias conseqüências, incluindo a hospitalização de quatro

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER