Compostos lácteos não podem ser chamados de leite pois possuem em sua composição uma mistura de leite (de acordo com a legislação, cerca de 51% no mínimo) e de ingredientes como óleos vegetais, leite reconstituído
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

NÃO É LEITE, MAMÃES! Compostos lácteos não podem ser chamados de leite pois possuem em sua composição uma mistura de leite (de acordo com a legislação, cerca de 51% no mínimo) e de ingredientes como óleos vegetais, leite reconstituído, canola, soja, açúcar e outras substâncias químicas que influenciam no sabor e aroma, por exemplo.

Sua embalagem pode ser facilmente encontrada na seção de leite em pó, pois em seu rótulo chamativo, dizeres destacando alguns componentes do produto como “fonte de cálcio, ferro e zinco” são vistos de longe, atraindo a atenção de mães e pais que acabam comprando o produto achando que será o melhor para seu filho.

Ainda que este produto seja recomendado por muitos pediatras para crianças a partir de um ano de idade, ele só é indicado em casos extremamente especiais quando a criança apresenta algum tipo de problema que a impeça a digestão normal do leite.

Em outros casos, quando a amamentação não é possível, ainda que não seja o ideal, é muito mais indicado fazer uso das fórmulas infantis e fórmulas de seguimento do que o composto lácteo. As fórmulas são alimentos artificiais substitutos do leite materno e, embora não seja possível reproduzir artificialmente todos os benefícios e proteção proporcionados pela amamentação, elas são desenvolvidas especialmente para nutrir as necessidades do bebezinho quando o aleitamento materno não é possível. Por isso, não confunda: FÓRMULA TAMBÉM NÃO É COMPOSTO LÁCTEO!

IBFAN (Rede Internacional em Defesa do Direito de Amamentar – International Baby Food Action Network) realizou em 2017 um novo monitoramento para garantir o cumprimento da legislação que visa proteger o direito à amamentação no Brasil (chamada NBCal, ou Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes e Crianças de 1ª Infância, Bicos, Chupetas e Mamadeiras), encontrando a partir de tal monitoramento cerca de 46 infrações à legislação envolvendo o comércio e uso de compostos lácteos.

Em suma, as infrações envolviam a veiculação das propagandas do produto que não possuíam a frase de advertência exigida pelo Ministério da Saúde alertando que o produto não substitui o aleitamento materno e não é recomendado para determinadas faixas etárias. Porém, o grande problema que serve de caminho para que as marcas encontrem brechas na lei é o fato de a NBCal não ser clara em relação ao composto lácteo, já que se trata de um produto à base de leite, mas que não é necessariamente leite.

Justamente a falta de clareza a respeito do composto permite que grandes marcas discordem que existam tais irregularidades, resultando, assim, na continua venda dos compostos lácteos com rótulos confusos e enganosos para o consumidor, que muitas vezes o compra acreditando tratar-se de leite em pó.

Mas Dra. Kelly, nesse caso o composto lácteo é recomendado ou não?

De acordo com nutricionistas e pesquisadores do Instituto de Saúde de São Paulo e do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), o uso deste produto é considerado desnecessário. Eles ainda afirmam que o composto lácteo é um produto ultraprocessado, ou seja, uma fórmula criada com ingredientes que não são adequados para a alimentação infantil, como o açúcar. Além disso, segundo o levantamento da Ibfan, alguns compostos lácteos contêm maltodextrina, um tipo de açúcar com alto índice glicêmico e calórico que pode contribuir até mesmo para a obesidade infantil.

Agora, para que fique clara a diferença entre o composto lácteo, as fórmulas infantis e de segmento e o leite em pó, vamos resumir:

  • LEITE EM PÓ: Produto obtido por meio da desidratação do leite da vaca, deve conter somente compostos próprios do leite. Não é indicado para crianças menores de 1 ano.
  • FÓRMULA INFANTIL: Alimento artificial indicado para bebês recém-nascidos até os 6 meses de idade quando não é possível que ocorra a amamentação ou ela é insuficiente. O órgão responsável pela regulamentação e aprovação das fórmulas infantis é a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), e segue criteriosas exigências.
  • FÓRMULA DE SEGMENTO: Alimento artificial para bebês de 6 meses a 1 ano quando não é possível que ocorra a amamentação ou ela é insuficiente.
  • COMPOSTO LÁCTEO: Resultante da mistura de leite e outros ingredientes lácteos e não lácteos, possui também açúcar e aditivos alimentares. Não é indicado para crianças menores de 1 ano. O órgão responsável pela regulamentação e aprovação dos compostos lácteos é o MAPA (: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil).

Sei que nem sempre é uma escolha fácil, ainda mais quando recomendado por seu pediatra de confiança, mas é preciso avaliar todos os pontos positivos e negativos, afinal estamos falando da saúde de seu filho, e não existe nada mais importante que isso.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER