Atento à situação do setor lácteo gaúcho, o candidato a governador do Estado, Eduardo Leite (PSDB), esteve reunido, nesta quarta-feira (26/10), com associados e a diretoria do Sindilat na sede de seu comitê em Porto Alegre (RS).
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Leite
Eduardo Leite sinaliza compromisso com produção de leite

Recebendo lideranças de indústrias que representam 85% da produção de laticínios do RS, ele reforçou seu apoio e atenção ao segmento, que gera renda em 451 dos 497 municípios gaúchos.

Durante o encontro, os empresários apresentaram sugestões e projetos a serem estudados para favorecer a competitividade do RS. No topo da agenda, está a necessidade de revisão do Fator de Ajuste de Fruição (FAF), a fim de diminuir a perda de competitividade do leite UHT, queijos e demais derivados.

“Estou comprometido em buscar alternativas e recebo as demandas do setor com a consciência de todos os impactos que gera na cadeia produtiva, no consumo e no conjunto da economia. Contem comigo para analisarmos as ações necessárias para os desafios apresentados”, afiançou Eduardo.

Acompanhado pelos associados, o presidente do Sindilat, Guilherme Portella, detalhou ações e medidas que podem auxiliar na ampliação do consumo de leite, na melhoria do mercado e de toda a cadeia produtiva e colocou o setor à disposição para construir uma agenda positiva de crescimento econômico para o Estado.

Entre as sugestões estão o incentivo por parte do Governo Estadual de políticas públicas para a produção de insumos em solo gaúcho e para a criação de programa de aquisição de leite a fim de atender a escolas e promover complementação alimentar nos programas de Assistência Social.

Lideranças ainda pediram a ampliação da rede trifásica de energia no atendimento ao setor leiteiro, a melhoria de acesso à internet e à irrigação.

Ainda foi citada a criação de um programa junto às empresas para aumentar a captação de leite no Rio Grande do Sul e fixar as famílias no campo.

Outra demanda apresentada ao candidato foi para que a adoção de certificação de propriedades rurais livres de tuberculose se torne um programa de Estado.

Lideranças da indústria de laticínios ainda pediram que, se eleito, nos primeiros dias do governo, Leite crie espaço para dialogar com o setor e receber suas prioridades.

“Agradecemos a acolhida das nossas demandas que são parte do que o setor precisa para trabalhar e produzir mais, com qualidade e competitividade, buscando consolidar um ambiente mais favorável e estável para a produção”, destacou Portella ao final do encontro.

Ano de 2021 terminou com dificuldades para os laticínios, mas cenário piorou durante 2º semestre de 2022.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER