Produtores de leite de seis estados brasileiros participaram do debate para expor situações, dificuldades e propor um plano de apoio ao setor
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

Produtores de leite de seis estados brasileiros participaram do debate para expor situações, dificuldades e propor um plano de apoio ao setor

Dando sequência a série de lives promovida pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), com apoio da subcomissão do leite na Câmara dos Deputados, foi ao ar, nesta segunda-feira (13), a segunda edição do Fórum Nacional de Incentivo a Cadeira Leiteira para debater os “principais entraves de comércio, acesso à tecnologia e custo de produção”.

A deputada federal Aline Sleutjes (PSL-PR) mediou o debate com produtores de leite de seis estados brasileiros – cuja a produção é de até 5 mil litros por dia – para expor situações, dificuldades e propor um plano de apoio ao setor. “Temos muitas coisas para melhorar e evoluir. E cada dia com tecnologia, desenvolvimento e apoio do governo as nossas dificuldades vão ser diminuídas,” disse.

A parlamentar afirma que apenas 1% do leite é exportado no Brasil – 35 bilhões de litros. “Precisamos crescer ainda mais nossa cadeia produtiva de pequenos, médios e grandes produtores para exportação. Temos que pensar no leite como um produto intermediário que vai da condições de exportarmos o doce de leite, queijo e derivados.”

O Brasil é o 3º maior produtor de leite do mundo, e o alimento é o sexto de maior importância na cadeia do agro brasileiro. Ainda assim, o setor enfrenta dificuldades por conta dos altos custos na produção em consonância com a falta de políticas públicas, destacou o pecuarista de Minas Gerais, Renato Laguardia. “É importante que os governos federais, estaduais e municipais olhem para os médios produtores. Uma grande dificuldade que temos são os juros acima da média de mercado,” explicou.

O deputado Celso Maldaner (MDB-SC) enfatizou que é importante olhar de forma diferenciada para o pequeno e médio produtor. “Uma vez o agronegócio representava 10% do PIB, hoje ele representa 25%. Na cadeia do leite, o pequeno vai ter que se unir através de associação e cooperativismo para ser competitivo.”

Durante a discussão, Geovandro Vieira, produtor em Goiás, ressaltou a importância do acesso a tecnologia a cadeia leiteira no país. “Precisa ser trabalhada nessa legislação a assistência técnica para atender todos os produtores. Roelof Hermannes, do Paraná, falou que há carência na questão da pesquisa. “Estamos defasados nas pesquisas. E na questão de suprimentos de medicamentos, todos são de laboratórios internacionais e pagamos ônus para eles. Precisamos melhorar nossa infraestrutura laboratorial e pesquisas.”

Para Wander Bastos, produtor de São Paulo, um dos grandes entraves é a assistência técnica e extensão rural. “Aqui no nosso estado a deficiência é ainda maior e o produtor precisa saber fazer a gestão da sua propriedade.”

José Carlos, de Santa Catarina, disse que a falta de previsibilidade do preço do leite deixa os produtores amarrados. “As indústrias colocaram para nós que o pagamento será disponibilizado a partir do dia 15 de cada mês e algumas até o dia 25 do mês subsequente. Isso é um absurdo.” Já Jeferson Maciel, produtor do Rio Grande do Sul, contou que um problema bem pontual é o valor do produto e saber quanto o produtor vai receber. “Hoje não vendemos o leite, nós entregamos. Entregamos o produto por 30 dias, a indústria leva, beneficia, comercializa, faz o seu custo e depois vê quanto vai nos pagar.”

A próxima live do Fórum Nacional de Incentivo a Cadeira Leiteira vai ao ar na próxima segunda-feira (20), com o tema “novas políticas para a cadeia leiteira, indexador de preço de leite, mercado futuro e tendência de consumo de produtos lácteos”, a partir das 15h, nas redes sociais da FPA.

O setor de pecuária leiteira no Brasil é de grande importância econômica e social para o país. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA)

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER