Conselho indicou que deve alterar fórmula que tinha como base valor defasado dos custos de produção
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Conselho indicou que deve alterar fórmula que tinha como base valor defasado dos custos de produção

Entrevista no Programa Realidade com Gilson Lussani (Foto: Arquivo / Rádio do Vale)

A Federação dos Trabalhadores na Agricultura questionou nesta semana a forma do cálculo utilizada para definir os valores do litro de leite pago ao produtor. Depois da divulgação dos preços do mês de abril, a Fetag anunciou que vai manter o veto até que a fórmula seja refeita. A alegação é que os custos de produção utilizados são defasados, o que implica em um valor bem menor repassado pelas indústrias aos agricultores.

O Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Estrela, Rogério Heemann, concedeu entrevista ao Programa Realidade da Rádio do Vale e relatou que o valor de referência para os insumos utilizados pelos produtores é de 2019. Ele afirmou que as indústrias têm a obrigação de atualizar os preços para que os agricultores recebam uma quantia mais justa pelo litro de leite.

Nesta terça-feira (27), o vice-presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados, o Sindilat, que também é coordenador do Conseleite, conselho que divulga os valores que regulam a cadeia produtiva, Alexandre Guerra, concordou com a reivindicação da Fetag. Ele anunciou que os parâmetros para calcular o valor de referência do leite pago ao produtor no Estado devem mudar a partir de maio. Neste mês, o preço do litro foi projetado em R$ 1,4330, 0,85% superior a março. GL

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER