Estiagem/SC - A estiagem no Estado, que teve início em junho de 2019, já se mostra a mais severa desde 2005. A precipitação esperada para o final semana, especialmente no Oeste, não se confirmou e a escassez continua.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Estiagem/SC – A estiagem no Estado, que teve início em junho de 2019, já se mostra a mais severa desde 2005. A precipitação esperada para o final semana, especialmente no Oeste, não se confirmou e a escassez continua. A situação é preocupante, porque as previsões indicam chuvas abaixo da média até janeiro, o que impactará drasticamente na safra. Sem chuvas, tanto o Governo quanto os produtores buscam soluções paliativas para amenizar o problema

De acordo com os dados divulgados pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC), milho silagem acumula perda média de -6,75% na produção estadual, resultando numa produção esperada de 8,8 milhões de toneladas. Na região Extremo Oeste a perda média é de -13,76%, enquanto no Oeste fica em -7,24% e no Planalto Norte chega a -10,03%. Alguns municípios destas regiões já contabilizam perdas na produção superiores a 60%.

Para o milho grão da primeira safra, até o momento, a perda média esperada para o Estado é de -4,12%. O maior impacto está no Extremo Oeste, onde a quebra de produção média é de -19,07%. No Oeste a perda está em -9,2%. Neste cenário, a produção esperada é de 2,8 milhões de toneladas.

O fumo enfrenta até agora uma redução média de -1,92% no Estado, com produção estimada em 209,7 mil toneladas. Fumicultores do Extremo Oeste já acumulam perdas de -14,16%, no Oeste as perdas são de 7,94% e no Meio Oeste chegam a 6,05%.

Até o início de novembro, diversas regiões registravam impactos negativos da estiagem sobre a qualidade e quantidade de pastagens disponíveis para a produção animal, o que afeta o ganho de peso e a produção de leite, bem como na disponibilidade de água para os animais. As regiões mais atingidas também são Extremo Oeste, Oeste e Meio Oeste, que respondem por 80% da produção leiteira catarinense.

Por Aline Merladete

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER