Enquanto de um lado do país a calamidade está pautada na falta de chuvas, o outro, sofre com os excessos.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Fonte da foto: Cristiano Rodrigues - Pouso Alto/MG

Se no Sul do país as cidades estão em estado de emergência pela escassez e devido as altas temperaturas da região, a região de Minas Gerais, Tocantins e algumas cidades de São Paulo, estão sofrendo com o excesso de chuvas.

excesso de chuva compromete a produção leiteira gerando efeitos a longo prazo – como é o caso de milho para silagem que tem sua qualidade prejudicada devido os alagamentos – até situações de efeito imediato, como a dificuldade na captação do leite por conta das estradas intransitáveis.

No Vale do Jequitinhonha, as chuvas dos últimos dias causaram danos na agropecuária da região. Segundo levantamento preliminar da Emater-MG, cerca de 30 mil agricultores familiares e produtores rurais, em 289 comunidades, foram afetados direta e indiretamente. Os principais segmentos impactados pelo excesso de chuvas foram a pecuária leiteira e corte, culturas e pequenos animais. Esse primeiro levantamento foi realizado pelos extensionistas da unidade regional da Emater-MG em Almenara.

Italo de Sales de Alto Paranaíba/MG, relatou as dificuldades do dia a dia na produção de leite devido as chuvas. “As estradas rurais e até as rodovias vem sendo fortemente danificadas devido ao período chuvoso”, relatou.

Fonte da foto: Ítalo de Sales – Alto Paranaíba/MG

Ítalo contou que até o preço do frete acabou afetado – “Deslizamentos e rachaduras em rodovias federais e estaduais estão impossibilitando a passagem e afetando diretamente no tempo de duração da coleta e até no custo do frete, pois os desvios são bem longos”.

Fonte da foto: Ítalo de Sales – Alto Paranaíba/MG

Ele conta que em alguns pontos, o leite teve que ser descartado para desatolar os caminhões e, em outros casos, os produtores tiveram que desfazer do produto pois as situações da estrada impediam a coleta, fazendo com que o leite permanecesse por mais de 6 dias em tanques e estragando a produção.


Fonte do vídeo: Ítalo de Sales – Alto Paranaíba/MG

O produtor Cristiano Rodrigues, de Pouso Alto/MG, também relatou os mesmos problemas quanto a captação de leite. “As estradas estão todas sem condições de transitar, nem mesmo os caminhões conseguem fazer a coleta do nosso leite”, lamentou o produtor.

Fonte da foto: Cristiano Rodrigues – Pouso Alto/MG

Cristiano ainda relata que as enchentes tomaram conta das lavouras e isso irá gerar impacto na produção de alimento para os rebanhos futuramente – “A enchentes tomaram conta das roças e isso vai dar um prejuízo enorme”, comenta o produtor, que ainda enviou imagens das enchentes na área urbana mostrando como a água invadiu casas e ruas da cidade.

Fonte da foto: Cristiano Rodrigues – Pouso Alto/MG

O leitor de Itutinga e Carrancas/MG, também encaminhou vídeo relatando as dificuldades logísticas e necessidade de rebocar o caminhão com dois tratores. 


Fonte: Leitor da região de Itutinga e Carrancas/MG

Em Tocantins, o governo local decretou situação de emergência no Estado em razão de enchentes, inundações e alagamentos. As chuvas na região estão muito acima do normal.

Cheia do Rio Tocantins em Miracema do Tocantins — Foto: Secom-TO/divulgação

Ainda não é possível contabilizar prejuízos, mas várias lavouras foram afetadas pelo grande volume de água no Estado. “Teremos, sim, perdas por falta de enchimento de grão. A soja que será colhida no fim de janeiro e começo de fevereiro recebeu muita chuva e terá um peso de grão abaixo do normal”, relatou o diretor da Associação dos Produtores de Soja do Tocantins (Aprosoja-TO), Maurício Buffon.

E você, tem sido afetado? Conte para gente como tem lidado com a situação e os transtornos causados pelo excesso de chuva.

A criação de queijos artesanais é tanto uma arte quanto uma ciência.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER