A 42ª edição da Expointer  será palco do debate sobre o acordo entre o Brasil e a China para a exportação de lácteos. O encontro ocorre amanhã, 24 de agosto, a partir das 15h,
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

A 42ª edição da Expointer  será palco do debate sobre o acordo entre o Brasil e a China para a exportação de lácteos. O encontro ocorre amanhã, 24 de agosto, a partir das 15h, no Auditório da Administração do Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS). O objetivo do evento é orientar e promover a discussão entre a cadeia produtiva do leite, a fim de conhecer os principais desafios e oportunidades que surgem através do acordo.

Ainda no mês de julho, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou a abertura do mercado chinês, maior importador de lácteos do mundo, para à compra de derivados do leite e, desde então, as dúvidas começaram a surgir. De acordo com o chefe do serviço de inspeção federal do Mapa Leonardo Isolan, o país habilitou 24 estabelecimentos brasileiros para a exportação de produtos. Desses, seis são do Rio Grande do Sul. “Esse acordo é o primeiro grande passo para habilitar novas plantas no Brasil”, afirma Isolan, que, durante o encontro, falará sobre os procedimentos necessários para a exportação.
A entrada em vigor das Instruções Normativas do Leite (INs 76 e 77) do Mapa, que visam uma melhor qualidade do produto, ajudou o Brasil a competir com outros países que exportam para a China, segundo Isolan. “Agora, é necessário um trabalho em conjunto entre o poder público e a iniciativa privada para conseguirmos manter o Brasil no mercado chinês, através da comercialização de leite em pó e queijo,  na primeira etapa,  e depois com os demais derivados lácteos.
Para o presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat), Alexandre Guerra, o mercado chinês é gigante e altamente estratégico. “O maior desafio é, sem sombra de dúvidas, a busca de uma melhor competitividade dentro do setor”, declara.
O evento é uma promoção conjunta entre o Sindilat, I-UMA e Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Estado.

Os preços da indústria caíram 0,85% em outubro frente a setembro, a terceira variação negativa do Índice de Preços ao Produtor (IPP).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER