Segundo dados divulgados nessa quinta-feira (08/04) pela Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), o saldo da balança comercial de lácteos foi de -92 milhões de litros em equivalente leite no mês de março, uma queda de 10% quando comparada a fev/21 (ou seja, a balança ficou “menos negativa”).
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Segundo dados divulgados nessa quinta-feira (08/04) pela Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), o saldo da balança comercial de lácteos foi de -92 milhões de litros em equivalente leite no mês de março, uma queda de 10% quando comparada a fev/21 (ou seja, a balança ficou “menos negativa”).

Com a alta nos preços internacionais dos últimos eventos do leilão GDT e o dólar se sustentando em patamares elevados, tivemos em março, um leite brasileiro competitivo no mercado internacional, e o produto estrangeiro “caro” para chegar ao Brasil.

Como resultado, houve um aumento de 59% nas exportações brasileiras em relação a fev/21 (em equivalente litros de leite), e se compararmos com o mesmo período do ano passado, vemos um valor 40% maior. O volume importado, por sua vez, foi 6% menor em relação a fev/21. Confira a evolução no saldo da balança comercial láctea no gráfico 1.

Gráfico 1. Saldo mensal da balança comercial brasileira de lácteos (2017 -2021).

exportação de leite brasileira
Fonte: elaborado pelo MilkPoint a partir dos dados do COMEXSTAT

Apesar da tomada de fôlego para os lácteos no início de março, no fim do mês o novo lockdown na maioria das cidades e a demanda enfraquecida prejudicaram o ritmo de vendas para os derivados, resultando num mercado interno retraído.

Os preços continuam mornos e os estoques em patamares elevados para os queijos.  Esses fatores, em conjunto com a alta nos preços internacionais, foram determinantes para a redução das importações no mês de março.

Entre os produtos importados, os leites em pó e os queijos foram aqueles com maior participação na pauta importadora em março. O leite em pó integral foi aquele que apresentou variação negativa mais relevante, -65% em relação a fevereiro de 2021.

Em relação às exportações, os produtos que sustentaram o aumento no mês de março foram os leites condensadoscremes de leite, queijos e o leite UHT, que juntos representaram o total de 78% de todo o volume exportado.

O leite condensado sozinho teve 31% de participação, com aumento de 188% em relação ao mês anterior. Apesar de volumes não muito significativos, o mês de março possibilitou um salto positivo nas variações de alguns produtos como o soro de leite (+733%), o leite em pó semidesnatado (+308%), o leite evaporado (+338%), as manteigas (+309) e os doces de leite (+209%).

No último leilão GDT, os preços internacionais do leite em pó integral se mantiveram estáveis, fechando em US$ 4.085/ton. No entanto, apesar da ‘estabilidade’ este valor é pouco competitivo com os nossos preços internos, que giram em torno de US$ 3.800/ton no momento. Assim, a janela para a exportação do produto segue aberta.

Na tabela 2, é possível observar as movimentações do comércio internacional de lácteos no mês de março desse ano.

Tabela 2. Balança comercial láctea em março de 2021.

exportação de leite brasileira

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER