Eles podem ser substituídos por uma réplica vegetal para uso em chocolates, medicamentos e fórmulas para bebês.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
A ANNA BENNY DIZ QUE A FERMENTAÇÃO DE PRECISÃO INTERROMPERÁ A ATIVIDADE LEITEIRA.

O maior sucesso da indústria leiteira na exportação também pode ser a causa de sua maior preocupação no futuro, já que o leite em pó integral pode ser copiado e substituído por métodos de fermentação de precisão, mostram as pesquisas.

Anna Benny, gerente de contas técnicas do The Kellogg Rural Leadership Scheme, diz em um documento recente que o setor lácteo está maduro para a interrupção porque depende excessivamente das exportações de leite em pó integral.

O leite em pó integral poderia ser substituído por proteínas produzidas a partir de fermentação de precisão, o que no futuro seria mais barato e mais amigável ao clima.

No jornal, Benny mostrou que em 2020, as exportações de leite em pó integral contribuíram com quase 7,57 bilhões de dólares para a economia, um número que está aumentando constantemente. A Nova Zelândia forneceu 60% das exportações globais de leite em pó integral, a maior parte das quais foi para a China para uso como ingredientes em uma gama de produtos.

Leite em pó integral

O leite em pó integral era vendido como uma commodity, e atuava como ingrediente em tudo desde Kit Kats, bebidas de iogurte, bebidas esportivas, leitelho vendido no ginásio, e também era um ingrediente em muitos produtos farmacêuticos, disse Benny.

Os compradores de todo o mundo o viam como apenas um ingrediente, disse ele.

Benny, que disse que amava a indústria, tendo vivido em uma fazenda leiteira no sul de Otago com seu marido, acreditava que a história dos laticínios da Nova Zelândia, que era vista como um ponto de venda, não viajava com produtos locais.

“O maior cliente da Fonterra é a Nestlé – quando foi a última vez que você viu um produto Nestlé que falava de leite com baixo teor de carbono da Nova Zelândia ou do fato de nossas vacas serem criadas em pastagem? Ou de nosso leite verde e limpo?

“Acho que muitos produtores de leite estão desconectados do que acontece dentro da fábrica de processamento. Fazemos um belo produto natural, mas em uma planta ele é cuidadosamente controlado para fazer principalmente pós. Não há nada de romântico nisso”, diz Benny.

Fermentação de precisão

Em um processo semelhante ao de fabricação de cerveja, a fermentação de precisão utiliza células microbianas como fábricas para cultivar proteínas, gorduras, enzimas ou vitaminas. Para produzir moléculas idênticas às naturais, o processo precisava apenas de energia, água, micróbios, uma matéria-prima como o açúcar e um ambiente controlado, explica ele.

Isto contrasta com a ordenha das vacas.

“É um processo intensivo para produzir uma tonelada de leite em pó. Você tem que criar uma vaca. Não se pode ordenhá-la durante os dois primeiros anos até que ela tenha tido um bezerro. Uma vez no rebanho de ordenha, ela precisa de alimento e água suficientes para permanecer viva, ir ao celeiro duas vezes por dia e produzir leite.

“Se houver grama suficiente no campo, isto constituirá a maior parte de sua dieta, que normalmente será suplementada com ração suplementar, tal como feno ou bolo de palmiste (PKE). O leite será coletado e levado para outro local onde a água (87% do leite) será removida por secagem por spray, deixando apenas 13% de sólidos disponíveis para venda”, explica Benny.

A tecnologia de fermentação de precisão evita este processo. Se avaliadas com um microscópio, as proteínas cultivadas por fermentação seriam impossíveis de diferenciar daquelas produzidas por uma vaca. É também nutricionalmente o mesmo, disse ele.

“Se os fabricantes podem comprar o mesmo produto, ou um ainda mais consistente, mais seguro, de preço mais baixo, que tenha o mesmo propósito nos alimentos que estão produzindo, então por que o comprariam dos laticínios da Nova Zelândia”, disse ele.

“É um verdadeiro produto a granel que acaba nas lojas e parece o mesmo que os produtos de qualquer outro lugar do mundo, e se parece com as proteínas alternativas que estão vindo para nós”, disse ele.

As colocações de produtos lácteos no exterior atingiram US$ 402 milhões nos primeiros seis meses de 2022.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER