Além dos itens principais na pauta de commodities, o governo brasileiro tem trabalhado para diversificar os destinos e os produtos das exportações e ampliar a participação do País no comércio mundial.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Além dos itens principais na pauta de commodities, o governo brasileiro tem trabalhado para diversificar os destinos e os produtos das exportações e ampliar a participação do País no comércio mundial.

Mesmo diante da crise, as exportações do agro brasileiro foram decisivas para a Balança Comercial, e já garantiram quase a metade das vendas do Brasil para o exterior no primeiro quadrimestre de 2020. A informação é do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

De janeiro a abril desse ano, as exportações alcançaram US$ 70.4 bilhões, contra US$ 67. 4 bilhões no mesmo período do ano passado.

Segundo o Mapa, nos primeiros quatro meses do ano, as exportações do campo cresceram 6% em relação ao mesmo período de 2019, para US$ 31.4 bilhões, e ajudaram a compensar a queda de 12% dos demais setores.

Para Hélio Sirimarco, vice-presidente da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), “este cenário está sendo favorecido principalmente pela forte demanda da China, que respondeu por 37,7% (US$ 11.85 bilhões) das exportações do agronegócio brasileiro no período”.

Enquanto diversos setores da economia brasileira enfrentam uma séria retração, alguns dos produtos do agro batem recorde nas exportações. É o caso da soja, por exemplo, item principal na pauta de commodities.

O Mapa informou que no primeiro quadrimestre de 2020, foram exportadas 33.7 milhões de toneladas de soja, totalizando US$ 11.5 bilhões, cerca de 28,20% a mais que no primeiro quadrimestre do ano passado.

Já as exportações de carne bovina in natura, segundo o ministério, registraram aumento de 26,50% nos primeiros quatro meses desse ano, totalizando US$ 2.3 bilhões. No caso da carne suína, os embarques cresceram 56,60%, somando US$ 605 milhões.

Além disso, o Mapa contabilizou um aumento de 69,50% nas exportações de algodão, para US$ 1.1 bilhão. Sirimarco afirma que “o setor vem ganhando visibilidade também com a maior demanda por parte da China, que continua sendo o principal destino das exportações brasileiras, respondendo por 38% do total de embarques do agro, com US$ 11,8 bilhões”.

Segundo o vice-presidente da SNA, as perspectivas das exportações para o mercado asiático nos próximos meses são positivas. “O governo do país asiático divulgou dados econômicos de abril, que mostram uma recuperação contínua na indústria e nos investimentos, bem como uma recuperação surpreendente nas exportações”.

Diversificação

O Mapa informou ainda que o governo brasileiro tem trabalhado para diversificar os destinos e os produtos das exportações, com o objetivo de ampliar a participação do País no comércio mundial.

Recentemente, a ministra da Agricultura Tereza Cristina anunciou que, de janeiro de 2019 a maio de 2020, o Brasil abriu mais de 60 mercados, com destaque para as vendas de frutas, castanhas, pescados, leite e material genético.

Nesse período, foram habilitados mais de 700 estabelecimentos de diversos produtos, ampliando a presença brasileira em mercados onde o País já atuava.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER