O volume das exportações de gado no H1 já superou o volume total alcançado em 2021, com receitas 30% superiores às deste ano. Nos primeiros 6 meses, foram concluídos mais de US$ 285 milhões em remessas de animais vivos, carne, miudezas e produtos lácteos.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
gado
NOS PRIMEIROS 6 MESES, MAIS DE USD 285 MILHÕES EM REMESSAS DE ANIMAIS VIVOS, CARNE, MIUDEZAS E PRODUTOS LÁCTEOS FORAM CONCLUÍDOS. FOTO: ELUNIVERSAL.COM.cO

No total, entre janeiro e junho de 2022, o país recebeu cerca de USD 285.440.000 em exportações do setor pecuário, dos quais mais de USD 198,6 milhões correspondem à venda de gado vivo, USD 79,5 milhões à carne e miudezas, e USD 7,3 milhões aos produtos lácteos.

De fato, o relatório do Escritório de Planejamento e Estudos Econômicos da Fedegán-FNG baseado em números do Departamento Administrativo Nacional de Estatística (DANE) confirma que em apenas um semestre o número total de embarques de gado feitos em todo o ano de 2021 foi excedido.

Pouco mais de 15.000 cabeças de gado são necessárias para superar o número de 2020, o mais alto dos últimos anos. Foi assim que as exportações de gado, carne e laticínios se deslocaram no primeiro semestre do ano.

Exportação de gado vivo

Os dados do primeiro semestre do ano confirmam que as exportações de gado vivo enviaram a parada em 2022. Em 6 meses, foram embarcados 248 770 bovinos, o que não só é 73% maior do que o mesmo período em 2021, mas também 1599 mais do que todo aquele ano, que foi de 247 171.

A receita deste item atingiu USD 198,6 milhões (valor FOB), que não só é 139% maior que os USD 83,2 milhões obtidos entre janeiro e junho de 2021, mas também 31% maior que os USD 151,5 milhões do ano anterior.

Em comparação com os dados de 2020, embora ainda faltem 15.337 animais em relação ao número anual de 264.107 animais embarcados há dois anos, a receita já é 38% superior aos quase 143,9 milhões de dólares que custou. Em comparação com o primeiro semestre, o crescimento é de 88% em número de animais e de 183% em receita.

O Egito foi o maior comprador durante 2022 com 199 263 bovinos por 152 586 000 USD (77%), com compras em cada um dos 6 meses. A Arábia Saudita completou 31.284 bovinos por USD 28.907.000, seguida pela Jordânia com 11.636 por USD 10,06 milhões (o mesmo número desde março) e o Líbano registrou 6587 bovinos por USD 7,07 milhões.

Exportação de carne e miudezas

Em contraste com o segmento de animais vivos, as exportações de carne e miudezas são menores em comparação com o ano passado. No primeiro semestre do ano, foram relatadas 17 976 toneladas, 26% menos que as 24 442 toneladas no mesmo período de 2021. Ao mesmo tempo, as receitas caíram 19 %, a 79 535 000 dólares, em comparação com 98 469 000 dólares de um ano atrás.

A Rússia é o principal destino com 6259 t por USD 24 528 000 (31%), o segundo é o Chile com 2920 t por USD 16 491 000 (21%), seguido em valor pelo Líbano com 1690 t por USD 9 120 000, embora o Egito tenha importado mais volume com 2064 t mas menos custo: USD 7 563 000. A Líbia completa o top 5 com 1603 t por USD 6 191 000.

Em 6º lugar na lista está Hong Kong, que recebeu 647 t por USD 3 346 000, depois a Jordânia com 612 t por USD 2 912 000, a Arábia Saudita com 560 t por USD 2 380 000, os Emirados Árabes Unidos com 386 t por USD 2 073 000 e a Turquia fecha o top 10 com 360 t por USD 1 760 000.

Outros destinos incluem Curaçau, Vietnã, Gabão, Angola, Qatar, Guiné Equatorial, Libéria, República do Congo, Costa do Marfim e Reino Unido, totalizando 875 t com um valor FOB de USD 3,08 milhões.

Exportação de produtos lácteos

As exportações de produtos lácteos atingiram 1565 t com um valor FOB de USD 7 284 000, uma queda de 58,5% em relação às 3775 t registradas no primeiro semestre de 2021. Também caiu 48,7 %, de 14,2 milhões de dólares. O volume é quase igual ao volume de janeiro-junho de 2020 de 1634 t, embora 22% maior a 5,96 milhões de dólares.

Em ordem de recebimento, 207 t de outros queijos foram enviadas por USD 2 488 000 (34%), 390 t de queijo fresco por USD 2 016 000 (28%), 310 t de outros leites fermentados ou acidificados por USD 725 000 (10%), 107 t de leite em pó integral por USD 588 000 (8%) e 77 t de manteiga por USD 423 000 (6%).

Também foram exportados leite condensado, leite líquido com teor de gordura superior a 10% em peso, outros leites em pó, soro de leite, iogurte, iogurte, leite em pó desnatado, leite líquido, queijo ralado, entre outros. Estes produtos representam 475 t com um valor FOB de USD 1 044 000, o que corresponde a 14% da receita.

 

É praticamente impossível tirar certos aperitivos do gosto do brasileiro. Sabendo disso, uma pesquisa decidiu apurar um dos nossos xodós do cardápio nacional e elegeu o melhor requeijão que hoje é vendido no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER