FAZER LEITE NO MEIO DA QUARENTENA – eDairyNews Últimas notícias
Brasil |22 mayo, 2020

mercado | FAZER LEITE NO MEIO DA QUARENTENA

Vende-se mais leite fluido, alguns queijos e dulce de leche. Mas 30 pequenas empresas que forneciam pizzarias e restaurantes fecharam.

Vende-se mais leite fluido, alguns queijos e dulce de leche. Mas 30 pequenas empresas que forneciam pizzarias e restaurantes fecharam. Existem excedentes no mundo e os preços estão a baixar de 3.500 dólares por tonelada para 2.700. A produção estagnou desde 2008.

Poucos sectores da economia se comportam de forma tão diferente nesta quarentena como o sector leiteiro. Alguns estão a pleno vapor, produzindo tão raramente quanto possível. É o caso de La Serenissima com grande procura de leite líquido em sachê. Outras desligam os seus motores, como as fábricas que forneciam mozzarella a pizzarias e restaurantes. Ou os dos dulce de leche industriais e gelados que vendem 10%. Há cerca de 30 pequenas empresas que fecharam as suas portas. A propósito, o foco de acção do sector leiteiro é muito vasto. Há os que se dedicam a produtos de alto valor e iogurtes que são angustiados por menos dinheiro nas pessoas, enquanto as primeiras marcas não sabem como captar a atenção desse consumidor que mudou os seus hábitos.
Segundo Alejandro Maurino, CEO da edairynews, a quarentena aumentou o consumo de leite líquido, queijo fresco e dulce de leche. E as empresas que vendem leite ao governo conseguiram colocar importantes volumes nos planos sociais. Maurino salienta que houve um aumento dos custos que não pôde ser transferido para os preços finais.

Mas antes do início de 2020, a Danone informou que a sua sede tinha contribuído com 110.000.000 euros para a filial local. Em 2019, os seus escritórios sofreram 30%. Na sede de Paris, no elegante Boulveard Haussmann, eles não olhariam para a Argentina com carinho, como fizeram quando Antoine Riboud e Daniel Carassò vieram para ser parceiros da La Serenissima.

No início do mandato de Mauricio Macri, o Presidente da Nestlé, Peter Brabeck, comprometeu-se a investir. E isso aconteceu. Foi assim que surgiram as linhas de leite infantil na Villa Nueva e de leite condensado na Firmat. Os resultados não chegaram. Por sua vez, Milkaut, BonGrain, Savencia experimentou, com a chegada do seu novo CEO Juan Carlos Dalto, uma viragem para produtos de alta gama e rentabilidade. Esse negócio foi comido pelo coronavírus.

Saputo, a empresa canadiana liderada por Lino Saputo, desembarcou com a compra da Molfino e da La Paulina à Perez-Companc. Hoje, juntamente com La Serenisima, está no topo da recepção de leite na Argentina, ambos seguidos pela crescente Adecoagro. A novidade é que o Saputo, pela primeira vez, não estaria a receber apoio do Canadá. Quanto ao casal Arcor-Mastellone, o progresso da família Pagani é notável, aproximando-se dos 50%. No entanto, a última aquisição de acções da Arcor deixou os membros da Mastellone com um gosto amargo e um desejo de ir a tribunal, e haveria mais amargura num mundo onde já existem stocks excedentários devido a uma queda na procura. Estes volumes estão a ser armazenados sob a forma de leite em pó. Há quem diga que teremos de nos preparar para uma queda acentuada dos preços, o que, desta vez, é grave. Os EUA deitaram mesmo fora 25 milhões de litros por dia devido ao encerramento de cadeias alimentares. O preço internacional era de 3 500 USD por tonelada de leite em pó em Março: desceu para 2 700 USD

Federico Boglione, da empresa La SIbila, está obcecado com o que é quase um debate existencial entre empresários. E gira em torno da questão de saber se os auxílios oficiais devem ser discriminatórios em função da dimensão da empresa. Para o proprietário da La Sibila, esta deve ser separada consoante se trate de empresas com capital nacional ou estrangeiro. «As pessoas de fora podem vir, fechar uma empresa e sair. Estamos comprometidos com o nosso consumidor e ainda estamos no país», afirmou.

E o produtor de leite? Ele cobra 0,27 por litro. Do lado dos industriais, eles dizem que é um preço excessivo. Mas Guillermo Draletti, seu líder histórico, diz: «Continuamos trabalhando em um laticínio que estagnou desde 2008, com uma produção de 10,3 bilhões de litros por ano, sendo superada pelos vizinhos e até mesmo pela Colômbia». Outro dado, o consumo por habitante é de 200 litros por ano. No dramático ano de 2002, o consumo atingiu 230.

Aviso legal sobre propriedade intelectual em conteúdo digital

Todas as informações contidas nestas páginas que NÃO são de propriedade da eDairy News e NÃO são consideradas "de domínio público" pelos regulamentos legais são marcas registradas de seus respectivos proprietários e reconhecidas por nossa empresa como tal. A publicação no site eDairy News é feita com a finalidade de coletar informações, respeitando as normas contidas na Convenção de Berna para a Proteção das Obras Literárias e Artísticas; na Lei 11.723 e demais normas aplicáveis.

Qualquer reivindicação decorrente das informações contidas no site eDairyNews será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, com sede na cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outra jurisdição, incluindo a Federal.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Notas relacionadas