Com a retração do consumidor, valor do litro de leite caiu além do esperado, produtores estão desanimados e consequência pode ser a falta do produto no mercado.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
industrias
Produtores de leite se queixam dos baixos preços pagos pelo litro de leite

A Comissão Técnica da Pecuária de Leite da Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais  (FAEMG) soltou nessa segunda-feira (12) um comunicado dizendo que acompanha com apreensão o comportamento do mercado de leite e seus reflexos para produtores e consumidores. O presidente da Comissão Técnica, Jônadan Ma, diz que a nota é um “manifesto de indignação e total desaprovação à forma desproporcional com que as indústrias e cooperativas de laticínios vêm impondo reduções de preços ao produtor rural”.

“A indústria (incluindo cooperativas) e o varejo se aproveitaram da situação ocorrida no primeiro semestre do ano em que houve uma baixa oferta de leite por parte dos produtores e alta demanda dos consumidores, impondo preços excessivos ao varejo e  obtendo elevadíssimas margens de lucro”.

Agora, segundo ele, a conta desse desequilíbrio chegou porque houve uma retração do consumidor, os estoques sobraram e os preços caíram muito.  “Novamente, querem que apenas o pequeno produtor arque com esse prejuízo. Tanto a indústria quanto o varejo erraram na dose da precificação e, agora, todos amargam o retrocesso do mercado. O que não podemos aceitar é que essa “conta” seja paga somente pelos produtores de leite”, disse o presidente.

Jônadan comentou ainda que a situação é preocupante porque pode haver ‘uma debandada geral da atividade leiteira’. Muitos produtores já vêm desistindo e trocando de ramo. “Caso se mantenha esse cenário de baixa remuneração dos produtores,  a situação poderá se tornar ainda mais grave, com consequências inimagináveis”, alertou Jônadan.

SILEMG diz que não houve ‘margem elevada’ e que a indústria é uma extensão do produtor

O presidente do Sindicato das Indústrias de Leite e Produtos Derivados de Minas Gerais  (SILEMG), Guilherme Abrantes, disse  não discordar totalmente da nota da Comissão de Pecuária de Leite da FAEMG e se solidariza com a situação dos produtores. “Somos totalmente sensíveis à causa deles. Somos uma extensão deles. Precisamos uns dos outros. O produtor não vive sem a indústria e vice-versa”

Por outro lado, ele disse não ser verdade que as indústrias “lucraram absurdamente” porque custos como embalagens, energia elétrica e combustíveis também tiveram aumentos consideráveis que impactaram nos custos de produção da indústria. “Além disso, é preciso levar em consideração que, de janeiro desse ano pra cá, o preço do leite pago aos produtores teve um aumento de 60,7%. A  remuneração pelo litro do produto passou de R$ 2,13 para R$ 3,57”.

Abrantes avalia ainda que a alta dos preços ao consumidor é reflexo da estiagem prolongada no ano passado que afetou os pastos, a alimentação das vacas, os índices de prenhez e, consequentemente, a disponibilidade do leite no mercado. Como fenômeno mais recente, o executivo citou o contexto do mercado internacional (especialmente Europa e Mercosul) que, com preços mais competitivos,  estimulou a importação do leite em pó, forçando a queda nos preços do mercado interno.

O presidente do Silemg reconhece não se tratar de uma equação fácil, que precisa levar em conta muitas variáveis e cita a criação do Conseleite – que, mensalmente, analisa números passados pela indústria, cooperativas e produtores para obter um valor de referência do litro de leite a ser pago ao produtor – como um avanço.   “O caminho é esse: o do diálogo, da empatia pelos entraves e desafios de cada um dos elos da cadeia”, afirmou. Se pudesse dar um conselho aos produtores de leite, ele diria: “observem atentamente os números de suas propriedades: custos, investimentos e lucro. Gerenciem bem esses números, reduzam custos onde for possível e, se possível, invistam na qualidade do leite. Nós, da indústria, sempre reconhecemos e nos esforçamos para remunerar melhor o produto de alta qualidade”.

Veja trechos da nota da Comissão de Leite:

“Os produtores de leite vêm sofrendo prejuízos operacionais desde agosto de 2021. E neste último trimestre, voltaram a ser remunerados com elevadíssimas reduções no valor do litro do leite e, consequentemente, a trabalhar com prejuízos.

Em nome dos produtores de leite de Minas Gerais, os quais esta Comissão Técnica de Pecuária de Leite se propõe a defender e lutar, manifestamos que:

1- Este lastimável quadro foi consequência de desmedida busca do lucro, que notadamente não era sustentável;

2- Transferir esta conta negativa integralmente para os produtores é uma medida inconsequente, pois eles não terão como restabelecer sua capacidade produtiva perante os altos custos que ainda permanecem;

3. Como consequência, a curto e médio prazos, a captação de leite não será restabelecida como deveria já estar acontecendo.

4. Já é hora de trabalharmos unindo forças, entre todos os elos da cadeia – produtores, indústria, varejo e consumidor, para criarmos uma estrutura justa e equilibrada para todos.

Ao se concentrar no crescimento, resiliência e sustentabilidade, os processadores de laticínios têm a oportunidade de alavancar o impulso e envolver consumidores e clientes com uma história unificada.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER