Programa Conexão Brasília desta terça, 24, abordou PEC que acaba com a desoneração das exportações de produtos primários
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Programa Conexão Brasília desta terça, 24, abordou PEC que acaba com a desoneração das exportações de produtos primários

24 de setembro de 2019 às 17h09
Por Laila Sousa, de Brasília

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que acaba com a desoneração das exportações de produtos primários foi tema do Programa Conexão Brasília desta terça-feira, 24. O programa tratou da possibilidade da extinção da Lei Kandir, criada em 1996 para tornar mais competitivas as vendas externas de itens primários. O assunto é tratado na PEC 42/2019, que deve ser votada na próxima semana no Senado Federal. O fim da isenção do ICMS nesse caso afeta diretamente o setor agrícola aumentando o custo de produção.

“Esse é um problema que atinge frontalmente a produção nacional. Isso atrapalha toda economia nacional, atrapalha o desenvolvimento do Estado brasileiro, a geração de emprego, a movimentação da produção nacional que avança a passos largos e, principalmente, atrapalha as exportações”, afirmou o deputado Neri Geller (PP-MT) ao lembrar que a agropecuária é responsável pelo superávit da balança comercial brasileira.

O parlamentar reconhece que é necessário fazer ampla discussão no Congresso sobre o tema, já que a desoneração do ICMS também tem grande impacto para estados e municípios. Segundo Geller, é papel do Parlamento discutir e regulamentar a compensação da Lei Kandir para as unidades da federação. Porém, um setor fundamental para a economia do país não pode ser prejudicado. “Não dá para aceitar que o Brasil exporte impostos”, acrescentou.

Neri Geller ainda disse que a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) está mobilizada em torno do assunto para evitar o que ele chama de “desastre do ponto de vista do custo de produção”. Ele afirma que esse custo pode aumentar de 2% até 17%, percentual do ICMS, a depender do texto final que será votado no Senado. “Acreditamos que essa matéria não vai passar, ao menos, na Câmara”, concluiu.

Produção leiteira

A formulação de uma política pública voltada à cadeia do leite também foi debatida no programa. O deputado Celso Maldaner (MDB-SC) falou sobre seu trabalho na Subcomissão Permanente do Leite, que apresentou nesta terça o relatório apontando os maiores gargalos do setor e as sugestões de apoio governamental, principalmente do Ministério da Agricultura. Atualmente, o setor envolve 1,3 milhão de produtores, principalmente pequenos e médios.

Maldaner disse que a ideia é apresentar soluções para “criar um país mais competitivo, porque as portas estão se abrindo, inclusive para a China, para exportar leite em pó e derivados de lácteos”. Segundo ele, não podemos depender exclusivamente do Ministério da Economia. “O Ministério da Agricultura tem que ter vida própria e ter um olhar diferenciado sobre a bovinocultura de leite”, pontuou.

Hoje, o Brasil já é autossuficiente na produção de leite, com 35 bilhões de litros ao ano. Contudo, a produtividade do país é muito baixa em relação à média mundial: 1.600 litros contra 3.500 litros por vaca ao ano. A cadeia demanda melhor alimentação para o rebanho, assistência técnica, e redução da carga tributária para competir em pé de igualdade com países como Argentina e Uruguai e os europeus.

O deputado apontou a importância, por exemplo, da criação de uma linha de crédito para permitir que o pequeno e médio produtor financie a rede bifásica e trifásica. “Para cumprir a norma e ter qualidade, não pode ter carência de energia elétrica”, reforçou ao se referir a Instrução Normativa 76, que trata dos requisitos de identidade e qualidade do leite.

Como em quase todos os aspectos da vida, o que é bom é bom porque está em equilíbrio: a dieta mais completa, mais ecológica e mais barata possível dentro dessa completude será composta de animal, com o leite desempenhando um papel de liderança, e vegetal.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER