A ideia é usar a biotecnologia em vez da agricultura convencional para a produção de alimento.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Cientistas finlandeses do centro de pesquisa VTT conseguiram fazer café sem usar grãos de café, graças às técnicas da agricultura celular. Até agora, a agricultura celular tem sido associada à produção de substitutos para carnes, laticínios e ovos, mas os pesquisadores do centro de pesquisas VTT voltaram sua atenção para o café.

O projeto atende à crescente demanda global por grãos de café e aos desafios de sustentabilidade enfrentados pelo setor. Quase 10 bilhões de kg de café são produzidos em todo o mundo a cada ano, o café é a terceira bebida mais consumida globalmente, depois da água e do chá, e seu consumo está crescendo rapidamente em todo o mundo.

Acompanhar essa demanda significará criar mais espaço para o cultivo do café, mas a expansão da fronteira agrícola é limitada pelos ecossistemas florestais. Para piorar a situação,  estudos  mostraram que o café é altamente suscetível às mudanças climáticas, com grande parte das terras adequadas para sua produção devendo diminuir significativamente em um mundo mais quente. O aumento das temperaturas também torna as doenças e pragas mais comuns, afetando a produtividade das lavouras de café.

“A ideia é usar a biotecnologia em vez da agricultura convencional para a produção de alimentos e, portanto, fornecer rotas alternativas que sejam menos dependentes de práticas insustentáveis”, disse o pesquisador Heiko Rischer. “Por exemplo, essas soluções têm uma pegada hídrica menor e menos transporte é necessário devido à produção local. Não há dependência sazonal e nem necessidade de pesticidas”.

Sondagem do Sincovaga consultou 17 supermercados em quatro regiões; cesta de 16 itens pode ser até 40% mais cara, dependendo do estabelecimento.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER